Negros vivem menos que brancos no Recife

Sarah Fernandes

Em 2006, o total de mortes de negros com até 59 anos foi três vezes maior que o número de óbitos de brancos na capital pernambucana. Negros vivem menos que brancos no Recife. O número de mortes de pretos e pardos com idade até 59 anos no Recife foi mais do que o triplo do total de óbitos registrados entre brancos, índios e amarelos no ano de 2006.

A informação está no Quadro Epidemiológico de Mortalidade por Raça/Cor no Recife, levantamento sobre índices de mortalidade focado na questão racial. O estudo, promovido pela secretaria de saúde do município, indica 3.174 mortes de negros contra 929 de não-negros nessa faixa etária.

 

A morte de negros representa 77,4% dos óbitos, proporção maior do que os 53,22% da população que se autodenominaram de cor preta ou parda no Censo de 2000. Os números foram extraídos das declarações de óbito que traziam o quesito raça/cor preenchido (97,8% do total).

Em relação às crianças com idade até nove anos, foram registradas 310 mortes de negros contra 111 de não-negros, quase o triplo. A maior diferença, no entanto, ficou com os adolescentes entre 10 e 19 anos: foram 278 óbitos de negros para 32 de não-negros (mais de oito vezes). Já entre os adultos, os dados apontam 1.118 mortes de negros para 170 de não-negros (mais de seis vezes) no grupo de pessoas entre 20 e 39 anos e 1.468 óbitos de negros contra 616 de não-negros para a população entre 40 e 59 anos. No grupo dos idosos, com 60 anos ou mais, o quadro se inverte: foram 2.833 mortes de negros para 2.860 de não-negros, em 2006.

“Somente entre os idosos que essa proporção foi ligeiramente superior em não-negros. Ou seja: os negros morrem mais cedo que os não-negros. Salienta-se a ocorrência em adolescentes e adultos jovens de 8,7 e 6,6 óbitos em negros para 1 óbito em não-negro, respectivamente”, afirma o estudo.

“A faixa etária mais vulnerável é a entre 10 e 19 anos. Uma das explicações é que eles compõem o grupo dos mais vulneráveis à violência”, avalia a coordenadora do levantamento, Sony Santos. Homicídio foi o fator que mais vitimou negros de Recife em 2006, atingindo 959 pessoas da etnia contra 59 não-negras. “A taxa de mortalidade por homicídio chegou a ser 18,7 vezes superior na raça/cor negra”, aponta a pesquisa.

Os óbitos causados por câncer de colo de útero, tuberculose e Aids também foram mais freqüentes na população negra do que na não-negra. Ao todo, 2,5 mulheres negras morreram vítimas de câncer de colo de útero para cada não-negra. Nos casos de Aids e tuberculose foram 3,3 e 3,2 óbitos em negros para um óbito não-negro, respectivamente, segundo o relatório. “São doenças mais comuns na população pobre, que tem mais dificuldade de acesso a informações e serviços”, diz Sony. “Esse quadro pode sugerir que haja racismo institucional no atendimento da saúde da população negra”, avalia.

Com a intenção de combater a discriminação nos serviços públicos a prefeitura de Recife aderiu ao PCRI (Programa de Combate ao Racismo Institucional), que é apoiado pelo PNUD. No setor de saúde o programa viabilizou a elaboração do levantamento sobre índices de mortalidade e natalidade segundo raça/cor, divulgado em novembro de 2007, e ofereceu três cursos para 300 servidores públicos para evitar discriminação no atendimento e para incluir o quesito raça/cor nos prontuários médicos.

 

 

+ sobre o tema

Campanha Reaja ou será morto e Quilombo xis ,Versus 2 , Intervenção Política

  Intervenção politíca da Campanha Reaja e Quilombo...

Um coronel perigoso

Comandante do Bope é exonerado por apologia ao nazismo O...

Mãe acusa companhia aérea de racismo por denúncia de que traficava filha negra

Uma mulher da Califórnia está acusando a Southwest Airlines...

Pesquisa inédita mostra desigualdade racial no mercado de tecnologia

A pesquisa inédita Potências Negras Tec, realizada em outubro...

para lembrar

Anistia Internacional pede redução de homicídios de negros em ato no DF

Representantes das cinco regiões do país fizeram ato simbólico...

Inteligência ficou cega de tanta informação?

Em 1543, Nicolau Copérnico publicou seu livro "De Revolutionibus...

Mudar a pergunta é revolução

O assassinato de Genivaldo de Jesus —o homem negro, com esquizofrenia,...

Chegou a hora dessa gente branca mostrar o seu valor – Por Atila Roque

A crise política que atinge a democracia brasileira com...
spot_imgspot_img

Na França, esquerda unida mostra que é possível barrar a extrema direita

Mais uma vez a democracia francesa deu um chega pra lá na extrema direita, repetindo o que já fez em outras eleições. Uma coisa...

A saída contra a extrema direita é negra

A campanha fria e sonolenta de Joe Biden fez os democratas buscarem alternativas e a pressão para que ele abandone a corrida eleitoral está...

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....
-+=