Negras e crespas: Esta mãe criou bonecas para que suas filhas se sentissem representadas

Imagine entrar em todas as lojas de brinquedo do shopping center a procura de uma boneca que sua filha possa se reconhecer minimamente em sua imagem e simplesmente não encontra-la.

Do HuffPost Brasil

Pois é. Essa situação era vivida ano após ano por Mushiya Tshikuka que queria presentear suas pequenas com uma boneca negra.

Diante da dificuldade de encontrar no mercado um brinquedo que não impusesse padrões de beleza, a apresentadora americana criou a My Nature Doll.

Muito além de uma boneca, Mushiya acredita que a linha de brinquedos é uma ferramenta para fortalecer a autoestima e confiança das garotas negras.

“Eu me lembro de ir à loja, muitas lojas na verdade, à procura de uma boneca negra porque o Natal estava se aproximando e minhas meninas tinham idade suficiente para dizer ‘mamãe, eu quero uma boneca’. Recusei que minhas pequenas meninas negras lindas tivessem bonecas brancas porque eu não queria confundir sua confiança. Eu tinha trabalhado tanto nisso. Mas cada boneca preta que eu via tinha cabelos lisos, cachos longos sintéticos e esbranquiçados ou eram simplesmente carecas. Veja, minhas filhas nasceram com uma cabeça cheia de cachos. Onde estava aquela boneca? Eu fui de loja em loja, Natal após o Natal, ano após ano e simplesmente desisti e comprei um livro. A boneca preta na maior loja de bonecas da América, estava vestida com roupas de escravas. Ela era uma antiga escrava. Eu me recusei a comprar uma boneca que não se parecia com elas e deixar de celebrar sua grandeza e beleza.”


De pele 100% negra, cabelos que podem ser trançados ou deixado ao natural, a boneca recebeu o nome de Keleshe e é um símbolo do empoderamento e da beleza negra.

“Quando amigos e família davam Barbies ‘esbranquiçadas’ de aniversários, eu gostaria de devolve-las. Eu sei que soa duro, mas eu estava muito preocupada com os efeitos psicológicos de brinquedos sobre a auto-estima das crianças e as pesquisas provaram meus pensamentos. Mas quanto mais elas ficaram mais velhas, mais elas exigiram bonecas. E como eu não conseguia encontrar bonecas bonecas que as representassem, decidi criar minhas próprias bonecas. Daí, o nascimento de My Natural Doll. Ela tem pele escura, cabelo 100% virgem que pode ser torcido, trançado e lavado justamente como o nosso próprio cabelo. O nome dela é Keleshe.”

No Instagram da marca de brinquedos, Mushiya compartilhou o quão importante é essa realização.

“Você não está apenas comprando um brinquedo. Você está comprando o AMOR e AUTOESTIMA para seu filho e mudando sua vida. As pessoas me dizem que eu tenho feito muito na vida para nossas mulheres e nossa comunidade. Criar @MyNaturalDoll é uma das realizações mais orgulhosas que eu alcançarei nesta vida para este mundo.”

+ sobre o tema

Desgenitalizar o feminismo!

Durante muito tempo o feminismo dedicou-se a genitalizar o...

Processos criativos e identidade feminina negra

Programa Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação no ato...

Já parou para pensar como seria se homens fossem assediados, como as mulheres no cotidiano? (VÍDEO)

A comunidade pró-sororidade Vamos Juntas postou nesta quarta-feira (2)...

Djaimilia Pereira de Almeida

Nascida em Angola, em 1982, Djaimilia Pereira de Almeida...

para lembrar

Cinco ideias do discurso feminista ‘viral’ de Emma Watson

O discurso da atriz britânica Emma Watson sobre feminismo...

Participe do Seminário: “Mulheres no poder: e aí, cheguei! Como fazer a diferença?”

Quais estratégias ainda devem ser construídas para que as...

Vontade de nada, mudanças na vida e cada pecado uma árvore

A vontade de nada voltou assombrar meu cotidiano, um...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=