Mulher de homem que matou e arrancou seios da sobrinha diz: Foi o “demônio”

“Ele é uma pessoa boa, deu um apagão nele. Ele foi possuído pelo demônio”

Um crime brutal que não será esquecido por muito tempo. A família ainda em choque encontrou força para contar uma versão do crime que aconteceu no último dia 11 no município de Cerro Azul, na região metropolitana de Curitiba, que ceifou a vida de uma jovem de 21 anos. “Ele é uma pessoa boa, deu um apagão nele. Ele foi possuído pelo demônio”, disse a mulher do assassino. Janaína de Fátima de Matos foi morta com golpes de faca, degolada e teve os seios arrancados dentro do quintal de casa. O assassino confesso é o tio Agrevil do Carmo Santos, 50 anos.

A mulher de Agrevil deu entrevista exclusiva à Banda B e contou que tinha a sobrinha como uma filha. “Ela morava aqui com a gente há quase 4 anos porque os pais moram longe, moram no sítio. Ela trabalhava junto com a minha filha, que também ia casar. Estamos todos chocados. Ela era muito amiga da nossa filha, ela noivou e o meu marido correu para encontrar um presente de casamento para ela”, contou.

Janaína morava com os tios e trabalhava em uma rede de lojas de departamentos. Ela noivou uma semana antes do crime e se preparava para deixar a casa dos tios ainda neste mês. Em depoimento à Polícia Civil, o tio confessou ter matado a sobrinha para impedir que ela fosse embora. “Eu não queria que ela fosse embora. Ela era uma boa companhia”, disse.

A versão da família é que Agrevil foi possuído por um espírito do mal. “Ele mesmo disse que não lembra de nada, que deu um branco nele. Foi o demônio que fez isso”, disse a mulher, que confessou estar a base de antidepressivos desde a prisão o marido. Embora Agrevil tenha confessado à polícia que premeditou o crime, a família não acredita nisso. Segundo ela, Agrevil é uma pessoa boa. “Ele não é um monstro como estão dizendo por aí. Ele é uma pessoa boa, trabalhadora, todo mundo aqui em Cerro Azul conhecia ele. Nossa família era unida, ele sempre foi um pai muito bom, ajudava os filhos, ele estava feliz”, defendeu.

Fonte: Catve

+ sobre o tema

para lembrar

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Entenda como a misoginia contra mulheres negras oprime atletas

Naomi Osaka descobriu como é estar no limite das regulamentações...

‘Gosto de pensar que eu, mulher preta, sou a cara da UFRB’

Demorou quatro anos para a comunidade da Universidade Federal...

Gwendolyn é amor

É preciso falar de amor, agora que o Dia...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=