NBA: Técnico do Clippers derrotou o racismo

 

Marcos Peres

O Los Angeles Clippers estréia nessa segunda-feira na semifinal da Conferência Oeste da NBA contra o Oklahoma City Thunder, depois de uma extenuante e emocional batalha de sete jogos contra o Golden State Warriors nas quartas-de-final. Se a semana mais turbulenta da história do time terminou vitoriosa, foi por mérito do técnico Doc Rivers. Um treinador negro, assim como mais de 80% dos seus jogadores, que se viu obrigado a lidar com os comentários racistas do próprio chefe, o proprietário da equipe, e todo o escândalo que tomou conta dos Estados Unidos depois que eles se tornaram públicos.

Todos queriam ouvir o que Doc Rivers, campeão da NBA em 2008, teria a dizer. O treinador de 52 anos poderia ter se reservado o direito de esperar pelas investigações da NBA antes de se manifestar. Porém, tomou frente da situação no mesmo dia em que a explosiva gravação telefônica foi publicada na internet. “É um comentário pertubador”, afirmou Rivers em uma sessão de treinamentos do Clippers. “Mas temos que estar acima dele nesse momento”. Momento em que o time jogaria a quarta partida da série melhor de sete. Jogo que o Clippers viria a perder naquele final de semana.

A partir daquele momento, o fracasso do time nos playoffs já não seria culpa dele. Porém, Rivers optou claramente pelo sucesso. O profissionalismo, a inteligência emocional prevaleceram sobre as reações emocionais. Enquanto o astro Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, dizia “eu não poderia jogar para ele (Donald Sterling, dono do Clippers)”, Doc Rivers cuidava de botar a cabeça de seus principais jogadores, como o armador Chris Paul, no lugar.

O treinador não só fez uma reunião com os jogadores sobre o assunto, como manteve uma linha de comunicação aberta com cada um deles, afim de discutir suas preocupações e afinar seus objetivos. “Essa situação não vai nos distrair do grande objetivo de seremos campeões”, dizia Rivers diariamente, das mais diferentes maneiras.

Rivers não aprovou o protesto silencioso de seus jogadores, que vestiram do avesso a camisa de aquecimento do time minutos antes do quarto jogo das quartas-de-final da conferência. Porém, não os recriminou. Em vez disso, deu a seus atletas folgas não planejadas anteriormente, antes dos jogos 5 e 6.

Ao final do jogo sete, o mais emocionante da série contra o Warriors, vencido pelo Clippers por 126 a 121, Doc Rivers finalmente extravasou suas emoções, com socos no ar e cumprimentos a todos os seus jogadores.

“Eu precisava extravasar”, contou o treinador. “Foi uma semana dura. Pareciam dois meses. Eu precisava ser capaz de sorrir, rir, aplaudir e ficar orgulhoso de algo. E estava muito orgulhoso dos meus jogadores”, disse Rivers.

O dono do LA Clippers, Donald Sterling, foi banido da liga para sempre. Ainda não se sabe que impacto esse escândalo ainda pode ter para o futuro do time. Porém, o time de Doc Rivers pode entrar para a história do basquete ao ser campeão da temporada 2013/2014 da NBA.

 

 

 

Fonte: Blog do Marcos Peres

+ sobre o tema

Liminar garante matrícula de gaúcho negro em universidade

  Em decisão inédita, a 3ª Turma do Tribunal Federal...

Post de Johnnie Walker sobre racismo causa polêmica

O Racismo perfeito do Brasil, trabalha assim: A Johnnie...

Existe uma filosofia essencialmente africana? Por SÉRGIO SÃO BERNARDO

A existência de uma filosofia popular oral é mais...

Cotas raciais: O voto do Ministro Joaquim Barbosa

Ministro Joaquim Barbosa afirma que ações afirmativas concretizam princípio...

para lembrar

O pacote anticrime do ministro Sergio Moro deve ser aprovado pelo Congresso? NÃO

Licença para matar por Paulo Sérgio Pinheiro no Folha de São...

Presidente, diretor e mais um funcionário são demitidos após fantasia blackface

A multinacional de produção de softwares Salesforce demitiu três...

“Chefe sugeria que eu alisasse cabelo”, diz recepcionista após vencer ação 

Uma decisão do Tribunal Superior do Trabalho que condenou...

Calendário Johnson’s Baby 2011 – Que país é esse?

O calendário brasileiro Bebê Johnson's 2011 parece representar as...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=