No fundo do poço, há sempre um alçapão

A vida. Essa brincalhona.

O promotor de Justiça em São Paulo Rogério Leão Zagallo saiu da casinha ao postar, em junho de 2013, em uma rede social: “Estou há duas horas tentando voltar para casa, mas tem um bando de bugios revoltados parando a Faria Lima e a marginal Pinheiros. Por favor alguém pode avisar a Tropa de Choque que essa região faz parte do meu Tribunal do Júri e que se eles matarem esses filhos da puta eu arquivarei o inquérito policial”.

Foto: Flávio Florido

por Leonardo Sakamoto no Blog

Logo ele que, em 2011, ao pedir o arquivamento de um inquérito por violência policial, disse: “Bandido que dá tiro para matar tem que tomar tiro para morrer. Lamento que tenha sido apenas um dos rapinantes enviado para o inferno. Fica o conselho ao policial: melhore sua mira”.

Punido pelo Conselho Nacional do Ministério Público e pelo Supremo Tribunal Federal, agora ele tornou-se responsável, através da distribuição aleatória de casos, por conduzir a investigação de policiais suspeitos de terem matado duas pessoas já rendidas em São Paulo. Pode até realizar um trabalho correto, mas deveria se declarar impedido por razões óbvias.

A contradição é inerente à natureza humana. Mas quando ela vem assim, com gosto de soco no estômago, depondo contra a dignidade humana e o direito coletivo, deveria ser acompanhada de massagem grátis.

Mas é no dia a dia que as histórias ganham contornos mais dramáticos porque essas pequenas violências são cometidas, não raro, sem que se perceba. Reuni algumas abaixo:

– Esse sujeito é um cretino, um retardado, um filho de uma puta, deveria ter sido abortado para não falar tanta bosta.

– Concordo. Esses jornalistas são uns idiotas mesmo. E o Marcelinho, como tá?

– Preocupada, viu? A escola dele, que me cobra horrores de mensalidade, está usando livros de literatura com palavrões, acredita? Dizem que o livro é um “clássico da literatura”, mas eu nunca ouvi falar… Que tipo de sociedade estamos criando com isso?

***

– Por isso acho esse pessoal que fuma maconha é um bando de viciado que fica se entupindo de produtos químicos. Acabam com a própria saúde! Só um minuto: Miguel! Ô, Migueeeeel! Traz a garrafa daquele 12 anos que tá no meu nome, ok? Se estiver vazia, pode abrir outra. E aproveita e traz também uma porçãozinha de torresmo.

***

– Esse trânsito está um absurdo. As pessoas não têm consciência de que a cidade não aguenta mais?

– É, um dia tudo vai parar de vez… Vai sair com o carro?

– Só até a academia aqui da rua de trás dar uma malhadinha e já volto. Coisa rápida.

***

– O mundo tá muito violento. Tô preocupado.

– Sim. Viu que alguém ameaçou de morte o governador?

– Mas esse merece morrer.

***

– Professor, o senhor está sendo fascista. Temos que lutar para derrubar preconceitos e unir as classes sociais de forma a garantir uma sociedade em que, não apenas os meios de produção sejam socializados, mas no qual o espaço público pertença a todos e que todos não tenham medo de ocupa-lo.

– OK, conversamos sobre isso depois. A tarefa desta semana é uma reportagem acompanhando um plantão de um hospital público na periferia.

– Ah, mas como é que eu chego lá? O motorista da minha mãe não pode me levar nesse dia. E eu não vou pegar ônibus, né? Não vai dar, não.

***

– Ajuda. Es… es… estrangêrro. Fugi meo país.

– Vai trabalhar, haitiano vagabundo! Querendo se passar por refugiado sírio, é?

***

– Tem gente que fica incitando os mais pobres contra quem trabalhou e tem uma vida mais confortável.

– Sim, são semeadores do ódio!

– Saudades daquele tempo… Olha, fecha rápido o vidro que tá vindo um escurinho. Sei lá o que essa gente é capaz de fazer, né? Não entendo porque a polícia não os recolhe desse semáforo.

+ sobre o tema

Odarah e Instituto Black Bom em feira de negócios e bate-papo

Evento acontece amanhã em casa nova: a sede do...

Audiências de custódia no Rio libertam 32% mais brancos que negros ou pardos

A possibilidade de um branco preso em flagrante ser...

Inscrições abertas para a oficina do Alma Preta sobre texto jornalístico

Voltada para iniciantes e não-jornalistas, a atividade será realizada...

Santo André adere à luta contra o câncer de mama

Santo André ganha nova cor em outubro. De hoje...

para lembrar

Geledés aborda intolerância religiosa na ONU

Para além das sessões no Conselho de Direitos Humanos,...

Empreendedorismo universitário: 3 erros que você DEVE evitar

Quer ser um empreendedor e iniciar o seu próprio...

Nistagmo: entenda o que é a condição que afeta integrante do Black Eyed Peas

A banda Black Eyed Peas virou assunto no Twitter nesta quarta-feira...

Direito ao aborto é incluído em esboço da nova Constituição chilena

O direito ao aborto foi incluído no esboço da nova Constituição chilena...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=