Nzinga Mbandi, Mulher, Negra, Guerreira

Enviado por / FontePor Lecco Franca

Nzinga Mbandi (1583-1663) foi uma rainha dos reinos do Ndongo e Matamba no século XVII no sudoeste da África. O seu título real na língua kimbundu, Ngola, foi o nome usado pelos portugueses para chamar aquela zona de Angola. Grande líder, diplomata habilidosa (que sabia falar português e, assim, negociar diretamente com os portugueses), Nzinga era filha de Nzinga Mbandi Ngola Kiluaje e Guenguela Cakombe. Ela viveu durante um período em que o tráfico de escravos do Atlântico e a consolidação do poder dos portugueses na região estavam a crescer rapidamente. Nzinga apareceu nos registros históricos como uma enviada de seu irmão, o Ngola Kia Mbandi, numa conferência de paz com o governador português de Luanda.

Manuel Pedro Pacavira em seu romance Nzinga Mbandi mostra a personalidade forte de Nzinga, aliada à beleza da personagem:

“Não devia ser mulher para se dar lá a essas fitas de puxar a cara, amarrar a testa, alçar os peitos, por o rabo a pino, e coisas outras dessas. Fatos há que nos levam a pensar que ela cresceu bela, carinha bonita, alegre, simpática, sendo o seu defeito: virar bicha-fera-ferida, caso que lhe violassem um direito”. (s/d, p.17)

A peça A Comida de Nzinga, encenada pela companhia do Axé do Teatro XVIII, direção de Rita Assemany, representa o nascimento de Nzinga, seu relacionamento com o pai e o irmão, e com a morte deles, ela assume o reino do Ndongo, já aos 42 anos. Enquanto que Pacavira em seu romance retoma a narrativa de Nzinga deste momento até a sua morte em 1663 aos 81 anos.

Referência:

FRANCO, Aninha. A Comida de Nzinga. Salvador: Teatro XVIII, 2006.

PACAVIRA, Manuel Pedro. Nzinga Mbandi. 3 ed. Angola: União dos Escritores Angolanos, s/d.

Materia original: NZINGA MBANDI, MULHER, NEGRA, GUERREIRA

 Foto em destaque: Reprodução  site Visão 

+ sobre o tema

Você ja ouviu Melvin Santhana? Então comece ouvindo o “Crespo da Rainha”

Melvin Santhana é cantor, compositor e multi-instrumentista. Brasileiro, natural de...

Hoje na História, 21 de março de 1960 acontecia o Massacre de Shaperville

21 de março é o Dia Internacional da Eliminação da Discriminação Racial,...

‘Olhos de Erê’: um filme sobre o universo de um menino quilombola

De origem iorubá, a palavra “erê” significa brincar. No...

para lembrar

Cone e Senac oferecem bolsas de estudo para Afro-descendentes

    A Secretaria Municipal de Participação e...

“Terças Crespas Presenciais”

Na segunda edição presencial de novembro, que acontecerá na...

Pesquisadora resgata história de quilombo dizimado por suíços em Casimiro de Abreu

Assunto foi tema da dissertação de mestrado de Renata...
spot_imgspot_img

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=