SP: entidades protestam contra ação violenta do Estado nas periferias

Movimentos sociais fizeram um protesto nesta segunda-feira no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) contra a ação violenta do Estado nas periferias das cidades. Os manifestantes pediram um basta nos homicídios praticados por policiais, principalmente contra a população pobre e negra moradora de bairros periféricos.

“A gente vê os massacres diariamente e grita por um basta, mas os crimes não são investigados, são todos arquivados. As autoridades não assumem que existe, dentro das instituições, grupos de extermínio. Eles não querem admitir que existe uma higienização da pobreza”, diz Débora Maria da Silva, do Movimento Mães de Maio.

Após o ato, os manifestantes, portando bandeiras e cartazes, partiram em caminhada até a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, onde ocorre hoje a entrega do Prêmio Santo Dias. O prêmio, que leva o nome de um operário assassinado durante uma greve em 1979, é entregue anualmente a pessoas ou entidades com atuação em defesa dos direitos humanos em São Paulo. Até o fechamento da matéria a polícia não havia informado o número de participantes do ato.

“A desmilitarização das polícias para nós é um elemento fundamental para resolver o problema. Mas a lógica hoje da Polícia Militar é a lógica de ter um inimigo interno. E o inimigo sempre escolhido são os trabalhadores pobres negros da periferia”, disse Guilherme Boulos, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, que organizou a mobilização.

Para Douglas Belchior, da União dos Núcleos de Educação para Negros (Uniafro), a violência contra a população da periferia é mostra da continuidade de um processo histórico de um estado racista. “O Estado brasileiro é um estado estruturalmente racista e suas políticas têm a sua contaminação. A gente percebe o racismo, do ponto de vista da negação dos direitos, seja na saúde, na educação, seja no transporte, precário nos lugares onde geograficamente a população negra está, seja por meio da ação armada do Estado”, disse.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo foi procurada para comentar as declarações das entidades e até o momento não respondeu à reportagem.

Onda de violência
Desde o início do ano, 100 policiais foram assassinados no Estado. Desse total, 21 eram aposentados e três estavam em serviço. Além disso, o Estado continua a enfrentar um grande índice de violência. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, só na capital foram registrados 1.135 casos de homicídios dolosos entre janeiro e outubro, mais do que todo o ano de 2011. O mês de outubro foi o mais violento dos dois últimos anos na cidade, com 176 mortos. Em todo o Estado, foram 4.007 casos registrados desde janeiro.

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

O caso Marielle Franco e a reação da ONU

Marielle Franco, vereadora eleita na cidade do Rio de...

Anistia Internacional grava vídeo comovente com parentes de Marielle Franco. Veja aqui

Por ocasião dos quatro meses do assassinato de Marielle...

Governo federal oferece proteção à Mônica Benício, viúva de Marielle Franco

O Ministério dos Direitos Humanos vai incluir a arquiteta...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=