Muito além do olho roxo

Uma das dúvidas mais frequentes entre as mulheres quanto a seus relacionamentos é a respeito do machismo do parceiro. Como, afinal, devemos traçar a linha e compreender certas atitudes do parceiro como misóginas? E como reagir a essas atitudes?

Por Jarid Arraes, do Questões de Gênero 

Muitos exemplos envolvem sinais evidentes de relacionamentos abusivos. São homens que controlam o comportamento das mulheres, ditando que tipo de roupa podem usar, se devem ou não utilizar alguma maquiagem, com quem podem manter amizade ou, em casos mais graves, com que membros da família podem manter contato. Pode parecer simples identificar um relacionamento abusivo, mas a subjugação psicológica e os laços de dependência tornam o reconhecimento da violência muito mais difícil.

O problema começa da forma como nossa cultura ensina que relacionamentos devem ser, reforçando idealizações de parceiros e alimentando a necessidade de dependência. Somos levados a acreditar que o amor verdadeiro envolve subjugação, como se fosse impossível sobreviver sem a outra pessoa. O ciúme também é amplamente aceito e desejado, sendo encarado até mesmo como prova de amor.

Os relacionamentos abusivos são repletos de controle e nem sempre começam de forma extrema. O abuso se desenvolve de maneira gradativa, até o ponto em que a vítima não consegue mais confiar em seus próprios desconfortos e também não enxerga uma saída para a situação. Muitas mulheres são levadas a pensar que já é tarde demais e a única alternativa é a resignação. Aceitar que o homem é extremamente ciumento, aceitar que o homem não gosta de roupas curtas ou coladas, aceitar que o homem “sabe o que é melhor” para o relacionamento.

Nesses casos, o sentimento de impotência e o medo tomam posse da vítima, de forma que xingamentos e abusos verbais passam a ser parte natural das brigas e discordâncias rotineiras. Ser xingada de puta, vadia, ter a aparência física debochada e até mesmo ouvir insinuações de que cometeu uma traição passam a ser situações comuns. O pior é que mentir para si mesma e tentar se convencer de que isso não fere tanto assim é algo perigoso. Aos poucos, a autoestima acaba se destruindo, a percepção de si como um ser humano com qualidades se esvai, a ideia de que é possível ser feliz com outra pessoa ou mesmo solteira se torna impossível. A dependência se fortalece cada vez mais e cada passo no relacionamento pode levar a uma tragédia ainda maior do que a tragédia já vivida.

A violência doméstica ainda vai muito além das agressões físicas, pois há também abusos psicológicos, verbais e patrimoniais. Nossa sociedade encara com naturalidade o fato de muitas mulheres ainda dependerem financeiramente dos homens, sem que perceba que a falta de autonomia financeira é um dos maiores motivos para que mulheres continuem em relações de abuso. E são poucos os que interferem quando um homem agride uma mulher em público, agindo com grosseria e palavras degradantes.

O resultado disso é uma quantidade exorbitante de mulheres que nem sequer sabem que estão em relacionamentos de violência, tampouco imaginam que podem recorrer a uma Delegacia da Mulher ou sequer pedir ajuda a familiares e amigos – até porque, em muitos casos, nem mesmo a família ajuda.

Precisamos investir em informação e acolhimento para essas mulheres, pois nem só de olho roxo se faz uma mulher violentada e destruída. Falar a respeito e não fazer concessões diante de atos abusivos seria um excelente começo. Que não tenhamos medo de confrontar a violência quando nos depararmos com ela. Assim, mais mulheres saberão que não precisam aceitar o abuso em seus relacionamentos.

 

+ sobre o tema

Parem de nos matar – por Maria Clara Machado

Em crônica publicada em janeiro de 1915, intitulada “Não...

Pobreza tem cor no Brasil, por Sueli Carneiro

Pobreza tem cor no Brasil. E, existem dois Brasis. Por...

Proibição da divulgação da homossexualidade na Rússia preocupa comunidade internacional

À semelhança do que ocorre em outros países, na...

para lembrar

Carioca cria a primeira e maior plataforma de livros em português fora do Brasil

Quando se tornou mãe, em 2012, a administradora de...

Comentaristas esportivos: respeitem Serena Willians

A campeã do tênis transcende a visão de mundo...

Enredo e Samba: Portela vai homenagear as mulheres negras

A Portela vem para o carnaval de 2024 com...

Argentina pode condenar à prisão perpétua quem mata mulheres

A Câmara dos Deputados da Argentina, formada por 257...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=