Gaby Amarantos ama usar turbantes: “Eu me sinto mais negra, bonita e poderosa”

Enviado por / FontePor Larissa Santos, Do IG

“Ah, que isso, elas não estão descontroladas! Elas são feministas, estão empoderadas, elas não estão descontroladas!”. A versão atualizada do clássico funk carioca fez parte de um show diferente comandado por Gaby Amarantos, na última edição da Virada Cultural, em São Paulo. O Juranas no Sistema é um projeto paralelo da cantora paraense, que cada vez mais está voltada para o resgate de sua ancestralidade. Uma prova disso, são os turbantes que ela faz questão de usar e abusar.

Em bate-papo com o iG, Gaby conta que usa turbantes desde criança, mas sem ter a noção de sua importância. “[Era] aquela coisa que a mãe amarra o pano na cabeça. Mas passei a ter acesso aos tecidos africanos e a entender o sentido do turbante. Hoje, ele não é só um acessório de moda. Ele vai além”, explica.

“É um símbolo de resistência. É a minha coroa de mulher negra e quando eu coloco um turbante eu me sinto mais negra, mais bonita, aceito mais as minhas raízes e ele me faz me sentir poderosa. Como se eu falasse para a sociedade que sou negra e sou capaz de vencer e estou aqui para brilhar. Hoje eu acho que existe um resgate geral que o turbante está fazendo na vida das mulheres brasileiras.”

Além do turbante, Gaby também assumiu seus cabelos crespos e isso elevou muito sua autoestima. “Eu gosto de mudar, mas confesso que estou em um momento de orgulho e me achando uma mulher bonita. Até eu achava feio [cabelo crespo], antigamente, porque a sociedade me fazia acreditar nisso – sofri muito bullying quando era criança e chamavam de palha de aço”, lembra.

“Sofri muito bullying quando criança e me chamavam de palha de aço”

Tudo o que tem aprendido e descoberto sobre ela mesma, a artista faz questão de repassar para a família. “A minha sobrinha de 10 anos tem o cabelo parecido com o meu, quando criança. E eu sempre digo a ela que o cabelo é lindo, maravilhoso e ninguém na escola tem um cabelo mais bonito que o dela. Quando eu era criança não tinha isso.”

Mas a paraense não quer que sua luta limite-se à ela ou seus familiares – quer que todas as mulheres conquistem juntas e, para isso, garante que quer ser “uma das formiguinhas a contribuir”. “Eu sua uma mulher que luta pela igualdade de gêneros. Não quero que a mulher seja mais, nem menos. Quero que ela seja igual e que tenha o seu valor e que a sociedade a valorize”, afirma.

Na entrevista a seguir, Gaby Amarantos fala mais sobre o seu novo projeto e o que podemos esperar dos próximos trabalhos.

iG: Por que você decidiu criar um show voltado mais para a música negra?
Gaby Amarantos: Este projeto paralelo, Jurunas no Sistema, nasceu de uma forma muito natural. Há muito tempo que eu já queria criar um projeto para extravasar mais o meu lado criativo de produção musical. Até que recebi o convite para a Virada Cultural para fazer um show diferente. Foi quando pensei neste projeto que dialoga com todos os sons, de todas as periferias e todos os Jurunas do mundo. Eu tinha essa ideia há 25 anos, mas nunca conseguia tempo para fazer. Agora é uma boa hora para mostrar um projeto cultural, que tem tudo a ver comigo e com o meu trabalho.

iG: Quais foram suas influências para esse show?
Gaby Amarantos: Tem influências e sons da periferia do mundo. Assim como no Brasil, que a gente tem o tecnobrega, um som que nasceu na periferia de Belém, no bairro do Jurunas, onde nasci, a gente tem também o funk, o reggae das radiolas do Maranhão… Enfim, tem vários sons de periferia que são do Brasil e tem também pelo mundo. Estes estilos periféricos, que são feitos de lugares parecidos de Jurunas, é que foram a principal influência, misturando também com este meu lado de música negra e indígena e com a essência do Pará, uma conexão bem direta.

iG: O que o público encontra a mais nesse show do que nos da sua turnê?
Gaby Amarantos: É um show para quem curte música e quer dançar, pular e se conectar com o música eletrônica. É para quem gosta de música, independente se é um hit ou não. É um show mais autoral, versões divertidas também de músicas que são conhecidas no mundo, mas com uma linguagem mais eletrônica.

iG: O que podemos esperar do seu novo álbum? Há algo que possa adiantar?
Gaby Amarantos: Estou preparando tanto um EP para o Jurunas no Sistema, com músicas novas, como para o meu trabalho Gaby Amarantos, como cantora e compositora, também. Os dois eu componho. Vou fazer músicas que vão muito mais pro lado popular, mostrando para as pessoas o meu lado romântico e também de festa, trazendo para o Brasil novas propostas de música para dançar. Como eu fiquei muito tempo sem lançar nada novo, por conta do que aconteceu com a minha mãe, eu vou agora reunir tudo o que estou fazendo e lançar tudo.

iG: O seu estilo musical mudou bastante desde os primeiros trabalhos. Quais influências te inspiram na hora de fazer uma música?
Gaby Amarantos: Mudou, sim, e eu acredito que eu sou uma artista muito estudiosa que gosta de saber as tendências tanto mundiais, como o que está rolando no Brasil. Gosto sempre de inovar e encontrar formas de me conectar. Para este meu segundo CD, é o que está rolando no Brasil. Vai ter um lado de Gaby mais compositora porque todas as músicas são minhas e de parceiros. Eu quero me lançar mais popular, mais radiofônica e estar mais nas casas das pessoas. Eu quero estar mais no som do carro, nas festas e presente no dia a dia e no cotidianos. O meu foco de carreira hoje é somente música, música, música.

+ sobre o tema

O poder da beleza negra, na Vogue Itália

O poder da beleza negra, na Vogue Itália. A Vogue...

Beyoncé contrata 200 dançarinos africanos para novo clipe

Beyoncé contratou mais de 200 bailarinos africanos para o...

Camila Pitanga conta que faz terapia desde os 16 anos

Camila Pitanga falou com a Marie Claire e contou que faz...

Hoje na História, 1973, nascia Isabel Filardis

Isabel Cristina Teodoro Fillardis mais conhecida como Isabel Fillardis...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Filha mais velha de Obama, Malia atrai legião de fãs com seu estilo

Filha do dono da caneta mais poderosa do mundo,...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Ela atuou em uma série da Globo: “Meus 15 minutos de fama quase me destruíram”

A fama é uma amante cruel. Num momento, Jaqueline...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=