Mostra “Motumbá” ressalta a diversidade de distintas expressões culturais

PROGRAMAÇÃO DE DANÇA DO ÚLTIMO MÊS DA MOSTRA “MOTUMBÁ”RESSALTA A DIVERSIDADE DE DISTINTAS EXPRESSÕES CULTURAIS

Enviado para o Portal Geledés

As atrações vão desde um tradicional cortejo deBumba Meu Boi até uma batalha de dança, ambos reconhecidos como importantes movimentos sociaispor seu caráter de resistência

Bumba Meu Boi

 

 

Desde que entrou em cartaz, em novembro do ano passado, a mostra Motumbá – Memórias e Existências Negras vem reunindo, no Sesc  Belenzinho, uma série de apresentações e espetáculos que têm como foco a preservação das identidades de diferentes expressões artísticas.

No final do mês, a atração o Bumba Meu Boi – Cortejo e Apresentação com o Grupo Cupuaçu e Tião Carvalho (23/3) irá tomar a praça da unidade, com um espetáculo repleto de personagens do imaginário popular, entre eles índios, caboclos e vaqueiros. Desde 1986 o grupo se dedica a pesquisar e propagar as tradições artísticas brasileiras, sobretudo as maranhenses, realizando,também,cursos e encontros referentes à temática.

Para encerrar a temporada de dança, a experiência Viva esse Boi – Troca de Saberes e Vivência com o Grupo Cupuaçu e Tião Carvalho(26/3) permitirá aos interessados conhecer as raízes desse ritmo, além de experimentar a brincadeira do Bumba Meu Boi a partir de atividades lúdicas que promovem a interação entrecrianças e adultos.

A mostra Motumbá – Memórias e Existências Negras integra diversas linguagens artísticas e ações culturais com o objetivo de apresentar um panorama das poéticas, estéticas e temáticas produzidas e interpretadas por grupos e artistas negros e periféricos. Segue até março com programação variada, oficinas, debates, apresentações de teatro, performances, dança, shows musicais, saraus literários e muito mais.

Abaixo, mais detalhes sobre as atrações de dança para o fim do mês de março da mostra Motumbá:


DANÇA

INTERVENÇÃO

 

Bumba Meu Boi – Cortejo e Apresentação com o Grupo Cupuaçu e Tião Carvalho

O Bumba Meu Boi é um espetáculo popular dramático que tem na dança e na música os elementos que conduzem a reconstrução da narrativa mítica do Boizinho de São João, com a representação tragicômica dos personagens Amo (cantador-chefe), Catirina, Chico e Vaqueiro. A estes personagens centrais somam-se as figuras do Cazumbá, de índios e índias, caboclos de pena, o “batalhão” de vaqueiros e outras figuras do imaginário mítico.Dança de origem desconhecida, embora seja evidente as influências indígena e africana nesta manifestação, presente em muitos Estados do Brasil e principal ciclo festivo de São Luiz (Maranhão). Neste Estado, a dança se divide de acordo com os três sotaques (ritmos) existentes: sotaque de matraca (ou da ilha) – encontrados na baixada ou na Ilha de São Luís; sotaque de zabumba – encontrados na baixada; sotaque de orquestra – do sertão do Maranhão. Cada um deles exerce influência distinta na dança, indumentária e música da manifestação. O Grupo Cupuaçu prioriza, em seu trabalho, o sotaque de matraca. Criado em 1986, o grupo se dedica à pesquisa, difusão e ensino das tradições artísticas brasileiras, sobretudo as maranhenses, atuando por meio de cursos, encontros, calendário de atividades tradicionais, espetáculos e constantes ensaios. Apresenta em seu repertório danças populares tradicionais, canções de criação coletiva, músicas incidentais, cânticos e ladainhas de autoria de seus integrantes, bem como canções de domínio público e do cancioneiro popular de diferentes regiões brasileiras. Sua intensa pesquisa lhe rendeu os CDs “Toados de Bumba Meu Boi” (selo Núcleo Contemporâneo) e “Todo Canto Dança”. A formação faz parte do programa Brasil Memória em Rede. Em 2009, passou a integrar a “Ação Griô Nacional”, do Programa Cultura Viva, ação da Secretaria da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura e, em 2011, teve seu projeto “Ciclo do Bumba Meu Boi – 2012” contemplado pelo edital Funarte Artes de Rua – dança, circo e teatro. Realizou, por dois anos consecutivos (2012-2013), o projeto “Dança, Morro do Querosene”, com apoio do Programa VAI, da Prefeitura de São Paulo. Foi contemplado, em 2013, com o Prêmio Culturas Populares (MINC)por sua trajetória e contribuição para as culturas populares tradicionais no Brasil.

Quando:26/3 (domingo, das 18h às 19h)

Local:Praça

Ingresso: Grátis

Livre
VIVÊNCIA

Viva Esse Boi – Troca de Saberes e Vivência com o Grupo Cupuaçu e Tião Carvalho

Além dos aspectos históricos do folguedo, os participantes terão a oportunidade de conhecer a dramaturgia e a expressão de ritmos tradicionais, além de experimentar a brincadeira do Bumba Meu Boi, conhecendo sua origem e suas diferentes expressões regionais a partir de propostas lúdicas que preparam crianças e adultos para a brincadeira. Criado em 1986, o Grupo Cupuaçudedica-se à pesquisa, difusão e ao ensino das tradições artísticas brasileiras, sobretudo maranhenses, atuando por meio de cursos, encontros, calendário de atividades tradicionais, espetáculos e constantes ensaios. Em seu repertório apresentam danças populares tradicionais, canções de criação coletiva, músicas incidentais, cânticos e ladainhas de autoria de seus integrantes, bem como canções de domínio público e do cancioneiro popular de diferentes regiões brasileiras. Sua intensa pesquisa lhe rendeu os CDs “Toados de Bumba Meu Boi” (selo Núcleo Contemporâneo) e “Todo Canto Dança”.Faz parte do programa Brasil Memória em Rede e, 2009, passou a integrar a “Ação Griô Nacional”, do Programa Cultura Viva, ação da Secretaria da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura. Em 2011 teve seu projeto “Ciclo do Bumba Meu Boi – 2012” contemplado pelo edital Funarte Artes de Rua – dança, circo e teatro. Realizou, por dois anos consecutivos (2012-2013), o projeto “Dança, Morro do Querosene”, com apoio do Programa VAI, da Prefeitura de São Paulo. Em 2013 foi contemplado com o Prêmio Culturas Populares (MINC) por sua trajetória e contribuição para as culturas populares tradicionais no Brasil.

Quando:26/3 (domingo, das 14h30 às 16h30)

Local: Sala de Expressão Corporal 2 – Segundo Pavimento

Ingresso:Vagas limitadas. Retirada de senhas com 30 minutos de antecedência no local. Grátis

Livre

M O T U M B Á – Memórias e Existências Negras
Data:
até março de 2017
Local: Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho, São Paulo (SP)
Mais informações: (11) 2076-9700 ou  www.sescsp.org.br/belenzinho ehttp://www.sescsp.org.br/programacao/107905_M+O+T+U+M+B+A++MEMORIAS+E+EXISTENCIAS+NEGRAS#/content=programacaoEstacionamento: Credencial Plena – Primeira hora: R$ 5,50. Adicional por hora: R$ 2,00.
Outros – Primeira hora: R$ 12,00. Adicional por hora: R$ 3,00.

Preço promocional para espetáculos – Credencial Plena: R$ 7,50. Outros: R$ 15,00.

 

 

+ sobre o tema

Edson Cardoso, o Jacaré do É o Tchan, se firma como ator dramático

O baiano, que integra o programa 'Aventuras do Didi',...

Rapper angolano Malef ganha prémio em Festival Internacional de Hip Hop

O rapper Malef ganhou o prémio de melhor artista...

Olímpiadas 2012: Serena Williams na final após vitória arrasadora

A norte-americana Serena Williams está classificada para a final...

Mostra divulga produções artísticas da periferia de São Paulo

Por: Camila Maciel São Paulo – Cantar, recitar,...

para lembrar

Riquelme: ‘Paulinho é um Lampard negro’

Argentino do Boca Juniors rasgou elogios ao ex-corintiano e...

Spike Lee faz ‘vaquinha’ na Internet para financiar novo filme

Cineasta norte-americano pede ajuda aos internautas para arrecadar verba...

“O Mordomo” examina questão racial ao longo das décadas nos EUA

Filme de Lee Daniels é inspirado na história de...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=