Nico Hines, jornalista que expôs atletas gays da vila olímpica, é retirado da cobertura da Olimpíada

O jornalista Nico Hines, editor do portal The Daily Beast, foi retirado da cobertura da Olimpíada no Rio pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) neste domingo (14).

Por Ana Júlia Gennari Do Brasil Post

O motivo? Ele criou um perfil no aplicativo Grindr, voltado ao público LGBT, para mapear atletas que não são heteros na Vila Olímpica e marcar encontros falsos com eles.

Depois disso, Nico publicou o artigo Consegui três encontros no Grindr em uma hora na Vila Olímpica, no dia 8 de agosto.

Nele, o jornalista expôs não apenas a sexualidade dos atletas — muitos deles não assumidos –, como reforçou o estereótipo de promiscuidade dos LGBTs, com frases como: Um viveiro de atletas em festa, pegação, e sexo, sexo, sexo”.

A atitude de Hines ficou marcada como uma “armadilha para retirar atletas do armário e acabou muito criticada, já que, além da homossexualidade ser crime em muitos países, cabe apenas à pessoa decidir quando se sente a vontade para assumir-se não hetero.

No Twitter, Amini Fonua, nadador que está no Rio para os jogos e nasceu em Tonga, país onde os homossexuais são violentamente criminalizados, criticou ostensivamente o trabalho do jornalista.

 

“Imagine o único lugar que você consegue se sentir seguro, o único lugar que você pode ser quem você é, estragado por uma pessoa heteroseexual que acha que isso é brincadeira?”

Mas Hines não saiu impune.

O COI enviou, neste domingo (14), um e-mail ao Outsports, um site norte-americano voltado à atletas LGBTs, em que afirmou que a postura de Nico Hines é “absolutamente inaceitável”. A organização ainda informou que o editor do Daily Beast não está mais cobrindo os Jogos Olímpicos no Rio.

O Daily Beast também excluiu o artigo do portal. já no dia 11 de agosto. Em seu lugar,foi colocado um pedido de desculpas sobre o ocorrido.

“O artigo não teve a intenção de prejudicar ou degradar membros da comunidade LGBT, mas intenções não importam, os impactos, sim. Nossa esperança é que, ao remover o artigo que está em conflito com nossos valores bem como com aos quais aspiramos como jornalistas demonstre quão seriamente levamos nosso erro”

Quanto a um pedido de desculpas de Nico? Ele não aparece nas redes desde do dia 10 de agosto, um dia antes de seu artigo se transformar em uma polêmica.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Alexandre Nero explica por que não pode ter uma camisa de Marta

Marta é uma das estrelas dos Jogos Olímpicos Rio...

Capacitismo não tem fim. Sanidade editorial, sim

A revista Vogue, preferida pela classe A e B...

Lea T, a transexual que vai fazer história na abertura da Olimpíada

Levantar a bandeira da inclusão e ser porta-voz da...
spot_imgspot_img

‘Esporte paralímpico ainda não mudou preconceito no Brasil’, diz ex-chefe da delegação brasileira

Apesar do sucesso das Paralimpíadas, a sociedade brasileira ainda não mudou o preconceito em relação aos deficientes e o esporte paralímpico. Essa é a...

Homicídios cometidos por policiais aumentaram 85% às vésperas da Rio 2016

Os homicídios cometidos por policiais militares na cidade do Rio de Janeiro aumentaram 85% nos quatro meses (de abril a julho) que antecederam os...

Marinalva Almeida – Atleta Paralímpica: “O Brasil não precisa de Photoshop para representar nossas deficiências.”

Marinalva de Almeida, faz 39 anos ( hoje é seu aniversário), mãe de 03, atleta paralímpica e sobretudo, uma mulher de garra, que luta...
-+=