O arco-íris é verde-amarelo

Certamente não nos salvará, mas talvez chame a atenção para o fato de que existimos e que não vamos a lugar algum

Não é trivial que a Parada LGBTQIA+ de São Paulo tenha reunido milhões de pessoas vestindo as cores verde e amarelo. Fora a evidente importância de reivindicar para si os símbolos apropriados pela extrema direita bolsonarista, trata-se de uma estratégia política astuta em muitos outros sentidos correlatos. Do palco da Madonna em Copacabana, no Rio de Janeiro, para as ruas de São Paulo, o verde-amarelo foi lavado, no imagético político do país, do seu populismo excludente de antes.

Primeiro, o verde-amarelo sugere que, sim, nós, pessoas LGBTQIA+, pertencemos a este país que insiste em nos matar. Dados oficiais mostram que, em 2022, aumentaram em 54% os casos de homotransfobia enquadrados na lei de racismo no Brasil, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Os números coletados por organizações como Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais), Grupo Gay da Bahia e Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+ no Brasil reforçam a persistente violência, em especial contra a população trans.

Participantes da Parada LGBTQIA+, no domingo (2), na avenida Paulista, em São Paulo – Jardiel Carvalho/Folhapress – Folhapress

Segundo, ocupar a avenida Paulista com o verde-amarelo resgata a força das ruas. Ocupar as ruas, aliás, foi o grito principal do primeiro editorial da publicação LGBTQIA+ pioneira no país, o Lampião da Esquina, em 1978: “é preciso dizer não ao gueto e, em consequência, sair dele”, dizia o texto à época. Nos últimos anos tem aumentado a violência homotransfóbica em São Paulo ocorrida nas ruas, o que reforça a necessidade de ocupá-las.

Terceiro, o verde-amarelo ressalta, ademais, as contradições do país que, ao mesmo tempo em que se orgulha de sua diversidade, negligencia os direitos LGBTQIA+. O ato deste ano teve como lema “Basta de negligência e retrocesso no Legislativo”. É imoral que o Congresso Nacional nunca tenha adotado uma lei sequer para proteger a nós, LGBTQIA+. O verde-amarelo não nos salvará, como não nos salva o país a que ele alude, mas talvez chame a atenção para o fato de que existimos e que não vamos a lugar algum.

+ sobre o tema

Uma pantera afro-zen caminha entre nós

Angela Davis, uma pantera afro-zen que caminha entre nós Por...

Liberdade, liberdade… Racismo algorítmico no Brasil

"Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós, e que...

Na disputa da PM baiana com Igor Kannário, quem sofre são os jovens negros

O carnaval de Salvador vem registrando desde 2012 uma...

para lembrar

Eu Pareço suspeito?

A campanha "Eu Pareço Suspeito?" é um instrumento...

Terreiro de candomblé é depredado em Valparaíso, Goiás

A Fundação Cultural Palmares recebeu mais uma denúncia de...

USP fecha cerco contra negros; Uerj e Unicamp defendem inclusão

Estudos realizados pela Universidade do Estado do Rio...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=