Negra, gay, imigrante, formada em Columbia: veja quem é Karine Jean-Pierre, a nova porta-voz da Casa Branca

Enviado por / FonteDo RFI

A Casa Branca mudou de rosto. A nova porta-voz da presidência dos Estados Unidos, Karine Jean-Pierre, é a primeira mulher negra abertamente gay a ocupar o cargo.

Em 2018, Karine Jean-Pierre disse em uma entrevista: “Sou tudo o que Donald Trump odeia”. Quatro anos depois, ela será a responsável por conduzir o discurso presidencial e responder diariamente às perguntas da imprensa. Longe de ser uma novata na política, ela já participou de inúmeras campanhas eleitorais e fez parte das equipes de Barack Obama e depois de Joe Biden.

Filha de pais de origem haitiana, que fugiram da ditadura de Jean-Claude Duvalier, Karine Jean-Pierre, 44, nasceu na Martinica. Seus pais se mudaram para os Estados Unidos quando ela tinha 5 anos e foi lá que Karine fez sua vida. Uma jornada familiar que exemplifica o sonho americano. Seu pai era taxista e sua mãe, cuidadora. Karine se formou na prestigiosa Universidade de Columbia, em Nova York, antes de se tornar uma ativista social e depois na política.

Karine Jean-Pierre participou da campanha presidencial de Barack Obama em 2008 e continuou trabalhando como ele, na Casa Branca. Após a reeleição do democrata, ela começa a dar aulas em Columbia, se torna analista de política na televisão e porta-voz de um movimento de apoio a candidatos progressistas.

Casada com uma repórter do canal americano de TV CNN, com quem tem uma filha adotada, Karine conhece bem a relação com a imprensa. Já participou de várias coletivas na Casa Branca como vice-porta-voz. Agora, ela sucede a sua chefe, Jen Psaki, que deve assumir um cargo num canal de notícias próximo aos democratas.

“Ela vai dar voz a tantas pessoas”

Na quinta-feira (5), Jen Psaki apresentou Karine Jean-Pierre ao final de um encontro com jornalistas credenciados na Casa Branca. Com a voz às vezes embargada de emoção, ela elogiou as qualidades de sua assistente, a quem abraçou vezes.

Karine Jean-Pierre “será a primeira mulher negra, a primeira pessoa abertamente LGBT+ a ocupar esse cargo, o que é ótimo, porque representatividade é importante. Ela dará voz a tantas pessoas e mostrará o que é possível quando você trabalha duro e sonha alto”, disse Psaki.

Igualmente emocionada, a futura Secretária de Imprensa declarou: “É um momento histórico e estou bem ciente disso. Eu entendo o quanto é importante para muita gente”.

+ sobre o tema

Mulher negra: uma data contra o racismo e o sexismo

Uma data para resistir e lutar. Esse é o marco...

Tio conta por que matou sobrinha e arrancou os seios dela: “Eram bonitos”

Segundo ele, o crime foi motivado pela notícia de...

Encontro em Goiânia lembra 30 anos do movimento de mulheres negras no Brasil

As três décadas do movimento de mulheres negras no...

para lembrar

Mãe Menininha do Gantois será tema da Vai Vai no Carnaval do ano que vem

A Mãe de Santo baiana Menininha do Gantois será...

As diversas ondas do feminismo acadêmico

Os diferentes momentos dos estudos acadêmicos voltados às questões...

A distopia do cuidado no brasil opera no corpo das mulheres negras

O corpo negro é um corpo encruzilhada. Sua existência...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=