Mulheres ameaçam greve de sexo contra quem votar em candidato sexista do Japão

Masuzoe, que concorre ao governo de Tóquio, declarou que menstruação impossibilita mulheres de governar.

Um grupo de mulheres em Tóquio, capital do Japão, está ameaçando um “boicote de sexo” contra qualquer homem que votar em Yoichi Masuzoe em uma eleição para o governo da cidade neste fim de semana, em protesto à declaração do favorito de que a menstruação impossibilita as mulheres de governar, informou o jornal britânico Guardian.

 

Um grupo de campanha no Twitter autodenominado “associação de mulheres que não farão sexo com homens que votarem em Masuzoe” atraiu quase 3 mil seguidores desde seu lançamento, na semana passada.

As fundadoras, que continuam anônimas, dizem em seu perfil: “Nos posicionamos para impedir que Masuzoe, que faz declarações tão insultantes contra as mulheres, seja eleito. Não transaremos com homens que votem nele.”

O ex-cientista político de 65 anos se tornou uma celebridade através de programas de TV antes de se envolver com a política em 2001. Em 1989, ele disse a uma revista masculina que não seria apropriado ter uma mulher no nível mais alto do governo porque seus ciclos menstruais as tornam irracionais.

“As mulheres não são normais quando estão menstruadas. Você não pode nem cogitar deixá-las tomar decisões críticas sobre o país (durante esse período), como ir ou não à guerra”, disse.

Masuzoe tem o apoio do conservador partido governista do primeiro-ministro Shinzo Abe e deve bater seu rival mais próximo, Moriyoshi Hosokawa, um ex-primeiro-ministro que concorre em uma plataforma antinuclear, nas eleições para se tornar o governante de Tóquio. Todos os 16 candidatos são homens, com muitos deles na casa dos 60 anos ou mais velhos.

Apesar dos altos níveis de educação, muitas japonesas deixam sua carreira quando têm filhos, e continuam fortes as pressões para ser uma dona de casa. Há poucas mulheres em posições políticas importante – no gabinete de 19 membros de Abe, há apenas duas -, e as diretorias das companhias são totalmente masculinas.

 

 

Fonte: Último Segundo

 

+ sobre o tema

Racismo histórico: Como mulheres negras da mitologia foram retratadas como brancas pela Arte

Guerra de Titãs foi um dos filmes mais populares de...

Mulheres cobram do governo regulamentação do atendimento a vítimas de violência sexual

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, receberá nesta tarde...

Jaqueline Gomes de Jesus – A Negação do corpo feminino

O mundo virtual gera espaços para a pluralidade de...

“Xica”: palimpsesto e fúria encarnada sobre a Gamboa

Em “Black Women Against the Land Grab” Keisha-Khan Perry...

para lembrar

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza...

Após sucesso na estreia, “Kbela” ganha três sessões no Odeon

O Cine Odeon abriu mais três sessões - 18,...

Mulheres se unem contra a violência doméstica

Governador receberá carta com sugestões para enfrentar o problema   Centenas...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=