Muhammad Ali: 80 anos da lenda do boxe e ícone do orgulho racial

Enviado por / FonteO Povo, por Sérgio Falcão

Profissionalmente, foram 61 combates, dos quais 19 foram defendendo o título mundial. Foi uma das grandes vozes pelos direitos civis, seu talento e inteligência extrapolaram os ringues.

Considerado um dos maiores lutadores de boxe de todos os tempos, Muhammad Ali rompeu as fronteiras do esporte e tornou-se símbolo de resistência à Guerra do Vietnã, luta por direitos humanos, combate ao racismo e paz. Nascido Cassius Marcellus Clay Júnior, em 17 de janeiro de 1942, a lenda faria hoje 80 anos. Mas vamos chamá-lo pelo nome que ele escolheu, afinal: “Cassius Clay é o nome de um escravo. Não foi escolhido por mim. Eu não o queria. Eu sou Muhammad Ali, um homem livre.”

O que fez do pugilista o desportista do século XX e ícone do orgulho racial para os afro-americanos não foi somente o desempenho espetacular no esporte, deve-se em grande parte a sua postura política e social fora dos ringues. Em um tempo onde não era comum e muito menos permitido esse tipo de conduta aos desportistas, pricipalmente ele sendo negro, Ali inverteu a lógica e, para começar, se negou a servir ao exército dos Estados Unidos (EUA) na Guerra do Vietnã. Como justificativa, a frase que ficou na história:

“Por que eles deveriam me pedir para colocar um uniforme, ir a dez mil milhas de casa e atirar bombas e balas nas pessoas marrons no Vietnã enquanto as pessoas chamadas de ‘nigger’ em Louisville são tratadas como cachorros e negadas de direitos humanos básicos”, declarou Muhammad Ali.

+ sobre o tema

Kobe se despede com show e emoção em noite de virada incrível dos Lakers

A quarta-feira (13) foi histórica para o basquete. O...

Literatura e Cultura, por Adriana Graciano

Adriana Graciano para o Portal Geledés A coletânea Literatura e Cultura,...

O que é isso, governador?!

Por: Arísia Barros A enchente de junho de...

Janet Jackson relembra relação difícil com a família em documentário

Janet Jackson, 55 anos, revelou detalhes sobre a sua...

para lembrar

Membros de religiões afro na zona leste de SP buscam driblar preconceito por tradição

Adeptos relatam intolerância e fazem projetos para aumentar consciência...

Alaíde Costa interpreta Chico Buarque e Edu Lobo no Sesc

Uma das vozes femininas mais importantes da música brasileira,...

O lamento de não ser negro

Por Tim Adams Em 2005, o diretor Kevin Mcdonald...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=