A mulher negra e suas contribuições para o Brasil em pauta na Unesc

Encontro comemora o Dia Mundial da Mulher Negra

Do Engeplus

Foto: Reprodução/Engeplus

A Unesc vai promover conversas para destacar a importância das mulheres negras no contexto histórico e político brasileiro. Com a temática “Mulheres negras movem o Brasil”, o “Encontro regional de mulheres negras 30 anos: contra o racismo, a violência e pelo bem viver” ocorre neste sábado, dia 21, das 14 às 18 horas, na sala 15 do Bloco R1. O evento é aberto ao público.

O encontro comemora o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, celebrado no dia 25. Em todo o país, eventos do gênero vão reunir mais de 300 mil mulheres e abordar assuntos como representatividade, discriminação, preconceito, desigualdade, luta e vitória de mulheres negras frente às dificuldades.

A coordenadora da Secretaria da Diversidade e Políticas de Ações Afirmativas da Unesc, Janaína Damásio Vitório, conta que há 30 anos ocorreu o primeiro encontro entre mulheres negras no Brasil e que na edição de 2018 o objetivo é reunir gerações para compartilharem suas experiências e comemorar suas conquistas. “Vão ser mães, filhas e netas socializando os acontecimentos de suas vidas e valorizando os momentos de conquistas de grandes mulheres. Sempre estivemos aqui, participamos de grandes mudanças no país e queremos mostrar a força e a importância da mulher negra nos movimentos políticos brasileiros”, conta.

Janaína também explica que o evento deste sábado é uma preparação para os encontros estadual e nacional, que ocorrem em setembro e dezembro, respectivamente. “Em Santa Catarina são realizados diversos eventos regionais. Na Unesc vão estar presentes mulheres do Sul catarinense e seus depoimentos socializados no encontro vão ser documentados e levados às próximas etapas, representando a região em nível estadual e nacional”, destaca.

O evento no Sul do Estado é uma realização da Secretaria da Diversidade e da ONG Munmvi (Mulheres Negras Professora Maura Martins Vicencia).

Para cuidar da saúde

Em 28 de julho as mulheres negras vão ter um dia para cuidar da saúde na Unesc. Uma roda de conversa com profissionais da saúde vai debater a atenção, cuidados e a prevenção de doenças.

Secretaria da Diversidade da Unesc

Com o intuito de promover o reconhecimento da diversidade e articular a criação de políticas afirmativas para a construção de uma cultura de paz, a Unesc lançou em junho a Secretaria da Diversidade e Políticas de Ações Afirmativas.

A ideia é fortalecer uma política institucional que articule ações junto ao ensino, a pesquisa e a extensão, a promoção de um diálogo permanente com a comunidade externa e interna sobre a valorização do respeito às diversidades e à cultura de paz. Além de Janaína a Secretaria também é coordenada pela psicóloga Rita Guimarães Dagostim.

Colaboração: Assessoria de Imprensa – Setor de Comunicação Integrada – Unesc

+ sobre o tema

Não vá sozinha a Delegacia da Mulher

Quando militamos no movimento feminista é comum mulheres nos...

E-book Marcha das Mulheres Negras

É com imensa alegria que a Articulação de Organizações...

Laura Harrier: “Na infância e adolescência, não via garotas como eu no cinema”

Liberdade, amor, arte e racismo. Em uma conversa exclusiva,...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

para lembrar

Lugar de fala e ético-política da luta

O lugar de fala é o lugar democrático em...

Como o feminismo mudou a minha relação com a minha mãe

O feminismo mudou a minha relação com a minha...

Luma Nogueira: mulher, travesti e futura reitora da Unilab?

(Luma, à esq., assume cargo como professora da Unilab) Depois...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=