Tag: #BlackLivesMatter

    Manifestantes carregam cartazes com os nomes de jovens mortos por ações policiais, durante o Ato Vidas Negras Importam, em Cidade Tiradentes, Zona Leste de São Paulo (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

    ‘Parem de matar nossos filhos’, dizem mães após assassinatos em SP

    Em protesto organizado por 15 coletivos da periferia, do movimento negro e frentes populares, manifestantes reivindicaram respostas para a morte de cinco jovens assassinados pela polícia e para a falta de acesso à saúde na zona leste de São Paulo durante a pandemia. O ato batizado de Vidas Pretas Importam aconteceu neste sábado (4), em Cidade Tiradentes. Ele partiu da Praça 65 , na av. dos Metalúrgicos, às 13h e foi até às 17h30, terminando em frente ao Terminal Tiradentes, na capital paulista. Segundo a organização, entre 150 e 200 pessoas participaram do ato, entre eles familiares dos jovens Felipe Santos Miranda, Brayam Ferreira dos Santos e Igor Bernardo dos Santos, assassinados durante a pandemia. A manicure Ana Paula Bernardo dos Santos, 45, mãe de Igor Bernardo, 17, morto em 18 de março, esteve presente. Segundo ela, o filho foi morto com quatro tiros por ter sido confundido com outro ...

    Leia mais
    Naima Nascimento (Foto: Rolling Stone EUA / Cortesia Sequoia Chappellet Volpini)

    Menina de 10 anos faz sucesso com música sobre Black Lives Matter: ‘Orgulhosa e completamente triste’, diz mãe

    Aos 10 anos, Naima Nascimento escreveu uma música para ajudar a processar os sentimentos dela em relação à recentes mortes de pessoas negras inocentes. No mês de junho, a mãe da menina, Sequoia Chappellet-Volpini, postou um vídeo nas redes sociais da filha sentada e tocando ukulele. Desde então, o clipe foi visto 1 milhão de vezes apenas no Facebook. Intitulada de “BLM”, em apoio ao movimento Black Lives Matter, Naima faz referências à violência e as mortes viriais de George Floyd e Ahmaud Arbery. “Eu não posso mudar você / Você tem que mudar sozinho / Eu gostaria de te ajudar / Veja, eu sou apenas como todo mundo”, diz a jovem cantora. Ao longo da canção, a menina de 10 anos celebra a própria vida como uma jovem mulher negra e o direito dela de lutar. Em uma postagem do Instagram, Sequoia escreveu que a filha mandou o vídeo ...

    Leia mais
    Ilustração: Linoca Souza

    Enquanto houver racismo, não haverá democracia

    Quando o joelho de um policial branco norte-americano sufocou e matou George Floyd, muitos de nós por aqui pudemos sentir o peso daquele corpo sobre o pescoço e também os últimos suspiros deste, agora símbolo contemporâneo eterno contra a brutalidade racial e do combate ao racismo. No Brasil, conhecemos bem o significado da violência policial contra a população negra, jovens negros, moradores de nossas favelas, periferias e alagados. Não há entre eles quem não tenha dezenas de histórias como essas para contar e, muitas vezes, em protesto, grite: “Basta!”. Sim, as comunidades reagem, as mães e os familiares gritam por justiça e não são ouvidos. O Mapa da Violência 2019, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), é categórico. Entre 2007 e 2017, mais de 420 mil pessoas negras – mulheres e homens – foram vítimas de homicídio sob incontestável violência policial, ...

    Leia mais
    Foto: Michael Nagle/Bloomberg

    Wall Street: o código racial de que ninguém fala

    Aqui estão 13 regras não escritas sobre ser negro em Wall Street, de acordo com pessoas que passaram pela experiência: Nunca se esqueça: apesar de todas as promessas sobre diversidade, apenas cerca de 1% dos cargos de gerência sénior são ocupados por negros. Cuidado ao apontar este dado em ambientes de trading predominantemente brancos e principalmente masculinos. Acostume-se a ouvir falar na suposta falta de candidatos negros "qualificados". Um 4.0 em Harvard não é suficiente. Alguns executivos brancos de Wall Street pensam que os colegas negros são "contratados pela diversidade". Adote uma "voz branca". Espere ouvir reclamações sobre formações tendenciosas. Trabalhe horas extra para combater estereótipos sobre "ética no trabalho". Não peça tarefas diretamente; e espere perder algumas para colegas brancos menos qualificados. Dissimule a raiva ou frustração. Respeite o espaço pessoal dos colegas brancos. Não ria alto demais. Aja como se tudo isto fosse normal. Não fale sobre raça. ...

    Leia mais
    PROTESTO NOS EUA PELA MORTE DE GEORGE FLOYD. FOTO: AFP.

    Brasil se posiciona contra inquérito da ONU sobre violência policial nos EUA

    O Brasil se posicionou contra a criação de uma comissão de inquérito internacional para investigar abusos e violência policial contra a população negra nos Estados Unidos, durante uma reunião extraordinária do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na quarta-feira 17. A reunião extraordinária foi convocada por 54 nações africanas para debater a discriminação e o “racismo sistêmico” nos Estados Unidos, motivadas pelo homicídio de George Floyd, homem negro morto em Minneapolis em 25 de maio, após ser pressionado contra o chão pelo joelho de um policial durante vários minutos. Ao se posicionar contra, a representante da missão permanente do Brasil junto à ONU em Genebra, Maria Nazareth Farani Azevêdo, argumentou que o problema do racismo não é exclusivo de uma região específica. “É um flagelo profundamente enraizado em muitas partes do mundo, afetando grande parte da humanidade”, afirmou, acrescentando que também é importante reconhecer o “papel indispensável” das ...

    Leia mais
    Reprodução/Instagram

    Lewis Hamilton participa de protesto antirracista em Londres

    O hexacampeão da F-1 Lewis Hamilton foi às ruas de Londres neste domingo (21) para participar de manifestações contra o racismo. O inglês de 35 anos, único piloto negro na principal categoria do automobilismo, se juntou aos manifestantes que protestam desde a morte de George Floyd, americano negro que morreu após ser sufocado por um policial branco em Minneapolis, nos Estados Unidos, no dia 25 de maio.   Ver essa foto no Instagram   Went down to Hyde Park today for the peaceful protest and I was so proud to see in person so many people of all races and backgrounds supporting this movement. I was proud to be out there acknowledging and supporting the Black Lives Matter movement, and my black heritage. I was so happy to see people of all ages, sporting Black Lives Matter signs and saying it just as passionately as I was. I was also ...

    Leia mais
    'Sem Descanso' participará do San Francisco Black Film Festival em junho/ Divulgação

    ‘Sem Descanso’, premiado documentário de Bernard Attal, divulga trailer

    O documentário mostra como Geovane, um jovem morador da suburbana de Salvador, Brasil, foi levado, em 2014, por uma viatura da Policia Militar em pleno dia. Depois de uma investigação conduzida pelo próprio pai e pelo jornal local, o corpo foi encontrado esquartejado e sete policias foram indiciados. A polícia brasileira é uma das mais violentas no mundo. As vítimas são principalmente os jovens negros da periferia das cidades. Os casos são raramente elucidados e as famílias ficam na ignorância do destino dos seus filhos. Mas o pai de Geovane se recusou a descansar até descobrir o paradeiro do seu filho. A narrativa, de caráter investigativo, costura a trama e a procura das raízes históricas e sociológicas da violência policial. O documentário foi produzido pela Santa Luzia e tem distribuição da Livres Filmes. Nas palavras do diretor Bernard Attal, “a violência policial no Brasil alcançou tal nível que se pode falar hoje de um ...

    Leia mais
    Manifestação a favor da democracia e contra o racismo na Avenida Paulista no domingo, 14 (Foto: Taba Benedicto/Estadão)

    Racismo é um impedimento ao desenvolvimento econômico brasileiro

    Durante muito tempo a “branquitude” – o privilégio que a sociedade colonial e europeia adquiriu e conservou no Brasil – reinou como se fosse verdade e realidade “natural”: inquestionável e, por isso, invisível. Foi assim que nos acostumamos a achar “normal” não encontrar negros e negras nos bancos das nossas melhores escolas, nas redações dos jornais, nos ambientes corporativos, na direção de instituições e até mesmo nas áreas de lazer dos bairros considerados mais nobres. Também defendemos uma suposta “meritocracia” sem atentarmos para os cortes de classe e raça que esse conceito traz; como falar em “mérito”, de uma forma geral, quando o ponto de largada é profundamente desigual? Nos habituamos, ainda, a chamar de “universal”, e sem pejas, uma história que é só europeia, e a uma arte que é eminentemente masculina e ocidental. Se a “nossa” arte e a “nossa” história carecem de adjetivação, já as demais precisam ...

    Leia mais
    Criança participa de marcha no Central Park West em celebração ao Juneteenth em Nova York (Foto: Reuters/Andrew Kelly)

    ‘Juneteenth’, o dia da emancipação dos escravos nos EUA 

    Washington, 19 Jun 2020 (AFP) - O chefe do exército da Confederação, Robert Lee, encerrou a Guerra da Secessão nos Estados Unidos assinando a rendição em 9 de abril de 1865, mas foram necessários dois meses para que os escravos de Galveston, no Texas, fossem informados de que finalmente eram homens livres. Essa data, 19 junho de 1865, foi batizada como "Juneteenth", uma contração da palavra junho e do número 19 em inglês. Também é conhecida como o "Dia do Jubileu" ou o "Dia da Liberdade". O presidente americano Abraham Lincoln havia decretado a libertação dos escravos dois anos e meio antes, ao assinar em 1o de janeiro de 1863 a proclamação da emancipação. Mas o Texas, que como território do sul fazia parte da Confederação, foi o último estado a libertar os escravos. Em Galveston, os escravos receberam a notícia com a chegada das tropas da União, comandadas pelo ...

    Leia mais
    Lanchonete da rede Wendy’s é incendiada após protesto contra racismo e brutalidade policial em Atlanta (Reuters)

    Morte de homem negro causada pela polícia de Atlanta foi homicídio, diz legista

    A morte reanimou os protestos em Atlanta depois de dias de manifestações mundiais contra o racismo e a brutalidade policial desencadeadas pela morte do afro-norte-americano George Floyd sob custódia da polícia de Mineápolis no dia 25 de maio. Uma autópsia realizada no domingo mostrou que Brooks, de 27 anos, morreu devido à perda de sangue e aos ferimentos internos causados por duas feridas de tiros, disse um investigador do instituto médico-legal em um comunicado, que acrescentou que a forma de sua morte foi homicídio. O encontro fatal de Brooks com a polícia aconteceu depois que um funcionário de um restaurante Wendy’s de Atlanta telefonou às autoridades para dizer que alguém havia adormecido no carro na faixa de drive-through. Registrado pela câmera corporal do policial e por uma câmera de vigilância, o encontro pareceu amistoso a princípio, já que Brooks aceitou um teste com bafômetro e falou sobre o aniversário da ...

    Leia mais
    Foto: SILVIA IZQUIERDO / AP

    Um problema de cor

    Vidas negras importam? Não no Brasil, mostram os números e a realidade No último país do continente a abolir a escravidão, o desbalanço entre as raças começa cedo. A depender da cor de sua pele, uma mulher grávida pode ter duas vezes mais risco de morrer no parto. Nascidos, os bebês correm o dobro de risco de perecer antes do primeiro ano de vida. Também se reflete na morte. Os dados mais recentes sobre a diferença entre a expectativa de vida entre negros e brancos, de 2011, sugerem que os primeiros vivem em média cinco anos a menos. Estão mais sujeitos a mortes evitáveis, aquelas que se pode prevenir por ações efetivas dos serviços de saúde. Reflete-se também nas novíssimas doenças: a morte pelo coronavírus, indicam os dados preliminares, cresce desproporcionalmente conforme a tez do paciente. E também aos assassinatos. Apesar da tendência de queda nos números globais do morticínio ...

    Leia mais
    "Vou seguir contribuindo com mais esforços e maneiras de ajudar. Continuem a dizer seus nomes!", finalizou (Foto: Kevin Winter/Getty Images)

    ‘Continuem a dizer seus nomes’, diz Timberlake sobre negros mortos nos EUA

    O cantor Justin Timberlake lamentou a morte de cinco pessoas negras nos Estados Unidos em uma publicação em seu perfil no Instagram na noite de ontem. "O sistema precisa mudar. Ele nos mostrou repetidamente que os negros nos EUA não estão seguros", disse o cantor. "Vou seguir contribuindo com mais esforços e maneiras de ajudar. Continuem a dizer seus nomes!", finalizou. Na publicação, Timberlake começou falando de Rayshard Brooks - "ele não deveria estar morto" -, baleado no estacionamento de um restaurante em Atlanta na última sexta-feira (12). Em seguida, o cantor lembrou os casos de Riah Milton e Dominique Fells, duas mulheres transgênero mortas no país, e Robert Fuller, encontrado pendurado em uma árvore na Califórnia. Timberlake também falou do caso de Breonna Taylor - "ainda estamos esperando justiça" -, uma mulher de 26 anos que foi morta em março por policiais em meio ao cumprimento de um mandado ...

    Leia mais
    blank

    Eu nos quero vivos

    Quando eu era criança minha mãe me definia como curiosa, acho que foi o adjetivo que ela encontrou para descrever alguém que queria saber demais. Na verdade eu só busco encontrar um sentido nas coisas, sempre – talvez seja aí que eu fracasse, vai saber. De qualquer forma, depois de dias sem conseguir dizer nada – eu não conseguia respirar – ouvi por aí que agora George Floyd se tornou um mártir Em 2018, aqui no Brasil, foi Marielle Três tiros na cabeça Mártir. Essa palavra fez algo vivo revirar dentro de mim. Não está certo. Por que mártires? Para que? A serviço de quem? A quem beneficia tirar o horror da morte dos nossos corpos e reduzi-los a mártires? Ser mártir justifica uma morte nossa que não tem sentido. É o puro horror daquilo que não cabe em nenhuma categorização porque não tem que caber. Tem que acabar. Eu ...

    Leia mais
    blank

    “As pessoas querem ser escutadas” , diz Cherizar Crippen, líder do Black Lives Matter

    Cherizar Crippen é uma das jovens negras líderes do movimento Black Lives Matter (BLM) que está fazendo ferver os Estados Unidos em protestos antirracistas em 50 Estados do país, espalhando a pólvora da indignação pelo mundo, após o assassinato de George Floyd, em Minneapolis. Cherizar é ativista em sua cidade Greensboro, na Carolina do Norte, e o afro-americano Marcos Deon Smith, foi morto pela polícia em 2018. Cherizar, que veio ao Brasil representando o BLM em duas ocasiões, com uma delegação em 2017, e no Fórum Social Mundial, em 2018, conversou com a coluna Geledés no debate após participar de protestos em Greensboro. A jovem estudou no Centro de Pesquisa e Educação Highlander, uma escola de treinamento em liderança em justiça social, e hoje trabalha em cinco organizações diferentes, todas ligadas ao Black Lives Matter. “Meu trabalho inclui advocacia juvenil, comunicação, logística, educação popular, facilitação de estratégias emergentes, coordenação”, conta ela. Nesta ...

    Leia mais
    The Obama Foundation

    George Floyd, Barack Obama e a Segurança pública no Brasil

    Na última quarta-feira, 03 de junho, Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos, fez um pronunciamento sobre o assassinato brutal de George Floyd por um policial branco de Minneapolis. Na ocasião, Obama expressou suas condolências, e da ex primeira-dama, Michelle Obama, à família de Floyd e seguiu sua análise sobre o momento crítico pelo qual passa o país. Entre as similaridades das injustiças enfrentadas pela população negra nos Estados Unidos e aqui no Brasil, destaco a inercia e resistência em discutir e implementar reformas na política de segurança pública. É preciso lembrar, sempre, o papel do racismo em estruturar e produzir injustiças em uma sociedade. Tal fenômeno foi registrado por Obama que categorizou como um problema estrutural dos EUA e classificou como uma praga as suas consequências, a exemplo de Jim Crow (leis de segregação racial), redlining (negação sistemática de serviços a determinado bairro) e o racismo institucional. [caption id="attachment_153160" align="aligncenter" ...

    Leia mais
    blank

    O que significa afirmar que as vidas dos negros e das negras importam?

    Logo após o dia 25 de maio, marcado pelo brutal assassinato de George Floyd, homem negro de 46 anos, em Minneapolis, no sudeste do Estado de Minnesota, nos Estados Unidos, as ruas de dezenas de cidades norte-americanas têm sido ocupadas por manifestantes que denunciam o que esse crime efetivamente revela: o racismo institucionalizado que estrutura um amplo espectro de relações sociais naquele país. Mas, então, levanto a questão: por que apenas quando algumas de nossas mortes são filmadas é que a branquitude faz coro ao “black lives matter”? O racismo, como hoje o entendemos, não é sinônimo de “preconceito”. O racismo é uma estrutura que combina o preconceito ao poder, isto é, trata-se de uma opinião formada sem embasamento que conta, para a sua perpetuação, com diversos dispositivos que ordenam a vida, os corpos, as ideias e os espaços ocupados por pessoas, queiram elas ou não. Isso implica reconhecer a ...

    Leia mais
    © REUTERS/Brendan McDermid

    Apoio a movimento antirracismo cresce após morte de George Floyd, diz pesquisa

    O apoio dos americanos ao movimento contra o racismo "Black Lives Matter" (vidas negras importam) aumentou desde o início dos protestos pela morte de George Floyd e superou 50% nas últimas duas semanas, revela uma pesquisa. Floyd, um ex-segurança de 46 anos, morreu no dia 25 de maio depois de ter o pescoço prensado contra o chão pelo joelho de um policial em Minnesota. As imagens e a voz estremecida de Floyd foram compartilhadas na internet e causaram comoção e revolta, com uma onda de protestos que se espalhou por dezenas de cidades dos EUA e outras partes do mundo. Segundo levantamento da agência de pesquisas online Civiqs com mais de 106 mil pessoas, a maioria (53%) é favorável ao "Black Lives Matter", uma diferença de 28 pontos percentuais para os que são contrários. Em 24 de maio, antes da morte de Floyd, a margem era de 17 pontos percentuais ...

    Leia mais
    Ricardo Moraes/Reuters

    Manifesto de negras e negros evangélicos

    “Ai dos que promulgam leis iníquas, os que elaboram escritos de opressão, para suprimir os direitos dos fracos, e privar de justiça os pobres do meu povo.” Isaías 10:1-2. Nós, negras e negros evangélicos brasileiros, nos manifestamos para clamar a urgência de a igreja se posicionar a denunciar o racismo como pecado, e pecado estrutural. Quantas irmãs de nossas igrejas já perderam os filhos assassinados? Quantos jovens de nossas igrejas já foram mortos? Quantas irmãs oram por seus filhos presos? Queremos vida, mas as oportunidades são negadas, as portas de empregos cada vez mais são fechadas, o acesso à educação e ao sonho da universidade ainda não é para todos. Na maioria das vezes, nos falta o básico, nos faltam casa, alimento e água. Quantos irmãos e irmãs estão morrendo nas filas dos hospitais e tantos outros nem conseguiram ter atendimento quando foram buscar a cura? É hora de reconhecer ...

    Leia mais
    Tasos Katopodis / Getty Images

    Posicione-se!

    Desde o assassinato de George Floyd, temos visto toda uma movimentação nas redes sociais em defesa das vidas negras, onde as pessoas estão postando imagens, usando hashtags, escrito textos, etc e tudo isso é muito legal e importante. Mas é necessário que essa atitude vá além das redes sociais e não estou falando sobre confrontos físicos, mas sobre mudança de comportamento. Aliás, se fôssemos expressar em palavras os confrontos que têm ocorrido nos EUA, seria exatamente assim: CHEGA! ESTAMOS CANSADOS! "NÃO CONSEGUIMOS MAIS RESPIRAR (adaptado)." Cansados de sorrisos amarelos, de pedidos de desculpas, de "não era essa minha intenção", "eu não fiz por mal", "somos todos iguais", "tenho até amigos negros", "a moça que trabalha lá em casa…", de pessoas falando da NOSSA vivência, de pessoas querendo dizer onde é o nosso lugar e todas as outras justificativas para esconder e fazer perpetuar o preconceito e o racismo. Se você ...

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    Nota da Coalizão Negra por Direitos por justiça para Miguel Otávio!

    A Coalizão Negra por Direitos se solidariza com a dor profunda de Mirtes Renata Souza e sua família pela perda irreparável do pequeno *Miguel Otávio*. Estamos, todas/os nós ao lado de sua família por justiça e apuração isenta dos fatos desencadeados pela postura criminosa de Sari Gaspar Corte Real, que ceifaram a infância, a adolescência e a vida adulta de Miguel Otávio. Impunidade nunca, esquecimento jamais! A Coalizão Negra por Direitos é uma articulação nacional de organizações, entidades e coletivos de movimento negro, de todo o país, criada em 2019 e que vem atuando em âmbito nacional e internacional com ações de denúncia e incidência política para o combate ao racismo no Brasil. Sobre o caso do pequeno Miguel, vimos que todas as imagens que registram os últimos minutos da criança não deixam qualquer dúvida sobre a responsabilidade de uma mulher adulta, “empregadora” e membro da elite política local na ...

    Leia mais
    Página 1 de 72 1 2 72

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist