No Brasil, aumenta a sobrevida de mulheres com câncer de mama

Nos casos mais graves, possibilidade de sucesso no tratamento passou de 20% para 40%. Pesquisa acompanhou mais de cinco mil mulheres em diferentes estágios.

Por Jornal Nacional, Do G1

Foto de um quarto de hospital, com equipamentos hospitalar e camas vazias.
(Foto: Imagem retirada do site: Pixels.com)

Uma pesquisa mostrou resultados animadores para mulheres com câncer de mama: aumentou o índice de sobrevida mesmo em estágios mais avançados da doença.

O que já foi uma dura sentença no consultório vai tomando a forma de uma doença que pode ser encarada cada dia mais com esperança. A pesquisa do hospital paulista A.C. Camargo acompanhou mais de cinco mil mulheres em diferentes estágios de câncer de mama.

Nos casos mais graves, quando a doença se espalha da mama para outros órgãos, a possibilidade de um tratamento bem-sucedido passou de 20% para 40%. Para o tumor combatido num estágio inicial, então, as chances de sucesso alcançaram quase 100%.

Segundo a médica que coordenou o estudo, isso foi possível com uma abordagem multidisciplinar, integrando as diversas fases de tratamento e os profissionais envolvidos. Uma atenção personalizada a cada subtipo de tumor, à fase em que a doença se encontra e à qualidade de vida que se busca para cada paciente, sem descartar, naturalmente, o avanço da medicina.

“Ao longo de todo esse período, nós tivemos novas drogas, novos tipos de tratamento que, ao longo do tempo, foram sendo somados e foram sendo disponibilizados para as mulheres”, disse Fabiana Makdissi, diretora do Departamento de Mastologia do A.C. Camargo.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres do mundo todo. No Brasil não seria diferente, são cerca de 60 mil novos casos descobertos todo ano.

Se a pesquisa traz boas notícias para o tratamento da doença, também reforça a importância do diagnóstico precoce. Segundo os médicos, toda mulher deve fazer mamografia a partir dos 40 anos de idade pelo menos uma vez por ano. Também é fundamental ter acesso a um serviço ágil para marcação de exames a fim de se descobrir a doença na sua fase inicial, aumentando a chance de cura.

A gerente de banco Fabiana Melo Serrano soube que tinha câncer de mama há dois anos e meio – o tumor já estava nos ossos. Fez quimio, rádio, hormonioterapia. O tratamento vai se adaptando ao que aparece nos exames como uma doença crônica.

“Você aceita a circunstância e aquilo te motiva, te dá força, você tem que encontrar força no que você tem e assim vai. E falo no trabalho: me tratem igual a todo mundo, não sou diferente de ninguém”.

+ sobre o tema

Coletivos da área da Saúde se mobilizam contra “projeto higienista” para Cracolândia

Diversas entidades, coletivos e pessoas autônomas aderem a carta...

Reforma do Código Penal propõe descriminalização parcial do aborto

O projeto inclui os casos de anencefalia do feto...

Prostitutas felizes

SÃO PAULO - O que me incomoda em...

para lembrar

MPT e ONU chamam jovens negros para evento gratuito de inclusão no mercado

Como avançar no debate sobre diversidade e promover a...

Racismo no mercado de trabalho: Desemprego é maior entre pretos e pardos

Racismo no mercado de trabalho: a Pesquisa Nacional por...

Lá vem! ‘Em Família’: Luiza briga na praia para defender Alice

" Lá vem! A sindrome de Princesa Isabel das heroínas...

Um governo que quer acabar com o crack, mas não tem moral pra vetar comercial de cerveja

Um jovem morre após ingerir demasiadas doses de álcool,...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=