Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH) – nota de esclarecimento

Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), é uma rede de articulação de mais de quatrocentas entidades, grupos e coletivos de luta pelos Direitos Humanos e atua há 32 anos para consolidar e promover a garantia dos Direitos Humanos no Brasil, desenvolvendo lutas e resistindo a políticas conservadoras que promovem violações dos direitos humanos. O MNDH na sua trajetória tem articulado e proposto mecanismos políticos e jurídicos, mecanismos para políticas públicas e para a democracia ampla para garantia da universalidade e indivisibilidade e interdependência dos direitos humanos.
O MNDH recentemente citado pela candidata Marina Silva no jornal folha de São Paulo no último dia 03 de setembro vem manifestar sua surpresa e discordância com a afirmação da candidata de que utilizam em seu programa as propostas do Movimento Nacional de Direitos Humanos, sendo que os dirigentes do Movimento jamais foram procurados ou tiveram quaisquer tratativas para a utilização das suas propostas no programa da candidata, bem como o MNDH não mantém entendimento com quaisquer outras candidaturas, por ser autônomo, independente e suprapartidário, respeitando as suas deliberações aprovadas em foro próprio.
Suas proposições e formulações no campo das políticas de direitos humanos no plano nacional e internacional são concebidas para o conjunto da sociedade civil e apresentadas ao Poder Público através de mecanismos próprios de participação social;
A apropriação dos mesmos por representações da sociedade civil, inclusive de ordem partidária eleitoral é faculdade daquele que o faz, mas no entanto deve expor o conteúdo do conjunto de propostas  que o Movimento hoje defende a saber:
Integral e imediata implementação do PNDH-3 em todas as ações de governo; pela implementação do sistema nacional de direitos humanos; pelo reconhecimento do direito de união estável de pessoas do mesmo sexo; contra a homofobia; contra o rebaixamento da maioridade penal e aumento de punibilidade; pela desmilitarização do sistema policial; contra a internação compulsaria de usuários de álcool e outras drogas; contra a criminalização dos movimentos sociais; pela valorização dos defensores de direitos humanos e integral proteção dos ameaçados; pela abolição da tortura no Brasil; contra o extermínio de pessoas e em especial da juventude negra; pela educação de direitos humanos na rede oficial do sistema de educação; pelo fortalecimento dos conselhos de direitos; pela implementação do sistema de participação social; pela reforma agrária; pela reforma urbana; pelo reconhecimento e demarcações de terras indígenas e quilombolas; entre tantas outras propostas fundamentais para a garantia dos direitos humanos.
Assim o MNDH com suas propostas acredita, felicita e insta os partidos políticos neste cenário eleitoral para ouvirem e considerarem os movimentos sociais nas suas pautas e reivindicações, visando sempre o interesse maior da sociedade brasileira em avançar na política de respeitabilidade aos direitos humanos no Brasil.
Coordenação
Fonte: Mndh

+ sobre o tema

Discriminação ainda atrapalha empreendedor negro, diz BID

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) está de olho...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Mães protestam contra violência de agentes do Degase

Familiares de vítimas de violência se reuniram no último...

A intensidade da pandemia que o Brasil (quase) não contabiliza

Dois meses depois do início das primeiras quarentenas no...

para lembrar

Juiz e promotor do caso Janaína atuaram na esterilização de outra mulher em Mococa

Diagnosticada com "retardo mental moderado" e considerada "incapaz", jovem...

Sob a luz tropical: racismo e padrões de cor da indústria fotográfica no Brasil

A indústria fotográfica pode ser racista no Brasil? Partindo...

10 mitos e verdades sobre o câncer que você sempre se perguntou

1. Comida industrializada aumenta as chances de ter câncer? Por Camilla...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=