“O corpo é a ferramenta visual da música”, diz a cantora sergipana Héloa

A musicalidade de Héloa vem do berço. Filha de músico, a sergipana oriunda de Aracaju descobriu a vocação de cantora ainda na antessala da adolescência, aos 13 anos. Fortemente influenciada pelo pai, decidiu, com uma obstinação um tanto quanto precoce para a idade, que acompanharia os passos musicais dele. No entanto, atribuir a influência artística da cantora somente a figura paterna seria uma imprecisão mnemônica. Para ela, a mãe e a avó, figuras que gosta de caracterizar como “profundamente musicais”, também a incentivaram a trilhar as quase sempre sinuosas veredas da carreira de artista.

“Sempre fui muito incentivada a estudar as diversas vertentes das artes”, diz a intérprete, que já traz um EP e um disco cheio no currículo, em entrevista exclusiva ao Sobe o Som. “Comecei a estudar canto lírico quando tinha 13 anos por influência deles [os familiares], e foi aí que me descobri como cantora.”

Além do canto lírico, Héloa também procurou dar vazão ao comichão criativo através de outras expressões – como a dança, o balé e o teatro. Estudando simultaneamente as quatro linguagens artísticas, ela foi aos poucos percebendo que a música era aquela que mais fazia chamejar a inquietude solta dentro do peito.

“[A música] foi o que me arrebatou mais, mas sempre procuro trabalhar sobre o palco todas essas expressões concomitantemente”, declara, ressaltando ainda a importância de conciliar as quatro vertentes artísticas durante as performances dela. “O palco é o momento em que eu posso mostrar essa minha continuidade como artista. Meu trabalho musical depende muito do estético e visual. Sobre o palco, trabalho a ideia do corpo como ferramenta visual da música.”

Pensando na urgência de explorar o próprio corpo como instrumento visual da sua música, Héloa percebeu que radicar-se em São Paulo era uma necessidade inadiável. Depois da tímida primeira incursão musical com o EP Solta (2013) – um modesto trabalho de formação, que a cantora define através dos adjetivos “verborrágico e ansioso” –, a sergipana mudou-se para a capital paulista a convite do produtor Daniel Groove para conceber o debute cheio da carreira, Eu (2016). Embora tenha o mesmo título do primeiro e único livro do poeta Augusto dos Anjos, o LP de Héloa se distancia do pessimismo fatalista, por vezes escatológico, do escritor paraibano. Todavia, ambos se aproximam no que diz respeito à temática da eterna procura por uma identidade pessoal, uma imersão em si mesmo em busca do nosso “eu” orgânico.

+ sobre o tema

Além de linda, Beyoncé é a mulher negra mais bem paga da história da música!

Além de linda, Beyoncé é a mulher negra mais...

Salvar vidas e garantir direitos da população negra

São diversos os posicionamentos e manifestos propondo saídas e...

Quilombos no ES: Retrocesso com nome sobrenome

Manaira Medeiros Os deputados estaduais Eustáquio de Freitas (PSB)...

Spike Lee é tema de mostra de cinema em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília

"Acorde! O Cinema de Spike Lee" é uma realização...

para lembrar

Para escritora nigeriana, a África é mal compreendida pelo Ocidente

As pessoas costumam ter pena do continente e olham...

Filme sobre Sabotage revive a obra do Maestro do Canão

Documentário tem pré-estreia marcada para os dia 23 e...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=