“Já fiz plásticas. De algumas eu não me arrependo”, diz Elza Soares

Enviado por / FonteÉpoca, por Bruno Astuto

A idade dela é um desses enigmas. Mas o tempo é um detalhe para Elza Soares, 66 anos de carreira, que acaba de ganhar na categoria Melhor Álbum do Prêmio da Música Brasileira, por A mulher do fim do mundo. O CD, diz ela, reflete questões atuais como assédio e preconceito. “Queria falar de mulheres, dos negros e do mundo gay.” A cantora sobe ao palco do Circo Voador, no Rio de Janeiro, no sábado (2), com o show inspirado no novo trabalho.

O que a idade trouxe de melhor ou pior?

Com a idade só ganhei coisas. Sou muito vaidosa, preciso estar bem arrumada. Passo cremes, cuido da alimentação, tenho meu maquiador, o Wesley. Vivemos num país em que idade é uma coisa muito séria.

Você usa Botox?

Não tenho usado ultimamente. Já fiz plásticas. De algumas, não me arrependo, não. Aqui no Brasil, não existe respeito, dignidade, você precisa sempre ter a bunda dura. É uma ditadura.

Está namorando?

Estou é me curtindo, não sabia que me namorar era tão bom. E não sinto falta de nada. Em casa, a vida é muito calma, escuto música. Gosto de Chet Baker. E quase não falo, fico em silêncio para não gastar minha voz. Sempre fui namoradeira, mas agora estou dando um tempo.

Você se considera feminista?

Sim, uma feminista séria. Senão, na época do Garrincha, não teria vencido aquela guerra. Toda mulher, se luta, consegue o que quer. Se você tiver coragem e fé, você tem tudo. Hoje, sinto que as pessoas não têm fé nem amor-próprio. E, quando isso falta, o caráter vai embora. Sou a que não tem medo.

A crise a tem afetado?

Eu sinto a crise na pele, como todo mundo. Mas não é ela que vai me fazer ficar de cabeça baixa. Faltou grana para meu DVD, mas não vou me abalar. Se não tem patrocínio, a gente arregaça as mangas e faz. Vamos fazer o financiamento coletivo, ajudar a comunidade de Santo André. Somos todos iguais: mulheres, negros, gays. A luta nunca acaba e vou cantar até o fim

+ sobre o tema

Haitianos e o nó histórico das políticas imigratórias no Brasil

Vejam a coincidência: O episódio da leva de haitianos...

Aline Santos

"Os espanhóis dão muita atenção à formação, enquanto aqui...

TERREMOTO HAITI:Homenagm a Miriam Merlet e todas as mulheres mortas no Haiti

*Un dolor compartido, pero siempre un dolor Solidaridad...

Nzinga, a rainha negra que combateu os traficantes portugueses

No século XVII, o lucrativo comércio de escravos praticado...

para lembrar

Aos 95 anos, Dona Ivone Lara recebe prêmio máximo da cultura brasileira

Ao lado da sambista Dona Ivone Lara estavam o...

Livro de fotojornalista moçambicano Kok Nam reúne momentos inéditos de Samora Machel

Uma coleção de fotografias inéditas do primeiro Presidente de...

Wilson Tibério: a negritude de um gênio das artes plásticas

"Atravessei uma crise de adolescente. Um amante da arte...

Tem novidade na musica negra nacional? Sim e muita!

Por: Natália Carneiro Ta achando que só o The Voice...
spot_imgspot_img

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...
-+=