MV Bill presta depoimento no Rio e nega ter agredido irmã

O rapper Alex Pereira Barbosa, o MV Bill, prestou depoimento no início da tarde desta terça-feira na 32ª Delegacia de Polícia (Taquara), onde negou ter agredido sua irmã Cristiane. Segundo o delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, o artista admitiu apenas que teve um desentendimento com ela.

por Giuliander Carpes

MV Bill teria dito, segundo o delegado, que Cristiane compareceu à delegacia para tentar retirar a denúncia, mas não conseguiu. De acordo com o delegado Renato Mariano, responsável pelo caso, registros de violência doméstica não podem mais ser retirados mesmo em caso de desistência da vítima. Isso se deve a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que o Ministério Público pode entrar com ação penal em casos de violência doméstica mesmo que a vítima desista da acusação.

Ainda na segunda-feira, a irmã do rapper passou por exame de corpo de delito na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cidade de Deus. Na manhã desta terça-feira, MV Bill disse no Twitter que sua irmã havia tido uma crise. Cristiane procurou a polícia ontem dizendo ter sido agredida a pauladas pelo músico após uma discussão familiar.

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Vitória em Goiás, derrota em São Paulo: “resoluções” de casos de estupro

Universidade Federal de Goiás demite professor acusado de estupro,...

Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...

para lembrar

Nudez e pedofilia: onde está o real problema?

Incentivamos uma relação com a sexualidade desigual e potencialmente...

Quem são as vítimas “invisíveis” dos estupros no Brasil?

Estimativa é que apenas 10% de quem sofre com...

Médica alerta para estupro de meninas silenciado por familiares

Especialista do Ministério da Saúde alerta que falta integração...

Mutilação genital afeta 200 milhões de mulheres no mundo, diz ONU

Prática é considerada violação flagrante aos direitos humanos Do O...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=