Mulheres de cabelo raspado quebram estereótipos no SPFW

Enviado por / FontePor Carolina Vasone, do Elle

Assim como em outros momentos da moda, a tendência ficou mais forte primeiro nas ruas para depois subir nas passarelas.

Um movimento radical e sinalizador da tomada de poder da mulher nesse exato momento em que a gente vive tem pipocado nas ruas e nas passarelas. Símbolo histórico da sedução feminina, os cabelos têm sumido da cabeça de muitas garotas. Radar do comportamento mais avant-garde da sociedade, as millenials são as protagonistas desse movimento, que traz uma grande diferença em relação às punks de outrora: a cabeça raspada não é mais somente sinal de rebeldia e feminismo (importantes e muito bem vindos), mas de tudo o que ela quiser transmitir, incluindo a sensualidade. Basta abranger um pouco mais o olhar sempre preso no conforto do padrão – ou ditadura – da beleza clássica cheia de regrinhas aprisionantes e ela está lá.

Iodice SPFW - N42 Outubro / 2016 foto: Ze Takahashi / FOTOSITE
Foto: Imagem retirada do site Elle

Assim como em outros momentos da moda – da estética punk ao hip hop -, a tendência ficou mais forte primeiro nas ruas, para depois subir nas passarelas em cabeças de modelos como Zyom e Kátia André. Não são muitas, mas chamam tanto a atenção que ganham efeito multiplicador onipresente. Já entre as convidadas do SPFW, o número é expressivo, e coloca na prática o que os desfiles idealizam: a carequinha interpretada em diferentes estilos de se vestir, com vestidos delicados, looks conceituais ou de streetwear. O contraste é radical e fica harmônico, como no vestido vermelho da Iódice. E ainda faz com que tudo o que é mais curto, justo e sexy ganhe ares modernos, graças ao corte de cabelo.

dsc_4176
Foto: Imagem retirada do site Elle

O cabelo raspado nas mulheres não é novidade mas exibe hoje, talvez, sua versão mais abrangente e positiva. Houve, antes, claro, Grace Jones, uma ode à beleza e força da mulher desprovida de cabeleira. “Meu cabelo raspado tornou minha imagem mais abstrata, menos ligada a uma etnia ou a um gênero específico. Eu era mulher, e não; negra, e não. Norte-americana, mas jamaicana. Africana, mas ficção científica”, disse a musa de estilo dos anos 1980 em seu livro I’ll never write my memories. E disse mais. “Raspar o meu cabelo fez com que eu tivesse o meu primeiro orgasmo.”

Se no Egito antigo homens e mulheres já raspavam a cabeça como símbolo de limpeza e para se refrescar do calor das Arábias, as religiosas europeias o faziam como prova de devoção, enquanto a igreja católica, durante a Idade Média, usava o artifício – contra a vontade das mulheres – como punição (Joana D’Arc foi queimada viva e careca). Recentemente, o seriado cult Stranger Things usa uma associação parecida, de aprisionamento, ao mostrar sua personagem Eleven, uma garota de 12 anos que vive sob confinamento sem cabelo, numa analogia da falta de madeixas com a falta de identidade. Acontece que a gente interpretou o contrário e ela virou ícone de estilo como um sinal dos novos e esperançosos bons tempos. Aos poucos, mas cada vez mais, a sedução feminina (e não estou me referindo apenas à sedução sexual) vem não necessariamente do que está em cima da cabeça. Mas do que está dentro dela.

dsc_0326
Foto: Imagem retirada do site Elle

Foto em destaque: Reprodução/ Elle

+ sobre o tema

Emma Watson vai à peça de Harry Potter e tieta atriz que vive Hermione

Conhecida por ter interpretado a personagem Hermione em todos...

Projeto Identidade clica artistas negros em papéis de ícones pop

Quando se fala que representatividade importa, é porque importa...

Parceria entre Rashid e Criolo, “Homem do Mundo” ganha videoclipe

O rapper Rashid lançou no primeiro semestre deste ano...

Ouça “Tipo Crazy”, novo single da Ludmilla com Jeremih

Recentemente, fomos informados de que o novo álbum da...

para lembrar

A Globo e seu TOC

Em A negação do Brasil (documentário datado de 2000),...

Moon Girl, nova heroína da Marvel, é negra, pré-adolescente e nerd

A Marvel continua a investir na diversidade nos quadrinhos. A mais nova...

‘Sex and the City africana’ retrata lado glamouroso do continente

A câmera passeia por um sofisticado restaurante, no qual...
spot_imgspot_img

Assaltante, capanga: personagens de Babu mostram racismo na TV e no cinema

Assaltante, bêbado, arrombador, capanga. Esses são alguns dos personagens atribuídos ao ator e cantor Alexandre da Silva Santana, o Babu, em novelas, filmes e...

Estudante cria emojis para ressaltar riqueza da África e acabar com estereótipos

O artista O’Plerou Denis Grebet, da Costa do Marfim, criou emojis que ressaltam a riqueza cultural da África. A ideia surgiu quando ele buscava...

Isaac Silva estreia na SPFW com axé e looks brancos

"Acredite em seu axé". A frase é uma marca registrada do estilista Isaac Silva e surgiu no fundo da passarela pouco antes de mostrar,...
-+=