O Itamaraty está baixando o nível. Mandaram além de mulher uma negrinha….

Benedita Gouveia Damasceno Simonetti que  é professora, mestra em Literatura pela Universidade de Brasília e autora do livro “A Literatura Negra no Modernismo Brasileiro” fala de racismo: Vou contar aqui uma história que nunca contei, porque até hoje me faz mal:

Postado em 04/02/2015 às 12:02 por Arísia Barros em Cada Minuto

“Em 1983, o Itamaraty decidiu pela minha transferência da Embaixada do Brasil em Lagos para a Embaixada do Brasil em Roma, nomeando-me como Diretora do Centro de Estudos Brasileiros. Lá chegando, fui recebida com grande hostilidade por parte dos funcionários daquele centro. Ninguém dizia nada, mas a hostilidade era tão visível a ponto de poder ser talhada com uma faca. Só não conseguia perceber por que.

Poucos dias depois, uma das pessoas que trabalha no Centro de Estudos , um brasileiro que dava aulas de violão, e ao qual eu pedira para remover suas coisas, depositadas em uma sala que queria transformar em minha sala de trabalho, sentou-se na minha frente e me disse:

– todo mundo está dizendo, inclusive o ex-diretor, que sua vinda para cá é um erro. E eu estou de acordo porque “negrinha” (grifo dele e meu) igual você eu já comi muitas, mas foi na cozinha”.

Abri e fechei a boca duas vezes, respirei fundo e respondi:

– posso ou não concordar com sua opinião, mas a partir deste momento este Centro de Estudo não precisa mais de seu trabalho. Pode pegar suas coisas e sair.

Dali fui até o Embaixador para relatar o sucedido e ele me respondeu: que absurdo, Dona Benedita. Mande este rapaz embora – E eu: já mandei e vim aqui para lhe comunicar o ocorrido.

Dois dias depois o rapaz voltou, arrancou-me das mãos o telefone, agarrou meus braços que ficaram todos arranhados com suas longas unhas, quebrou meu dedo, que continua quebrado até hoje e aos berros me arrastou até o saguão do CEB aos gritos de “- sai daqui, aqui não é lugar de negro – Lugar de negro é na cozinha”.. e outros elogios equivalentes. Todos os alunos saíram das salas de aula e ficaram ali assistindo ao espetáculo.

Olhei para a Secretária e lhe pedi para chamar a polícia. A polícia chegou, colocou todos dois no camburão e levou para a delegacia. Chegando lá, a primeira pergunta que o Delegado me fez foi se eu era bailarina. Era no tempo em que o Oba-Oba fazia o maior sucesso em Roma. Suas bailarinas iam lá dançar e por lá ficavam, em situação tão dúbia que bailarina em Roma tinha virado sinônimo de prostituta. Assim, creio que o delegado pensou que era briga de gigolô cm sua protegida, o que de certo modo até me envaideceu, visto que eu nunca tive físico de “bailarina” já que sempre fui gordinha. Sem falar italiano, estendi-lhe o meu passaporte diplomático e então ele me disse que nada poderia fazer porque o fato acontecera entre brasileiros dentro da Embaixada do Brasil que era, evidentemente, território brasileiro. Embaixada que, embora sabedora do fato  relatado pelos funcionários do CEB, não mandou ninguém à delegacia me dar apoio, muito embora eu portasse um passaporte diplomático.

Voltei para casa e telefonei para o Departamento Cultural do Itamaraty, cujo Chefe, o Embaixador Alberto da Costa e Silva, havia me designado para servir em Roma. mas eu chorava tanto que nem conseguia contar a história direito. Só depois que tomei um copo de água com açúcar e esperei um pouco, foi que pude relatar o fato. Naquele momento eu só queria que ele mandasse a minha transferência, não queria mais ficar em Roma…O Embaixador Costa e Silva deve ter falado com a Embaixada em Roma, porque no dia seguinte, quando cheguei, vieram todos, o Embaixador, o Ministro, outros diplomatas, outras colegas, falar comigo. Fui fria, apenas disse-lhes para não se preocuparam porque estava tudo sob controle.

Um aluno do CEB, que ali estudava português e assistira a tudo, descobriu que o Sr. Zigurd não tinha visto de permanência na Itália e conseguiu a expulsão dele, já que a Embaixada mesma não fez nada. Dias depois a Secretária Eliana convidou-me para almoçar. E me disse que não se surpreendeu muito com o não-envolvimento da Embaixada, porque antes que eu chegasse, os comentários entre os diplomatas do Posto era: “O Itamaraty está baixando o nível. Mandaram para dirigir o Centro de Estudos, além de mulher uma negrinha”….

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Consul do Haiti :Todo lugar que tem africano lá tá f…

A diplomacia do preconceito, da intolerância e do racismo   E...

Racismo de John Mayer

John Mayer usou o Twitter para se desculpar...

‘Prefiro que a loira me atenda’, diz cliente a atendente negra em restaurante

Após ser atendida pela funcionária branca e de cabelos...
spot_imgspot_img

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...
-+=