O que significa o surto de ódio e racismo do diretor do musical sobre Chico. Por Marcos Sacramento

Vejo entre amigos do Facebook e grupos em que participo negros apoiando o impeachment da presidente Dilma Rousseff ou adotando uma postura neutra revoltada, sob a justificativa de que nenhum dos lados do debate se importa com as questões raciais.

Por Marcos Sacramento, do DCM

Depois do chilique do diretor de teatro Cláudio Botelho durante a apresentação da peça “Todos os Musicais de Chico Buarque”, em Belo Horizonte, não há dúvidas de que o lugar dos negros nesta história é pela defesa da democracia e contra o golpe travestido de impeachment.

Ao ser criticado com gritos de “não vai ter golpe” após atacar a presidente da república e o ex-presidente Lula durante a apresentação do último sábado (19), o diretor saiu do palco e foi para o camarim, onde desabafou aos berros com a atriz Soraya Ravenle.

“O ator que está em cena é um rei, não pode ser peitado por um negro, por um filho da puta que está na plateia”, disse Botelho.

O áudio da conversa foi divulgado na internet pela Mídia Ninja. Questionado pela amiga atriz de que o comentário foi inoportuno neste momento tenso em que o país atravessa, ele disse que “isso aqui são bandidos, são pessoas armadas”, entre outros lugares comuns usados pelos revoltados online.

Ao jornal O Globo, ele disse que usou a expressão “nego” no sentido de pessoa e não “negro”. Mas um dos presentes ao espetáculo que se sentiram contrariados com o proselitismo de Botelho, o ator Adir Assunção, é negro, e chegou a enviar um e-mail para o Chico Buarque contando o incidente.

Outro ponto questionável é que “nego”, no sentido de pessoa, vem sempre como sujeito na frase. Se ele dissesse “nêgo vai ao teatro para peitar o ator” não haveria indícios de racismo, mas a forma com que Botelho usou a palavra deixou o sentido no mínimo suspeito.

As postagens de Botelho no Facebook deixam ainda mais frágil a tese do “nego” como sinônimo de pessoa. Reveladas pelo site Viomundo, mostram um elevado grau de analfabetismo político.

“Notícia de suma importância: Lindbergh Farias e Jandira Feghali morreram. Não morrera de fato, porque para morrer, é necessário estar vivo. E vermes não vivem; vicejam. Vou dormir mais feliz hoje, porque sei que essa dupla vai pelo ralo junto com a Máfia geral, e que no máximo serão síndicos dos seus prédios. Portanto, morreram! Viva a morte de Lindinho e Fegalona, a mulher que nunca comprou um pente (sic)”, postou pouco tempo atrás.

Como tantos coxinhas que gritam contra a corrupção, Botelho tem seus esqueletos no armário. Sua empresa, a Moeller e Botelho Produções Artísticas Ltda, foi alvo de uma ação do Ministério Público Federal sobre irregularidades no SESC relativas a uma quantia de R$ 34,2 milhões, usada para contratações das empresas sem licitação e sem tomadas de preços.

Para completar o currículo, Botelho é ganhador do prêmio Faz Diferença, do jornal O Globo.

O teor preconceituoso da fala de Botelho tem eco entre os que se dizem indignados com a corrupção e querem a queda do governo custe o que custar. No final do ano passado, um desses revoltados, assustado com a presença de skatistas em uma manifestação no Rio de Janeiro, disse que “polícia se assustou, porque eles eram de cor e realmente assusta, a imagem”.

Salvo escassas exceções, essa turma que sai às ruas vestida de verde e amarelo não está interessada na erradicação da pobreza e diminuição da desigualdade social, ações que impactam diretamente a população negra.

O depoimento de Botelho resume o pensamento das ruas, tosco, tacanho, violento e racista. Sintetiza a ideologia de quem foi doutrinado pelo Jornal Nacional e idolatra um juiz que atropela a Constituição Federal em nome da ânsia de ver Lula na cadeia.

Só existe um lugar para o povo preto na pior crise política brasileira dos últimos, que não é em cima do muro e muito menos ao lado do MBL, dos bolsomitos e das viúvas da ditadura.

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

+ sobre o tema

Com mieloma múltiplo, Luiz Melodia faz quimioterapia e é internado na UTI

O cantor Luiz Melodia, 66, está internado desde terça-feira...

Diretora de “Daughters of the Dust”, Julie Dash vai dirigir filme sobre Rosa Parks

Símbolo do movimento dos direitos civis dos negros nos...

Atletas que cometerem crimes de racismo devem ser proibidos de jogar, defende secretário baiano

O Secretário de Relações Internacionais do governo da Bahia,...

Emicida: “Sou um soldado do rap”

 YUMBER VERA ROJAS A nova estrela do hip hop brasileiro...

para lembrar

‘Cartas’ entre Maria Helena Rodrigues e Amílcar Cabral em cena

A correspondência trocada entre Amílcar Cabral e Maria Helena,...

Líderes africanos querem Organização Mundial do Meio Ambiente

    À margem da 17ª Cimeira da União Africana, que...

13 de maio – Assinada a Lei Áurea

O Brasil está livre do trabalho escravo. Na tarde...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...
-+=