Mulheres negras são maioria entre jovens que não trabalham nem estudam

Os dados completos constam do estudo Juventude, Desigualdade e o Futuro do Rio de Janeiro, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

 

Mulheres pretas, pardas e indígenas são a maioria entre os 5,3 milhões de jovens de 18 a 25 anos que não trabalham nem estudam no país, a chamada “geração nem nem”. Cruzamento de dados inédito feito pelo Iesp (Instituto de Estudos Sociais e Políticos) da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), a pedido da Agência Brasil, revela que elas somam 2,2 milhões, ou seja, 41,5% desse grupo. Do total de jovens brasileiros nessa faixa etária (27,3 milhões), as negras e indígenas representam 8% – enquanto as brancas na mesma situação chegam a 5% (1,3 milhão).

Para o coordenador do levantamento, Adalberto Cardoso, que fez a pesquisa com base nos dados do Censo 2010, do IBGE, várias razões explicam o abandono da educação formal e do mercado de trabalho por jovens. Entre elas, o casamento e a necessidade de começar a trabalhar cedo para sustentar a família. Cerca de 70% dos jovens “nem nem” estão entre os 40% mais pobres do país. A gravidez precoce é o principal motivo do abandono, uma vez que mais da metade das jovens nessa situação têm filhos.

Ao analisar os dados do levantamento, a professora da Universidade Federal da Bahia, Rosângela Araújo, diz que é preciso entender o que está por trás do comportamento das meninas. “Não é falta de informação. Tenho certeza de que a maioria conhece um preservativo. Mas tem uma questão da mudança de status, de menina para mulher. Elas podem não ver [o abandono escolar] como um passo atrás, mas no futuro, pode pesar”.

Segundo o levantamento, embora a taxa de jovens da “geração nem nem” no Brasil seja considerada alta (19,5% do total de pessoas de 18 a 25 anos), o índice não está distante do verificado em países com características demográficas semelhantes onde é comum que a mulher deixe de trabalhar e estudar para se casar. É o caso da Turquia e do México, segundo estudos da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, citados pelo pesquisador da Uerj.

A pesquisa também identificou entre os “nem nem” jovens com deficiência física grave e os que saíram da faculdade, mas ainda não estão empregados. Os dados completos constam do estudo Juventude, Desigualdade e o Futuro do Rio de Janeiro, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro e deve ter um capítulo publicado em 2013.

Em Guarapuava
Nesta terça-feira, 20, às 17h30, acontece a Mobilização do Dia da Consciência Negra na praça 9 de Dezembro, em Guarapuava. O evento será realizado pela Pastoral Afro de Guarapuava e faz parte da campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”.

 

 

Fonte: Diário de Guarapuava

+ sobre o tema

Mulheres negras invadem Câmara Municipal em São Paulo

Parecia um desfile de moda: negras lindas, de turbantes,...

A mulher negra em lugar de liderança

Ouvi da embaixadora dos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU,...

Ensaio sobre o meu tempo

Eu não soube conciliar carreira e maternidade. Por Ruri Giannini, no...

Malévola, Frozen e Valente: o amor entre mulheres começa a despontar

Atenção: esse texto pode conter alguns spoilers. Por Jarid Arraes As animações Disney...

para lembrar

Os 4 sinais de machismo mais frequentes no ambiente de trabalho

Para combater as práticas machistas dentro da sua empresa,...

59% dos brasileiros querem mais representatividade LGBTQIA+ na política

No mês do Orgulho LGBTQIA+, uma pesquisa do Instituto Ipsos,...

Revista francesa revela que dirigente de partido antigay é… gay

A revista francesa "Closer" revelou nesta sexta-feira (12) que...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=