Racismo ambiental põe em risco práticas religiosas de matrizes africanas

Entrelaçados, racismo ambiental e intolerância religiosa contribuem para a marginalização e a vulnerabilidade

A sociedade já sabe que a crise climática afeta a todas as pessoas, mas precisamos aprofundar nosso entendimento sobre a maneira racista pela qual ela atinge comunidades, quilombos, favelas, periferias e aldeias: é a população afrodescendente que enfrenta seus piores efeitos, apesar de pouco ter contribuído para causá-la. E as práticas discriminatórias baseadas em raça e gênero, as normas socioculturais e as leis geram impactos desproporcionais nas mulheres e crianças afrodescendentes.

Nesse sentido, estamos representando Geledés – Instituto da Mulher Negra em Bonn, na Alemanha, na SB60, a Conferência do Clima da ONU, acompanhando as negociações e apresentando propostas para que as economias globais enfrentem os problemas das desigualdades sociais, do racismo sistêmico, das injustiças de gênero e da degradação ambiental nos territórios vulnerabilizados. No Brasil, estamos vivenciando uma das piores tragédias climáticas, as enchentes no Rio Grande do Sul, o que seria um motivo suficiente para que o Estado brasileiro liderasse as discussões sobre o tema, embora para isso tivesse que abandonar a equivocada ideia de seguir explorando petróleo.

Aqui ressaltamos um aspecto importante, mas menos explorado, deste tema: o racismo ambiental e a intolerância em relação às práticas religiosas, embora manifestem-se de maneiras distintas, estão profundamente entrelaçados, contribuindo conjuntamente para a marginalização e a vulnerabilidade de comunidades afrodescendentes e de religiões de matriz africana.

Essa dupla opressão não só ameaça a integridade física das comunidades, mas também mina suas tradições culturais e espirituais. A intolerância em relação às práticas religiosas de matriz africana impacta severamente as comunidades de terreiro: suas práticas culturais e espirituais são constantemente alvos de discriminação. Esses espaços sagrados, onde se preservam e se celebram as religiões de matriz africana, muitas vezes estão situados em áreas vulneráveis a desastres ambientais.

A degradação ambiental, portanto, pode levar à destruição de terreiros, locais sagrados e plantas medicinais essenciais para os rituais religiosos, resultando em perdas culturais e espirituais irreparáveis. Sua localização em zonas de risco não é acidental, mas um reflexo das políticas urbanas e ambientais que ignoram ou deliberadamente prejudicam essas comunidades, reforçando a exclusão histórica e sistêmica que sofrem.

Políticas públicas devem ser formuladas e implementadas com um entendimento profundo das interseções entre essas formas de discriminação, garantindo a proteção dos direitos territoriais, culturais e espirituais das comunidades afrodescendentes e de religião de matriz africana. Isso inclui a promoção de diálogos inclusivos, a proteção de territórios sagrados e a valorização de conhecimentos tradicionais na construção de soluções sustentáveis e equitativas para a crise climática.


Mariana Belmont – Jornalista e assessora de Clima e Racismo Ambiental de Geledés – Instituto da Mulher Negra, faz parte do conselho da Nuestra América Verde e da Rede por Adaptação Antirracista

Leticia Leobet – Socióloga e assessora internacional de Geledés – Instituto da Mulher Negra.

+ sobre o tema

Peemedebista diz que Barbosa agiu como “preto”

Kid Neto, ex-secretário Geral do PMDB goiano, se...

Septuagenária usa grafiti para combater o racismo e o nazismo

Irmela Schramm é uma professora reformada de 70 anos,...

Lucas pediu ao PM: “Não precisa me matar, senhor”

O Estado, os governos, os políticos e a polícia, o que...

Após comentários racistas, dono dos Clippers é banido pela NBA

Jornal GGN – Pouco tempo depois de virem à...

para lembrar

Investimento e prioridade

Todos os anos, o Dia da Consciência Negra marca...

Racismo: PM coloca o dedo na ferida

Fonte: Diário de Pernambuco - Em pleno carnaval de 2006,...

Televisão em Cores? Raça e sexo nas telenovelas “Globais” (1984-2014)

Desde sua popularização, as novelas da Rede Globo de...

Locutor Milton Dinho morto pela PM realizava ações sociais e era militante da Unegro

O locutor Milton Dinho, morto pela Polícia Militar em...
spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=