Mulheres Finíssimas: Amanda Balbino fala das vivências de uma modelo negra

A carreira de modelo é uma trajetória constantemente mal interpretada por quem acompanha, consome e até mesmo por quem está envolvido no mercado. Para uma modelo negra, o trabalho é ainda mais complicado.

Por Wilson Nemov Do Finissimo

Convidamos a ex-Miss DF Amanda Balbino para comentar um pouco sobre as mudanças em sua vida desde sua vitória, sobre machismo, racismo e sororidade. Além, claro, dos seus planos enquanto estudante e modelo.

O mercado dos sonhos parece um pouco mais realista para a brasiliense. “No ano seguinte ao meu reinado, 2016, recebi convites para trabalhar no RJ e em SP e acabei tendo essa experiência única de viver com mais autonomia, liberdade, confiança e autoconhecimento longe dos pais. Obviamente, o desejo de viajar para o exterior se mantém, mas hoje após conhecer um pouco mais a vida profissional de modelo, percebi que existem exigências extremas demais e que lá fora o preço pode ser muito alto para mantê-las”, declara.

Balbino não desistiu de desbravar o mundo, claro, mas prefere investir em sua trajetória intelectual. “ainda alimento esse desejo de viajar e conquistar conhecimentos únicos em cada país e cultura que vir a conhecer, seja pela psicologia, alguma pós, outros cursos, conta própria ou em detrimento de um convite a algum evento”, revela empolgada.

Quando entramos no debate racial, é necessário deixa-la falar:

“Minha luta nunca foi para o triunfo da Amanda Balbino modelo em si, mas para a devida ocupação da mulher negra no mundo da moda. Em um casting, se há alguma negra em meu lugar, me sinto honrada e representada. O problema é quando as mulheres não pretas ocupam meu espaço no mundo da beleza e influência. Certamente as loiras e morenas tem belezas dignas, porém elas sempre foram contempladas e influentes.

Sempre ditaram os padrões e o que deve ser aceito, inclusive para mulheres como eu que não tinham nada a ver com elas. Muitos pensam que o problema no mundo da moda se restringe a falta de representatividade, mas eu acredito que seja um fenômeno mais amplo. A questão não é que não tenhamos modelos negras, porque nós também sonhamos e também nos preparamos para um casting. O problema é que as pessoas do mundo da moda não estão preparadas para nos aceitar.

A beleza da mulher negra é extremamente diversa, mas muitos clientes pensam apenas em um certo tom de pele, ou escolhem apenas aquelas com o cabelo bem afro, mas que o quadril não passe de 89/ 90cm. A verdade é que a grande parte da herança genética das mulheres negras tem um corpo curvilíneo, quadril largo, bocas carnudas, olhares expressivos, passos fortes, mas no fundo os profissionais da moda estão sempre esperando a modelo magra, do quadril 89, que consiga usar a mesma base para todas é que possa fazer uma escova no cabelo. Bom, meus caros, essa não é a mulher negra, essa não sou eu e essa é a forma com que nós constantemente perdemos a oportunidade de colocar a vista a NOSSA beleza para o mundo!”

Se Amanda desistiu completamente do mundo da moda? De maneira nenhuma! Um dos seus sonhos envolve a quebra de padrões de beleza e o uso da psicologia em uma espécie de agência/coaching super bacana: “Comecei a ter vontade de dar alguns cursos de consciência e expressão corporal, coaching para modelos e misses iniciantes e principalmente algo que fosse voltado para o despertar da beleza da mulher negra. Além disso, tenho a vontade de posteriormente ter uma agência voltada para a valorização da beleza das pessoas, principalmente das mulheres que são constantemente coagidas a se encaixarem aos padrões institucionalizados.”

E a dica de Miss? O que Amanda passa para as aspirantes?

Diria em primeiro lugar que elas são lindas! Independentemente do que digam, elas têm suas belezas e precisam ter consciência disso. Depois diria que elas não sabem, mas que nossa história é de realeza, visto que seus ancestrais não são escravos e sim reis e rainhas fortes e resistentes, tanto é que o reinado chegou até nós. Diria também que entre nós não há concorrência, o resgate é coletivo e que cada conquista se expande para todas de forma que possamos vibrar e auxiliar todas que queriam ocupar esse espaço. E por ultimo, diria que não tenham medo de se esforçar, conquistar grandes espaços, mas que acima de tudo não deixem de se amar. O amor próprio é imprescindível para essa profissão para que saibamos sempre até onde iremos e o que merecemos! Ele é um ótimo medidor da felicidade que os momentos nos trarão e da justiça que precisamos ter conosco em cada situação.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=