No trilho do trem, morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Um vendedor é atropelado e morto por um trem no Rio de Janeiro e a SuperVia, empresa responsável pela linha, manda o condutor de outra composição passar por cima do corpo para que não ocorressem atrasos.

Por Leonardo Sakamoto Do Blog do Sakamoto

É notório que coisas valem mais do que a dignidade humana – o que pode ser verificado tanto pela quantidade de latrocínios e assaltos violentos quanto pelas políticas que colocam em primeiro lugar a proteção ao patrimônio, depois todas as outras dimensões da qualidade de vida.

Vidas também valem menos do que o tempo em uma sociedade que o considera como commodity valiosa. A conversão de tempo em dinheiro, contudo, não é tão simples. Pois tempo é mais do que dinheiro. Domina-lo significa poder, exercer controle sobre a dimensão que dá sentido à nossa existência. Um processo que, ao longo dos últimos 300 anos, tem levado a criarmos coisas maravilhosas, mas também a nos desumanizar.

Com o banimento do tempo qualitativo e pessoal e toda a sujeição da vida ao tempo linear, quantitativo, repetitivo, automatizado, frio, a gente vai se tornando alheio ao que significa o passar desse tempo e para que o colocamos para correr.

O que é um corpo estendido se não um punhado de órgãos desfalecidos? Não é nada comparado ao indefectível tic-tac do relógio. Se ninguém verificou se estava morto antes do segundo trem passar por cima, morto estava pelas circunstâncias.

E quais as circunstâncias? Ter tido o azar de estar em Madureira (atravessando, de forma irregular e por necessidade, uma linha de trem) e não na Zona Sul carioca era uma delas. Pois, reservadas as devidas proporções, se um corpo se fundisse ao asfalto no Leblon com a ajuda de um automóvel, o trânsito seria desviado até que tudo se resolvesse. Já, em Madureira, trem passa por cima porque o tic-tac manda.

Mais rápido, mais rápido, mais rápido. Para quê? Talvez para espantar o vazio gerado por nós mesmos.

+ sobre o tema

Gianca e Titi Civita escolheram ser detestados pelos brasileiros

Ao manter a Veja tal como ela vem...

Roupas e acessórios típicos de imigrantes conquistam moradores de São Paulo

Essa paleta tem se expandido com a crescente chegada...

Ativista de direitos humanos morto no TO

Por chris Infelizmente, a notícia abaixo mostra a dimensão...

Ação da Inditex, dona da Zara, cai após denúncias de trabalho escravo

Ações da empresa espanhola recuam nesta sexta-feira na bolsa...

para lembrar

Vinicius Wu: A mídia está semeando o golpe

Grande mídia planeja a “Venezuelização” do Brasil Alguns...

É preciso falar sobre aborto

No episódio de ‘fetostentação’ na internet, mulheres exibiram a...

Colóquio Deborah Duprat: por um modelo de justiça integrador

Sobre o evento Como é possível garantir um modelo de...

David Oliveira de Souza: Carta aos médicos cubanos

  Bem-vindos, médicos cubanos. Vocês serão muito importantes...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=