“Nossa cota se chama mérito!”

por Mariana Assisblogueirasnegras.org

Essa foi a resposta da toda poderosa DisneyCamp aos movimentos sociais que lutam para que negrxs e pobres ocupem outros lugares e funções nos domínios sagrados da universidade pública além de limpar e servir. Sem novidade para os acostumados às tradições do feudo campineiro… Além disso, a palavra mérito se tornou um acalanto aos corações e mentes da elite desesperada com a iminente, e inevitável, ascensão social dos grupos que ela acostumou a considerar subalternos, dominados, marginalizados, excluídos, carentes, vulneráveis, gentios, pagãos, proletários, escravos…

Enfim, suas categorias político-sociais-econômicas-blá-blá-blá não foram suficientes para nos manter sob controle e agora queremos mais e mais. Queremos ocupar as cadeiras, queremos salas com nossos nomes gravados nas placas da porta com títulos e mais títulos antes deles, currículos que falam por si e tornam nossos rostos negros e duros ainda mais assustadores. Afinal,  desmascaramos suas mentiras e dominamos também seus conhecimentos, invadimos sua praia e estamos à vontade para empreender as mudanças necessárias, abrindo com foices e facões as trilhas para os outros que virão. E eles certamente virão, aos montes e trarão outros!

Mas não é só isso que apavora a burguesada, pois além dos conhecimentos deles, temos ainda a força de caráter que os séculos de luta por sobrevivência nos deu, a dignidade de quem nasceu com sangue de rei, a paixão ardente de quem vive com a possibilidade real de não ter um amanhã. Sim, foi o racismo deles que nos transformou em um exército imbatível de guerreiros incansáveis!

E eis que o opressor recalçou as botas, engatilhou as espingardas, colocou o lençol branco pra quarar e incendiou sua grande cruz de madeira. Os gigantes do conhecimento tacanho e mesquinho, do academicismo caduco e estagnado no século XIX, USP e Unicamp, se uniram para defender os interesses daqueles que MERECEM estar do muro pra dentro. Dos que “querem e conseguem”; dos esforçados filhos de nossa burguesia que se matam para passar no vestibular, cuja prova eles repetem e decoram desde a mais tenra idade, o único vislumbre de cultura para muitos; dos que abandonam o seio familiar para se aventurar nos descaminhos de apartamentos e kitnets pagos pelos pais; dos que enfrentam a dureza do trânsito cerceando a liberdade que seus carros – conquistados com o sacrifício de ter feito 18 anos – deveriam oferecer.

Diante de tão grande dilema de nossa elite acuada pela nossa intolerância e ingratidão, só tenho um recado para xs nossxs:

“Toda vez que a gente avança, eles nos pedem calma

Cotas é só o começo, eles nos devem até a alma”

(grupo Opanijé Bahia)

 

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...

Lula sanciona hoje nova lei de cotas universitárias; entenda

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sanciona, nesta segunda-feira (13/11), a nova lei de cotas, atualização que reserva pelo menos 50% das vagas...
-+=