Motorista por aplicativo nega corrida a morador do DF por racismo

“Preto não vai entrar no meu carro a essa hora da manhã”. Foi com essa frase que Patrick Vinícius Gomes de Souza, 25 anos, e o filho de três anos foram recebidos por um motorista por aplicativo na última sexta-feira (30/7). Morador do Guará, Patrick conta que solicitou a corrida com a empresa 99 para levar o filho para a creche, porém foi impedido de entrar no veículo. 

“Quando eu cheguei perto do carro, falei bom dia para o motorista e, ao me ver, trancou a porta e disse: ‘Preto não vai entrar no meu carro a essa hora da manhã'”, relatou Patrick. “Ele ainda falou vários palavrões, que não cabem comentar, depois saiu cantando pneu”, completa o autônomo. 

Sem veículo próprio, Patrick tem o costume de solicitar corridas em transporte por aplicativo ou andar em transporte público. “Já passei por situações como essa. É uma situação muito complicada, fora a vergonha que passei na rua em frente ao meu prédio”, conta. 

“Ele poderia ter simplesmente inventado uma desculpa e cancelado a corrida. Ia ficar subentendido, mas é melhor do que ele dizer isso claramente. Falta de respeito”, aponta Patrick Vinícius que fez o boletim de ocorrência na 4ª Delegacia de Polícia (Guará II). A ocorrência foi registrada como injúria racial, que consiste na conduta de ofender a dignidade de alguém utilizando elementos referentes a raça, cor ou etnia.

De acordo com o código penal, a pessoa que cometer o crime de injúria racial pode ser condenada a pegar de um a três anos  de reclusão e multa. “Fui atrás de registrar a ocorrência para ele não fazer isso com mais ninguém. A empresa fala que ele tem nota 4.9, várias corridas. Mas isso não garante que ele não cometa atos racistas”, afirma Patrick. 

Em nota, a 99 lamenta o ocorrido. “Assim que tomamos conhecimento do fato, banimos o motorista do app. Além disso, estamos em contato com Patrick para oferecer suporte e nos encontramos disponíveis para colaborar com as autoridades”, destacou a empresa. 

Segundo o comunicado, a plataforma tem uma política de tolerância zero a casos como esse e repudia veementemente qualquer ato discriminatório. “Todos os usuários, sejam eles motoristas ou passageiros, devem se tratar com respeito e profissionalismo. Em comportamentos assim, que vão contra os Termos de Uso e o Guia da Comunidade 99, todas as medidas cabíveis são adotadas, incluindo o bloqueio imediato do perfil”, ressaltou.

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Nem tudo era italiano …

Este brilhante trabalho foi apresentado originalmente em 1995 como...

Além de odiar as mulheres, atirador de Santa Bárbara era racista, diz jornal americano

"Como pode garoto negro conquistar uma menina e não...

Coisas que uma sociedade racista faz por você

Você, um belo dia, está na faculdade e vem...

Denúncias de racismo na internet crescem 81% em 2014, aponta levantamento de ONG

Aumento foi observado na comparação entre os primeiros semestres...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=