NOTA OFICIAL: Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as – ABPN

31 DE MARÇO DE 2018 – GOIÂNIA, GO
Sobre as Denúncias de Assédio Moral, Assédio Sexual e Estupro na UDESC

Do ABPN

A Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as – ABPN, diante das graves denuncias de desrespeito, agressões a mulheres, envolvendo um de seus membros, assim se manifesta.

A ABPN é uma associação civil, sem fins lucrativos, filantrópica, assistencial, cultural, científica e independente, tendo por finalidade o ensino, pesquisa e extensão acadêmico-científica sobre temas de interesse das populações negras do Brasil. Que tem por objetivos:

I – Congregar os Pesquisadores/as Negros/as Brasileiros/as;
II – Congregar os Pesquisadores/as que trabalham com temas de interesse direto das
populações negras no Brasil;
III – Assistir e defender os interesses da ABPN e dos sócios, perante os poderes públicos em geral ou entidades autárquicas;
IV – Promover conferências, reuniões, cursos e debates no interesse da pesquisa sobre temas de interesse direto das populações negras no Brasil;
V – Possibilitar publicações de teses, dissertações, artigos, revistas de interesse direto das populações negras no Brasil;
VI – Manter intercâmbio com associações congêneres do país e do exterior;
VII – Defender e zelar pela manutenção da Pesquisa com financiamento Público e dos Institutos de Pesquisa em Geral, propondo medidas para seu aprimoramento,
fortalecimento e consolidação;

VIII – Propor medidas para a política de ciência e tecnologia do País.

E assim tem seguido durante os seus 18 anos de existência como associação científica. Informamos ainda que chegamos ao X Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negras/os e com uma agenda científica instaurada realizando os cinco congressos regionais onde reunimos: na região Sul (350 pesquisadores/as), na região Nordeste (450 pesquisadores/as); na região centro oeste (200 pesquisadores/as); na região Norte (150 pesquisadores/as) e na região sudeste (300 pesquisadores/as) o que denota a extensão e comprometimento de suas inserções.

Dito isso, vimos aqui nos pronunciar sobre os inquéritos abertos para apurar as denúncias de assédio moral, sexual e estupro impetrado por estudantes da UDESC contra um dos integrantes desta mesma instituição, associado ABPN e colaborador.

A ABPN, diante da perplexidade e consternação causadas pelas denúncias vem manifestar seu repúdio a toda e qualquer forma de violência e subordinação de raça, gênero e sexualidade, também repudia todas as opressões individuais e sociais contra mulheres negras, bem como de qualquer mulher, o que constitui um imperativo ético e jurídico inegociável.

Importante destacar que na cultura machista, racista e patriarcal a violência vem sendo historicamente utilizada como forma de punir as mulheres, sobretudo as mulheres negras, que buscam vivenciar livremente suas escolhas e autonomia, seja na esfera privada ou pública.

A busca da verdade é princípio e compromisso desta associação. Desta forma, nos posicionamos a favor da investigação de todas as denúncias de assédio moral, sexual e estupro promovidas pelas mulheres e jovens. Dada à gravidade da situação exigimos das autoridades competentes que providências quanto à apuração dos fatos sejam tomadas com rapidez e que todas as partes envolvidas tenham o direito de se pronunciarem e serem ouvidas.

Solidarizamo-nos com as mulheres que formalizaram queixa e lutam por justiça. Numa proposta de escuta, auxílio e fortalecimento de toda comunidade acadêmica envolvida nos atos e nos desdobramentos os/as associados/as à ABPN se colocam à disposição. Para tanto, iniciamos a composição de estratégias de ação:

  • a) Visando o apoio, acolhida e escuta das envolvidas junto às áreas científicas de SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA E FEMINISMOS NEGROS,
    b) Visando desenvolver ações de fortalecimento e apoio ao NEAB-UDESC junto aos coordenadores do consórcio de NEABS – CONNEABS.
    c) Visando a construção de uma ação coletiva que abarque questões relacionadas a diminuição do sofrimento gerado pela situação estamos em diálogo com o Instituto AMMA Psique e Negritude (entidade do movimento de mulheres negras).

Neste sentido, há de se avançar em direção à apuração da verdade e reafirmamos nosso compromisso radical com a defesa dos direitos das mulheres e nosso repúdio a qualquer espécie de violência contra a mulher.

 

Gestão 2016-2018
Profa. Dra. Anna Benite- Presidenta
Profa. Dra. Nicea Amauro-Secretária Executiva
Profa. Dra. Fernanda Bairros- Diretora de Relações Institucionais
Profa. Dra. Ana Beatriz Gomes- Diretora de Relações Internacionais
Profa. Dra. Raquel Amorim- Diretora de Áreas Acadêmicas

+ sobre o tema

O racismo como polêmica escolar

ERICA BARBOSA BAIA FERNANDA MARQUES DE ALMEIDAROSIANE MACHADO...

Índia prende suspeito de ter raptado e estuprado menina de cinco anos

A polícia da Índia prendeu um homem na faixa...

MEC cria ‘Enem’ para professores

Primeira prova deverá ser realizada em 2011. Participação de...

Violência à mulher é problema cultural; especialistas cobram campanha

Para profissionais atuantes na causa, Lei Maria da Penha...

para lembrar

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...

Entidades se manifestam contra o ‘BBB 12’ nesta sexta

Mesmo com a Rede Globo garantindo que o caso...

ENEM: OAB orienta candidatos do Enem a procurar MP e não descarta pedir anulação

Os candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio...

Depois de cirurgia, Lea T. vai trocar documentos no Brasil

A modelo transexual brasileira Lea T. vai entrar com...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

Juventude negra, ciência e educação

Mesmo com os avanços já promovidos pela lei 12.711/2012, que nacionalizou o sistema de cotas nas universidades federais, o percentual da população brasileira com 25 anos...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...
-+=