Novos olhares sobre a diáspora africana

Na segunda matéria da série sobre os debates das edições passadas do fHist, a jornalista Cândida Canêdo reportou a mesa “África Brasil: Histórias da diáspora e da identidade negra” do 2º Festival de História, realizado em Diamantina em 2013.

Do  fHist

Reprodução/ fHist

“Enquanto os Leões não tiverem seus próprios historiadores, as histórias da caça sempre contarão a glória do caçador”. O professor da Universidade de São Paulo (USP), Kabengele Munanga, arqueólogo nascido e graduado no antigo Zaire, atual República Democrática do Congo, sorriso largo, voz firme e pausada, recorre ao provérbio africano em conversa, logo após sua palestra no fHist, para ilustrar o que acabara de afirmar: além de contar a história não contada dos negros do Brasil, a história já contada tem que ser revista.

O Brasil é o único país da diáspora africana que tem leis para garantir o estudo da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana nas escolas. Nas salas de aula, entretanto, sua prática está longe de ser uma realidade cotidiana e adequada. “Mas esse é mesmo o caminho da mudança, não vejo outro”, assinala o professor, que não minimiza as conquistas dos negros brasileiros nos últimos anos. Para que a Lei 10.639/2003 seja cumprida integralmente, é preciso que a historiografia inclua a versão dos negros, já que o olhar eurocêntrico educou os próprios educadores e está presente no imaginário coletivo desde as questões mais simples: o negro não veio da África, ele foi deportado; ele não influenciou a cultura brasileira, ele trouxe cultura e fez cultura junto com as demais etnias que formaram o nosso povo, explica.

Com 37 anos de Brasil, já naturalizado, pai e avô de brasileiros, Kabengele Munanga fala da diferença de quando aqui chegou e a palavra racismo era um tabu. “Hoje o Brasil é um país que assumiu o racismo, à sua maneira. Você não pode lutar contra um problema social que você nega, esse é o ponto de partida para as políticas afirmativas da igualdade racial”, afirma. O crescimento das narrativas que incluem o negro e sua visão de mundo como sujeitos da História do Brasil, e não como objeto ou vítima, é um passo transformador, para o qual já começa a contribuir outra conquista, que ele destaca: a Lei 12.711/2012, das cotas sócio-econômicas e raciais nas universidades.

“O ingresso dos negros nas universidades amplia o horizonte; eles já se interessam por temas que jamais foram pesquisados, levam seus orientadores brancos a fazerem isso e enriquecem as abordagens com experiências intransferíveis de suas vidas sob o racismo”, avalia. O antropólogo destaca que essas pesquisas exigem a valorização da oralidade como fonte. Afinal, a história não contada não foi escrita e o escrito é o registro, uma memória, conforme Munanga, que não pertencerá e nem interessará somente aos negros, mas a todos que formam a identidade nacional.

Hoje um ícone das causas do negro no Brasil e referência no meio acadêmico, Kabengele nasceu em 1942, no antigo Congo Belga, então colônia, filho de agricultores pobres e foi o primeiro antropólogo graduado em seu país, na Université Officielle Du Congo à Lubumbashi, em 1969. Foi fazer pós-graduações na Bélgica, onde viveu por três anos e teve seus dois primeiros filhos, mas não concluiu o doutorado por razões políticas. Eram tempos muito difíceis no Zaire e sua bolsa concedida pelo governo belga foi cassada, relata.

Surgiu então a oportunidade de vir para o Brasil, pelas mãos do professor Fernando Mourão, da USP, que havia conhecido em uma conferência. Aqui chegou em 1975, após a USP aprovar seu projeto e doutorou-se em Ciências Sociais, retornando ao Zaire, mas não ficou muito tempo. “Queria servir o meu país, mas tive que fugir”. Embarcou com a ajuda de amigos, um passaporte diplomático e a “desculpa” de participar de um congresso. Veio sozinho? “Sim, trouxe a mala e os diplomas e depois, em 1980, busquei meus filhos”. São dois belgas, dois congolenses e o caçula, Mulumba, brasileiro. Inicialmente, foi dar aulas no Rio Grande do Norte e depois ingressou na USP, radicando-se em São Paulo.

O mito da democracia racial

Ao lado da bela produção acadêmica que iniciou no Brasil, Munanga viveu o racismo velado, sob olhares que o estranhavam nos meios que frequentava. Seus filhos, estudando em escolas particulares, sofriam discriminações. “Eles voltavam da escola de ônibus com os colegas brancos e por diversas vezes eram revistados pela polícia”, conta, para defender que o problema não é apenas sócio-econômico, como advoga o mito da democracia racial. “É a geografia do corpo, a pele chega primeiro”, afirma.

A história da África e a história da diáspora se encaixam e se completam dialeticamente. A história da África estará incompleta se não incluir sua continuidade na diáspora a partir do tráfico negreiro nas Américas; e a história da diáspora será sem cabeça se a sua elaboração não partir das raízes africanas e dos acontecimentos históricos que a provocaram, sentencia o professor. Se essa é a correta inspiração da Lei 10.639/2003, nascida de reivindicação dos movimentos negros, tem sido um dos enormes desafios recontar a história.

Pesam positivamente, segundo o professor, esforços do Ministério da Educação, entidades e movimentos negros e dos centros de estudos Afro-brasileiros na conscientização e formação dos educadores. Paralelamente, começou-se a produzir novos livros e materiais didáticos, o que ainda está em andamento. Mas há livros muito bons, medíocres e alguns péssimos, alerta, já que “entraram em cena também os franco-atiradores, de olho nesse mercado”. Quanto às universidades, algumas introduziram o estudo da África ao menos na formação de historiadores, mas com dificuldades de encontrar mestres e doutores, e outras foram além, com pós-graduação. Há também cursos como psicologia e educação física que começaram a se preocupar com a questão étnica. É suficiente? “Não sei, a única certeza é o encadeamento de um processo que no passado existia em poucas instituições”, responde.

+ sobre o tema

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

para lembrar

Um terço dos candidatos do Enem 2015 já viram local de prova, diz Inep

Mais de 2,6 milhões de inscritos checaram cartão de...

EDUCAFRO e UNIPALMARES ingressarao no STF contra racismo de LOBATO

EDUCAFRO e UNIPALMARES ingressarão no STF contra racismo de...

Por uma formação integral

As instituições de ensino superior não devem servir apenas...
spot_imgspot_img

Termina hoje (14) prazo para inscrição no Enem

Termina hoje (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...
-+=