Mulher Maravilha: Feminismo S/A

Para fazermos valer a história das guerreiras que nos antecederam e usarmos os superpoderes que o feminismo nos concede, precisamos ir muito além.

Por Mariana Mazzini, do Huffpost Brasil

A atriz Gal Gadot interpreta a guerreira Diana no filme ‘Mulher Maravilha’.

E, enfim, fui ver Mulher Maravilha.

Se a nossa época de cinema fosse a de letreiros iluminados, poderia dizer que, quando cheguei, ele já estava se apagando. Diana já saía de cena, levando consigo uma bilheteria milionária.

E muita polêmica.

Quando resolvi ir, já tinha lido mais colunas e textões defendendo e criticando sua abordagem de gênero do que sinopses e avaliações do filme.

Parecia ser um filme imperdível para quem é feminista.

E é.

Ouso dizer que é icônico do feminismo na atualidade. Basta só colocar os óculos 3D com as lentes lilás de gênero. As feridas do feminismo estão ali, mais expostas do que os corpos e as curvas da protagonista – o que, aliás, gera (justas) críticas à super-heroína há décadas.

Das muitas jornadas de Diana, entretanto, queria mesmo fincar o pé em Themyscira. A ilha foi criada pela DC Comics para receber mulheres que vinham de histórias muito antigas: as amazonas gregas.

No filme Mulher Maravilha, contudo, é possível ver o vulto de outros habitantes da ilha. E também de duas das ideias mais atuais do feminismo.

A primeira, o empoderamento. As amazonas do filme são guerreiras perfeitas. Habilidosas para a guerra e comprometidas com o amor e com a paz. Praticamente o semideus do poema do Fernando Pessoa (aquele que nunca levou porrada), só que no feminino. Empoderadas.

O empoderamento significa o grito feminino de “Yes, we can”. Uma descoberta de que cada “indivídua” pode se emancipar e, assim, se tornar uma potência. Fazer tudo aquilo que um homem pode fazer. E até melhor.

Mas ele também é uma das contradições mais marcantes do feminismo nos dias atuais. Ao gritar uma palavra de ordem que tem poder no nome, e compreendê-lo como uma habilidade que revela supermulheres, sua reverberação amansa a rebeldia e a radicalidade do feminismo. Como se fosse possível superar o machismo sem refundar a sociedade em que vivemos. Bastasse virarmos super-heroínas.

O feminismo que vende camiseta de grife e estampa Fridas em bolsas caras é o mesmo que dociliza as amazonas. Essas mulheres violentas e desgrenhadas que até mesmo extirpavam um seio para melhor manejar o arco e flecha. Imperfeitas e mergulhadas em suas contradições.

E o que dizer de Diana (ou Ártemis, para a mitologia grega), a deusa da caça, que lançou um homem que a viu nua para ser estraçalhado por cachorros? E que, no filme, parece um misto de embaixatriz da ONU para a paz com uma Sandy guerreira?

Não quero, com isso, defender que feministas se organizem em gangues de assassinas brutais. Ou que a guerra é melhor que a paz. O ponto é como ideias incendiárias são substituídas por aquelas que se encaixam na ordem das coisas. E que também tornam as mulheres escravas de um ideal.

Mas, alguém poderia levantar da plateia e dizer: “Opa, pera lá. Mas no filme elas só são empoderadas porque estão juntas. E juntas elas são fortes”.

E aí chegamos à segunda ideia que circula por Themyscira: a sororidade. É pela união e pelo companheirismo das mulheres que nasce essa força. Mulheres jovens e idosas, brancas e negras, pobres e ricas. Todas marchando uma do lado da outra. Até que todas sejam livres.

Será mesmo?

O feminismo negro, a força mais potente de um feminismo realmente radical, vem cantando essa bola faz tempo. A reivindicação da sororidade mascara diferenças e hierarquias que existem entre as próprias mulheres, criando uma lenda de amor de irmãs que, na verdade, é realidade para poucas.

As mesmas poucas que podem se empoderar. As eleitas da ilha. As semideusas que o feminismo também ajudar a criar.

E isso significa que o empoderamento e a sororidade são, na verdade, uma dupla de vilãos disfarçados? E que o feminismo popularizado nos últimos anos deve ser mais combatido do que o deus da guerra?

A questão aqui é que a história do feminismo não é enredo de Hollywood. O assunto não é papo de herói e bandido (ou de heroína, no caso).

Cada uma de nós pode buscar sua resposta a essas perguntas, inclusive juntas. Uma das possibilidades é entender que a disseminação do feminismo é tão importante quanto essas ideias que ganharam força com ele. Mas que isso não é suficiente.

E que para fazermos valer a história das guerreiras que nos antecederam e usarmos os superpoderes que o feminismo nos concede, precisamos ir muito além de Mulher Maravilha.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

O perigo de dar mais valor à carreira dos homens do que à vida das mulheres

O autor do mais recente massacre nos Estados Unidos...

Luana Tolentino: É preciso ouvir as alunas e os alunos!

No intuito de conhecer melhor os alunos, uma professora...

3º Encontro Nacional de Blogueir@s – 25 a 27 Maio

O III BlogProg terá dois eixos básicos: a defesa...

O corpo objeto e o corpo abjeto

Para as mulheres, o macho branco relegou o papel...

para lembrar

Prefeitura lança campanha ‘Busão sem Abuso’

Proposta encoraja vítimas a denunciarem agressores que devem ser...

Maya Angelou

- Nome: Maya Angelou - - Data de nascimento: 4 de abril...

A BH possível, a dos nossos sonhos: amiga das mulheres

O eixo dos debates de uma eleição municipal é...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=