NELSON MANDELA: O fascínio por um construtor de consensos

Um repórter português em busca da personagem de Nelson Mandela

Na história há poucas figuras com a estatura política de Nelson Mandela e escrever um livro sobre o antigo presidente sul-africano é um desafio que deve assustar os autores mais corajosos.

Mas a coragem não faltou a António Mateus, jornalista da RTP que arriscou a sua vida a cobrir a transição sul-africana, quando trabalhou para a Lusa em Joanesburgo, entre 1990 e 1996 (depois, num segundo período, entre 2000 e 2003). Mandela, a Construção de Um Homem, da Oficina do Livro, é o relato de um período complexo e sobretudo a tentativa de compreender Nelson Mandela, conhecido por Madiba, e que já tem lugar na história.

Mateus testemunhou como jornalista os conflitos de Moçambique e de Angola, mas este livro centra-se no perigoso estertor do apartheid e na transição sul-africana. Tudo gira em torno de Mandela, que o autor conheceu pessoalmente, mas que paira a certa distância da narração. A leitura torna claro até que ponto os sul-africanos tiveram sorte. Sem Madiba, a transição talvez culminasse em guerra civil.

O autor do livro nunca esconde a sua admiração por Mandela. Alguns capítulos são comoventes e este é um daqueles livros que melhoram à medida que se progride na leitura. A história do jogo de râguebi, a viagem de reconciliação a Orânia, o prognóstico falhado de um português, a cena do tiroteio sobre a manifestação do Inkhata, a visita de Mandela a um vizinho português ou o testemunho de Zelda la Grange são momentos intensos de um trabalho que o prefaciador, António Vitorino, resume de forma feliz, ao referir que se trata de um “testemunho vivo e vivido”.

nelson_mandela

A África do Sul assistiu a uma transição miraculosa e repleta de drama. E o livro faz justiça ao tema difícil que propõe ao leitor. Apesar destas qualidades, a obra é por vezes imprecisa em relação ao tempo dos episódios (sobretudo no início) e há excesso de pormenores do autor, a distrair do essencial, que é Mandela. Mas os eventuais defeitos são superados pelo que se aprende com esta personagem fascinante que conseguiu conciliar o irreconciliável. A obra é apresentada hoje por Cândida Pinto e António Vitorino, no Colégio Militar, em Lisboa, às 19.00.

Fonte: DN Sapo

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

Primeira usina solar que transforma água do oceano em água potável está no Quênia

Um relatório recente disponibilizado pela UNICEF e pela Organização...

Eto’o e Drogba detonam médicos que sugeriram teste para vacina contra a Covid-19 na África

Camaronês e marfinense apontam racismo na proposta dos pesquisadores Do...

‘Ela só queria nos humilhar’ conta estudantes africanos sobre racismo da polícia em Porto Alegre

Samir Oliveira Quando vieram ao Brasil em busca de aperfeiçoamento...

Medo do Ebola jogou 2 jovens africanos nas ruas de SP

Justiça negou acolhimento em abrigo e meninos foram colocados...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=