No audiovisual capixaba, 80% dos recursos públicos vão para homens e brancos

Foto: Getty Imagens

Um levantamento feito pela produtora cultural Maria Grijó aponta a pouca diversidade entre os selecionados nos editais de audiovisual apoiados pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Com base nos dados da própria Secult referente aos contemplados entre 2009 e 2016, utilizando as categorias do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para gênero (feminino e masculino) e raça (branca, preta, parda, indígena e amarela), a análise indica a predominância de pessoas brancas e do sexo masculino em relação a mulheres e pessoas pretas e pardas.

Do Século Diário 

Na análise há dois recortes: o de número de pessoas/entidades contempladas e do valor total disponibilizado. Em termos de raça, 80% das produções e 85% do orçamento foram disponibilizados para pessoas brancas, contra 15% e 13% para pessoas pretas ou pardas. O restante foi direcionado a produções coletivas, mistas ou não identificadas.

Na análise de gênero, 72% das produções e 86% dos recursos foram para homens. As mulheres ficaram com 26% dos prêmios e 13% do valor, conforme indicado nos gráficos abaixo, disponibilizados pela própria pesquisadora.

Maria ressalta que os números não se diferenciam muito dos apresentados em nível nacional por estudos da Agência Nacional do Cinema (Ancine). “Há anos não temos um longa-metragem estreando nas telas de cinema dirigido por uma mulher negra. A presença de homens negros é menor que de mulheres brancas, que é ínfima se comparada ao de homens brancos”, comenta. “Nesse sentido, o audiovisual capixaba é um espelho do nacional, que é um espelho também do audiovisual mundial, como o da Europa e Estados Unidos”.

Num segundo levantamento, mais detalhado focado na questão de gênero, a produtora expõe que até hoje todos os oito prêmios de longa-metragem, os de maior orçamento da Secult foram para homens. Entre todas categorias, aquele em que as mulheres têm maior participação é em documentários de curta-metragem, embora não passe de 36% dos prêmios, contra 64% de diretores do sexo masculino.

Para Maria Grijó, o resultado ajuda a dar subsídios para o debate que está acontecendo no setor audiovisual nacional e agora também no capixaba. “Cada ano tem havido maior aporte de recursos do governo estadual e também da Ancine no Estado. Então é importante fazer essa análise agora para a gente não reproduzir com mais recursos um sistema que já está falido. Se houver muito dinheiro e muitos editais e não tiver diversidade nas produções, vamos ter uma audiovisual que só tem uma visão de mundo”, aponta.

Segundo ela, a situação atual é clara, mas é possível mudar a produção do futuro, fazendo com que seja mais diversa e produzida por mais pontos de vista.

Como a Secult não cobra preenchimento de gênero e raça no momento de inscrição, alegou não ser possível fazer um levantamento do perfil dos inscritos, o que permitiria um cruzamentos das informações e percentuais de inscritos e aprovados.

O levantamento também se reduz aos dados dos diretores e proponentes dos projetos, não permitindo indicar gênero e etnia de outras funções como diretores de fotografia, técnicos de som, montadores, editores de som, atores e atrizes e outras funções que Maria acredita também estarem subrepresentadas no audiovisual capixaba. “Atribuo essa predominância de um único perfil ao fato do cinema e do audiovisual terem sido e continuarem sendo uma arte extremamente burguesa e elitista em todo país. Assim como vários locais de trabalho, reproduz essa sociedade machista e racista, essa estrutura que está em todos os lugares, mas que em alguns momentos e locais, ela se reproduz com mais força”.

Atualmente, a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta Metragistas do Espírito Santo (ABD Capixaba) discute a questão das políticas afirmativas para serem propostas para a Secult para os editais do setor audiovisual. “Temos que discutir de forma clara, há experiências de ações afirmativas pelo país e podemos solicitar à secretaria para que isso esteja incluído nos próximos editais”, acredita a produtora cultural.

+ sobre o tema

Kabengele Munanga receberá título de professor emérito da USP

O antropólogo congolês-brasileiro Kabengele Munanga receberá, na próxima sexta (2), o título de...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Psicóloga faz ofensa homofóbica e agride funcionários de restaurante no Museu do Amanhã

Uma psicóloga fez ataques homofóbicos contra funcionários de um...

para lembrar

Projeto sobre ‘brancura’ inflama debate sobre racismo nos EUA

Em meio a protestos contra morte de negros por...

Apesar do governo e da polícia, há vida e amor no Cabula

Na manhã do último sábado, 7 de março, moradores...

Campanha contra a redução da maioridade penal intervém em praças do país

Mobilização de estudantes cariocas começou na internet; 400 praças...
spot_imgspot_img

Lei 10639 entre a folclorização caricata e o compromisso político-pedagógico com a educação antirracista

Imagine passar quase uma década da vida num espaço que remete ao final do século XIX, tanto em sua estrutura física, organizacional e curricular,...

Samantha Tavares, o voo 1575 e o mercado de (des)almas chamado Brasil.

Um corpo negro incomoda pela simples existência. Um corpo negro incomoda muito mais quando ocupa espaços que tradicionalmente são associados a sua presença. Despertando...

LGBTQIA+ negros relatam agressões recorrentes na internet

"Eles só pegam aquilo que historicamente o Brasil criou das nossas imagens e produzem fake news contra a gente". A percepção foi um dos...
-+=