quinta-feira, outubro 6, 2022
InícioQuestão RacialNegar o racismo é racismo

Negar o racismo é racismo

Enquanto se continua a pôr em causa se há racismo, se há racismo estrutural ou se a sociedade portuguesa é racista anula-se o espaço para a responsabilização, para a reflexão e discussão sobre a mudança, e silenciam-se as vozes das pessoas vítimas de racismo, as suas vivências e as suas propostas para o progresso da Igualdade entre todas e todos os cidadãos em democracia. Negar o racismo é distração e sabotagem.

Após a execução racista de Bruno Candé Marques começou desde logo a cantiga usual: “agora tudo é racismo”, “isto não é racismo”, “o idoso só estava mal disposto”, “acordou do lado errado da cama” ou “talvez se tenha enganado porque vê mal” (verdadeiro comentário). Excluindo o negacionismo deliberado e oportunista, utilizado como arma política e chamariz mediático de profissionais do racismo como André Ventura, este nível delirante de negação é perturbador e é também um sintoma do racismo estrutural que gangrena a sociedade de forma mais ou menos velada para os que dele beneficiam.

O medo que o grupo racial, com o qual os negacionistas se identificam, possa ser associado a um crime racista é de tal ordem que todas as recriações e revisionismos contorcionistas do que se passou naquela Avenida de Moscavide são possíveis, pouco importam os inúmeros testemunhos públicos e as declarações da família da vítima. Como explica Herbert Blumer em Race Prejudice as a Sense of Group Position (1958), quando falamos de racismo estamos a falar de uma relação entre supostos grupos raciais e não de uma relação interpessoal entre os membros desses grupos, ou seja, o pânico moral que sentem os negacionistas em relação à sua reputação não acontece porque se identificam com o indivíduo que matou Bruno Candé Marques, mas com o grupo racial ao qual ele é suposto pertencer.

Assistimos, desde logo, a um movimento de solidariedade de grupo cujo objetivo é o de salvar a sua reputação, porque se Portugal não é racista, se não somos racistas, um dos nossos também não pode ser. Se considerassem Bruno Candé Marques como fazendo parte do seu grupo as reações seriam distintas, e não teríamos outro clássico racista que é a desculpabilização do ato criminoso através da inculpação da vítima, que afinal “não era nenhum santo” – como se houvesse uma licença para matar, uma exceção à lei da pena de morte quando essa morte é a de um corpo negro. Negar o racismo é racismo.

Esta estratégia de defesa da sua reputação tem custos elevados para as pessoas racializadas e para a sociedade no seu todo. Negar o racismo é ser cúmplice, através da utilização de um dos eficazes instrumentos, da preservação de um sistema supremacista que beneficia há séculos uns em detrimento de outros. Negar o racismo protege os opressores, vulnerabiliza as vítimas, deslegitima o combate antirracista e “enfraquece a resistência”, como defende Teun A. van Dijk em Denying Racism: Elite Discourse and Racism (1992). Enquanto se continua a pôr em causa se há racismo, se há racismo estrutural ou se a sociedade portuguesa é racista anula-se o espaço para a responsabilização, para a reflexão e discussão sobre a mudança, e silenciam-se as vozes das pessoas vítimas de racismo, as suas vivências e as suas propostas para o progresso da Igualdade entre todas e todos os cidadãos em democracia. Negar o racismo é distração e sabotagem.

Quando se nega a existência do racismo estrutural, está-se a apagar a História de Portugal e o seu passado esclavagista e colonialista, está-se a apagar a História das pessoas racializadas, está-se a negar-lhes um qualquer tipo de ancestralidade, de herança histórica, de transmissão, sem terem direito a “avós”, como se fossem seres fora do espaço e do tempo. Negar o racismo é alienação.

Quando se nega o racismo estrutural está-se a apontar o dedo de forma racista à responsabilidade coletiva de negros e ciganos por fazerem parte da população mais pobre, com menos acesso a trabalho, educação, alojamento e saúde, mais discriminada pelas instituições e violentada pela polícia. Como se fossem, de novo, seres fora do espaço e do tempo, fora dos condicionamentos da sociedade onde vivem. Negar o racismo é omissão de auxílio.

Quando se nega a existência do racismo estrutural, está-se a apagar a História de Portugal e o seu passado esclavagista e colonialista, está-se a apagar a História das pessoas racializadas, está-se a negar-lhes um qualquer tipo de ancestralidade, de herança histórica, de transmissão, sem terem direito a “avós”, como se fossem seres fora do espaço e do tempo. Negar o racismo é alienação.

Quando se nega o racismo estrutural está-se a apontar o dedo de forma racista à responsabilidade coletiva de negros e ciganos por fazerem parte da população mais pobre, com menos acesso a trabalho, educação, alojamento e saúde, mais discriminada pelas instituições e violentada pela polícia. Como se fossem, de novo, seres fora do espaço e do tempo, fora dos condicionamentos da sociedade onde vivem. Negar o racismo é omissão de auxílio.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench