O Brasil e o Mito da Caverna

Metáfora criada pelo filósofo grego pode ser entendida como uma crítica a quem aceita tudo

Parte significativa da sociedade brasileira parece ter sido capturada pelo obscurantismo de maneira que a indolência tem conseguido se sobrepor à busca pela verdade. Por mais aterrorizantes, contundentes e ameaçadores que sejam os fatos e as declarações, na maioria das vezes a retórica e a apatia têm prevalecido diante de versões e desmentidos que não se sustentam nem se justificam.

Coisa que lembra —e reveste de atualidade perturbadora— um dos textos filosóficos mais conhecidos da humanidade: O Mito da Caverna ou a Caverna de Platão. A metáfora criada pelo filósofo grego pode ser entendida como uma crítica a quem aceita tudo o que é posto pelo grupo dominante sem questionar a realidade. A filosofia, segundo autores clássicos, é o “amor pela sabedoria, experimentado apenas pelo ser humano consciente de sua própria ignorância”.

Considerando que a verdade muitas vezes é dolorosa, até dá para entender certos comportamentos das massas num ambiente dominado pela pós-verdade. O que não dá é para aceitar placidamente o apoio e a complacência de algumas instituições e de setores ditos esclarecidos. Temos acompanhado a falta de compromisso público com direitos constitucionais como a vida, a saúde, a educação, a cultura, a alimentação, a segurança, a moradia —que vêm sendo tratados sem a devida diligência.

O que dizer das acusações infundadas acerca da higidez do processo eletrônico de votação? Das contestações sem embasamento científico para desacreditar as vacinas em plena pandemia? Ou da intolerância religiosa, das violações ao meio ambiente, da violência exacerbada, da insensibilidade em relação aos milhares que morreram de Covid-19, da indiferença com a fome, do descaso com o racismo?

O brasileiro está diante da oportunidade de deixar a caverna. Resta saber se por medo, indiferença, egoísmo, preconceito ou ignorância (tal qual os prisioneiros do Mito de Platão) vai optar por permanecer nas sombras.

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Oxfam: Brasil é um caso de sucesso na redução da desigualdade

Sugerido por robson_lopes Trechos dos artigos: Felizmente, a...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

O que é fascismo?

De 1964 a 2022, a palavra "fascista" foi usada...

para lembrar

Aula Pública: Racismo e Violência contra população negra

Aula Pública: Racismo e Violência contra população negra Superar o...

2 minutos para entender – Desigualdade Racial no Brasil

Do Super A cada 12 minutos um negro é assassinado...

Curso Racismo e Seus Afetos, com a escritora Ana Maria Gonçalves

A escritora mineira radicada na Bahia, Ana Maria Gonçalves,...

A mulatice intelectual e o racismo no Brasil

Um dos maiores entraves para a erradicação do racismo...

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=