Xenofobia e o Nordeste

Aos poucos, preconceito foi se deslocando do espectro cultural para o político

Vivi para ver São Paulo e Rio de Janeiro falarem “oxe” e “oxente”. Há 20 anos, quando saí de Recife e cheguei à capital paulista, os termos pejorativos em relação aos nordestinos eram praticados a rodo. Todo mundo tinha uma forma depreciativa de chamar o nordestino: era “baiano”, “paraíba”…

Nordestinos e seus filhos não podiam se afirmar positivamente; eu mesma tive o meu sotaque vilipendiado por uma falsa ideia de que as pessoas não conseguiam entender o que estava falando. Engraçado que nunca vi o mesmo acontecer com um “gringo”.

Conforme isso acontecia, pude observar que as heranças italiana, japonesa e judaica eram ostentadas de forma a mostrar superioridade quanto à minha “nordestinidade”. Isso não mudou tanto, mas, sim, houve um deslocamento. Hoje é possível ver muita gente de São Paulo falando “oxe”, “oxente”, muito “de boa” em um restaurante nordestino comendo carne seca (charque) e, por que não, votando em um presidente nordestino, filho do sertão pernambucano, que foi objetivamente quem trouxe, recentemente, o Nordeste para um lugar de positividade.

Eu vi o maracatu entrar em São Paulo, da mesma forma que vejo a expansão das festas juninas e do forró num formato menos estereotipado. A discriminação e a xenofobia contra os nordestinos já foi mais massiva; hoje ela é mais facilmente localizada após seu movimento do espectro cultural para o político, numa dinâmica que se retroalimenta: da cultura/sociabilidade para a política/institucionalidade.

Infelizmente, a xenofobia é reintroduzida a cada ano eleitoral, evidenciando a posição política de quem a pratica. Há muitos fatores históricos e econômicos que ajudam a compreender a geografia do poder político no Brasil. Numa breve análise, penso na substituição da influência política e econômica do Nordeste —cana-de-açúcar e cacau— pela “República do café com leite”, concentrada no Sudeste do país, e nos consequentes fluxos migratórios, intensificados na década de 1970 pela fuga da seca na região.

Penso, também, na galeria de presidentes nordestinos da história do Brasil —Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Epitácio Pessoa, Aurélio Tavares, Café Filho, José Linhares, Castelo Branco, José Sarney, Fernando Collor— e no fato de todos serem filhos da oligarquia política nordestina, branca e rica. Esses nordestinos foram “possíveis”, sem xenofobia.

O que está em questão aqui são as distinções de raça e classe —além de gênero, obviamente: não há uma única mulher citada acima. As oligarquias nordestinas se assentam no poder sem embaraços, mas Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é exatamente a pessoa que traz consigo o nordestino sertanejo de origem afroindígena. E aí, parece, já é demais.

+ sobre o tema

Nath Finanças: Pequenas economias do dia a dia que fazem diferença no fim do mês

Esqueceu de descongelar a comida e ficou com vontade...

Comércio entre Brasil e África cresce 416% em 10 anos

  Os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio...

Gay pode colocar parceiro como dependente no IR

Receita Federal aprovou parecer com origem em pedido...

Estudo mostra que pais podem ajudar a criar pequenos narcisistas

Se você acha que seu filho é ‘mais especial’...

para lembrar

Artilheiro da França não canta o hino do país em protesto contra xenofobia

Na primeira vez que a Marselhesa foi entoada na...

Repórter que chutou refugiados sírios diz que não vai pedir desculpas

Repórter húngara da "N1", rede de televisão de extrema-direita,...

Diretora de abrigo para imigrantes causa indignação com e-mails racistas

Berlim rescinde contrato com operadora de lar para migrantes,...

Rivais em campo, mas unidos contra a extrema direita

Em tempos de xenofobia, populismo e antissemitismo em alta,...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) denunciou um episódio de xenofobia e racismo dentro da Casa do Estudante Universitário (CEU), uma moradia estudantil mantida...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...
-+=