O Brasil por trás da aquarela

Quando Daniele de Araújo descobriu, há seis anos, que estava grávida, saiu decidida de sua pequena casa, numa rua de terra batida na Baixada Fluminense, morro acima. A trilha íngreme e verdejante que começa perto de onde ela mora não é longa, mas a área é controlada por traficantes de drogas, e, por isso, Daniele estava ansiosa enquanto caminhava. Mas Daniele precisava pedir algo muito importante a Deus, e ela queria estar num lugar que sentisse ser apropriado para a magnitude de seu pedido.

por Publicado no The Globeand Mail. por Stephanie Nolen 

Leia mais reportagens de Stephanie Nolen sobre como a raça e o racismo são discutidos, abordados e vivenciados em um dos países mais diversos do mundo.

Ela disse a Deus que queria uma menina, e que ela fosse saudável, mas ainda havia o pedido mais importante de todos: “O bebê tem que ser branco.”

Daniele conhece os efeitos quixotescos da genética: ela tem uma mãe branca e um pai negro, irmãs que passam por brancas, e um irmão de pele quase tão escura quanto a dela – “Eu sou muito preta”, diz ela. Seu marido, Jonatas dos Praseres, também tem um pai negro e uma mãe branca, mas sua pele é clara – quando ele passou pelo serviço militar obrigatório, um oficial escreveu “branco” nos documentos oficiais.

Para ler esta reportagem completa, clique aqui

 

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

O mal-estar da masculinidade negra contemporânea

“O problema do negro na América é o problema...

A difícil jornada de se declarar preta

Era 1983, em Brasília (DF), uma mãe preta leva...

Grupo de Estudos – Tema: Colorismo

Grupo de Estudos promovido pelo Coletivo de Negras e...

A cor e a raça nos censos demográficos nacionais

Branco, preto, pardo, amarelo e indígena. Essas são as...
spot_imgspot_img

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

O preço de pegar a contramão da história

O Brasil não é um país de iguais. Aqui tem pacto da branquitude, privilégio branco, colorismo, racismo, machismo e meritocracia aplicada de maneira assimétrica. Tudo...
-+=