terça-feira, setembro 21, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoEntidades denunciam racismo após pastor demonizar imagens de religião afro

Entidades denunciam racismo após pastor demonizar imagens de religião afro

Representantes de religiões de matriz africana de Pernambuco acionaram a Justiça para retirar das redes sociais a postagem de um pastor evangélico que chamou de “reverência a entidades satânicas” os painéis artísticos em um túnel do Recife. Eles representam os elementos da natureza sob a ótica da cultura afro-brasileira. As entidades também fizeram uma denúncia por racismo religioso e discurso de ódio.

No vídeo, publicado na segunda-feira (26), Aijalon Berto, da igreja Ministério Dúnamis, localizada no Grande Recife, diz que as imagens contêm ideogramas ligados à “feitiçaria” na cultura afro. “Esse painel é nada mais, nada menos que uma reverência a entidades malignas, satânicas. Espíritos das trevas. As entidades não são forças da natureza, são demônios”, afirmou em vídeo do Instagram.

O painel artístico, concluído no início do mês passado, fica no Túnel da Abolição, ao lado do museu de mesmo nome. Parte do programa municipal Colorindo o Recife, tem a assinatura dos grafiteiros Emerson Crazy, Adelson Boris e Nathê Ferreira. Nele estão os quatro elementos da natureza sob a perspectiva de religiões afro-brasileiras, como o candomblé: Inã (fogo), afefe (ar), aiye (terra) e omi (água).

Crazy considerou as declarações do pastor como um ataque não só a milhares de pessoas de religiões afro mas também à arte. “Esses comentários acabam incentivando outras pessoas ignorantes a atacar algo que não conhecem”, afirma.

Procurada pelo UOL, a Prefeitura do Recife informou que a proposta do programa é fazer da capital pernambucana uma grande galeria de arte a céu aberto e promover o protagonismo dos artistas urbanos.

O programa foi criado em 2013 e, desde 2017, é uma política pública constante da cidade para fomentar a interação com espaços públicos. São mais de 200 painéis espalhados pela capital pernambucana.

Segundo a administração municipal, os temas nascem do diálogo entre gestão e artistas selecionados via chamamento público. No caso das pinturas no túnel, o tema foi aprovado pela relação da via com o Museu da Abolição, que desde 1983 exibe peças do cotidiano do período escravagista.

“Por trás dessas imagens, sob o prisma do cristianismo, isso é demonolatria, que é adoração aos demônios”, afirma o pastor Aijalon Berto.

Painel artístico no Túnel da Abolição, no Recife (PE)

Ao tomar ciência das declarações do pastor, a Rede de Articulação da Caminhada dos Terreiros de Pernambuco repudiou os comentários e decidiu tomar ações judiciais. Auxiliada pela Idafro (Instituto de Defesa dos Direitos das Religiões Afro-Brasileiras), entrou com uma representação junto ao Facebook, dono do Instagram, e protocolou uma denúncia na Secretaria de Defesa Social de Pernambuco.

Coordenadora da rede de articulação, mãe Elza de Iemanjá julga o vídeo do pastor um desrespeito à ancestralidade das religiões afro-brasileiras.

O negro chegou ao Brasil tem mais de 500 anos. Nossa ancestralidade tem que ser respeitada. Se ele me compara a um ser demoníaco e agride uma obra de arte, isso é um ato de agressão estúpida à nossa ancestralidade.

BaIalorixá Elza de Iemanjá, da Rede de Articulação da Caminhada dos Terreiros de Pernambuco

Ao UOL, o pastor Aijalon Berto, que atua na cidade de Igarassu, no Grande Recife, afirmou que seu posicionamento é embasado no cristianismo e na Bíblia. Para ele, a liberdade de expressão lhe garante o direito de pregar a quem quer que seja.

A palavra de Deus é meu arcabouço cristão. Se aquele painel é para reverenciar a cultura, por que não desenharam uma paisagem da África? Tem que fazer a separação do que é cultura e o que é religião. Usar verba pública para promover determinada religião? O Estado não pode fazer isso. Não é uma homenagem à ancestralidade, e sim um fomento à divindade do candomblé. Repudio qualquer ataque a terreiros, quebra de qualquer imagem de religiões, mas a Constituição me permite a pregação do Evangelho.

Aijalon Berto, pastor

Segundo o edital, cada artista recebeu R$ 5.000. Em nota, a prefeitura afirmou que os artistas que participam do trabalho tiveram sua liberdade de expressão assegurada.

O advogado Hédio Silva Júnior, coordenador do Idafro, vê no argumento do pastor Berto uma tentativa de acobertar preconceito.

“Os tribunais fazem uma distinção entre proselitismo religioso e o discurso de ódio. Ele falar bem da religião dele, que é a melhor, a verdadeira, tudo bem. Mas o que está posto nesse vídeo não é proselitismo religioso, é crime de discurso de ódio.”

A jurista Bárbara Lobo, doutora em direitos fundamentais e direitos humanos, explica que declarações que promovem intolerância ou violência contra pessoas ou grupos e sejam fundadas, por exemplo, no racismo, fundamentalismo religioso, LGBTfobia e misoginia são abusivas e violam a liberdade de expressão.

“No caso, as falas contêm conteúdo de intolerância com as religiões de matrizes africanas, expressas em fundamentalismo religioso, que não reconhece a liberdade religiosa. Falas com esse teor, para além da intolerância religiosa, são racistas e configuram discurso de ódio, pois promovem ataques à espiritualidade e religião de grupos da população. Elas negam a ancestralidade africana do povo brasileiro e revelam uma teocracia não admitida pela laicidade estatal”, explicou.

Por outro lado, acrescenta a doutora, a liberdade de consciência e de crença é assegurada como diretriz inviolável da Constituição. Esse direito, porém, não avaliza discursos de ódio.

“O Brasil não é um país evangélico ou neopentecostal, o Brasil é uma nação diversa, multicultural e plural. Temos inúmeras obras de arte fundadas em elementos religiosos e espirituais. Várias dessas são importantes para o turismo, como o Cristo Redentor, os profetas de Congonhas, as Igrejas de Ouro Preto, a basílica de Nossa Senhora Aparecida. Assim como elementos cristãos podem ser representados artisticamente, os elementos de outras religiões também podem, sem que a arte, os artistas e as pessoas que se reconhecem nessas religiões sofram ataques”, disse.

Foto em destaque: Reprodução/ UOL

RELATED ARTICLES