NBA: Técnico do Clippers derrotou o racismo

Marcos Peres

O Los Angeles Clippers estréia nessa segunda-feira na semifinal da Conferência Oeste da NBA contra o Oklahoma City Thunder, depois de uma extenuante e emocional batalha de sete jogos contra o Golden State Warriors nas quartas-de-final. Se a semana mais turbulenta da história do time terminou vitoriosa, foi por mérito do técnico Doc Rivers. Um treinador negro, assim como mais de 80% dos seus jogadores, que se viu obrigado a lidar com os comentários racistas do próprio chefe, o proprietário da equipe, e todo o escândalo que tomou conta dos Estados Unidos depois que eles se tornaram públicos.

Todos queriam ouvir o que Doc Rivers, campeão da NBA em 2008, teria a dizer. O treinador de 52 anos poderia ter se reservado o direito de esperar pelas investigações da NBA antes de se manifestar. Porém, tomou frente da situação no mesmo dia em que a explosiva gravação telefônica foi publicada na internet. “É um comentário pertubador”, afirmou Rivers em uma sessão de treinamentos do Clippers. “Mas temos que estar acima dele nesse momento”. Momento em que o time jogaria a quarta partida da série melhor de sete. Jogo que o Clippers viria a perder naquele final de semana.

A partir daquele momento, o fracasso do time nos playoffs já não seria culpa dele. Porém, Rivers optou claramente pelo sucesso. O profissionalismo, a inteligência emocional prevaleceram sobre as reações emocionais. Enquanto o astro Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, dizia “eu não poderia jogar para ele (Donald Sterling, dono do Clippers)”, Doc Rivers cuidava de botar a cabeça de seus principais jogadores, como o armador Chris Paul, no lugar.

O treinador não só fez uma reunião com os jogadores sobre o assunto, como manteve uma linha de comunicação aberta com cada um deles, afim de discutir suas preocupações e afinar seus objetivos. “Essa situação não vai nos distrair do grande objetivo de seremos campeões”, dizia Rivers diariamente, das mais diferentes maneiras.

Rivers não aprovou o protesto silencioso de seus jogadores, que vestiram do avesso a camisa de aquecimento do time minutos antes do quarto jogo das quartas-de-final da conferência. Porém, não os recriminou. Em vez disso, deu a seus atletas folgas não planejadas anteriormente, antes dos jogos 5 e 6.

Ao final do jogo sete, o mais emocionante da série contra o Warriors, vencido pelo Clippers por 126 a 121, Doc Rivers finalmente extravasou suas emoções, com socos no ar e cumprimentos a todos os seus jogadores.

“Eu precisava extravasar”, contou o treinador. “Foi uma semana dura. Pareciam dois meses. Eu precisava ser capaz de sorrir, rir, aplaudir e ficar orgulhoso de algo. E estava muito orgulhoso dos meus jogadores”, disse Rivers.

O dono do LA Clippers, Donald Sterling, foi banido da liga para sempre. Ainda não se sabe que impacto esse escândalo ainda pode ter para o futuro do time. Porém, o time de Doc Rivers pode entrar para a história do basquete ao ser campeão da temporada 2013/2014 da NBA.

 

 

 

Fonte: Blog do Marcos Peres

+ sobre o tema

Italiano é preso suspeito de hostilizar judeu no Aeroporto do Galeão, no Rio

Este é o italiano Fabrizio Trinchero, pouco antes de...

Polícia destrói memorial pelas vítimas da Chacina do Jacarezinho

Agentes da 25ª Delegacia Policial (Engenho Novo) e da...

Estudo encontra discriminação racial em anúncios no Google

Estudo da Universidade Harvard encontrou indícios de discriminação...

para lembrar

Nossos passos vêm de longe

Julho é o mês em que celebramos o Dia...

Roseli da Silva, 40 anos depois da cena de racismo em Mogi

 Mas já faz 40 anos? Reprodução Internet Por Eliane Jose Do O...

Nós, os brancos, e a nova partilha discursiva

Mesmo tendo que ser muito cuidadosos com a “cultura...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=