O matriarcado da miséria, por Sueli Carneiro

De 01 a 03 de setembro, reuniram-se na cidade do Rio de Janeiro, 13 organizações de mulheres negras brasileiras para deliberarem sobre a participação das mulheres negras na III Conferência Mundial contra o Racismo, Xenofobia e formas Correlatas de Intolerância a se realizar no final de agosto de 2001 na África do Sul. Desta reunião nacional, organizada pelas ONGs Geledés Instituto da Mulher Negra de São Paulo, Criola, do Rio de Janeiro e Maria Mulher do Rio Grande do Sul, resultou uma declaração pró Conferência de Racismo que configura, o matriarcado da miséria que caracteriza as condições de vida das mulheres negras no Brasil.

Por Sueli Carneiro

Nesta declaração constata-se que a conjugação do racismo e o sexismo produzem sobre as mulheres negras uma espécie de asfixia social com desdobramentos negativos sobre todas as dimensões da vida. Esses se manifestam em seqüelas emocionais com danos à saúde mental e rebaixamento da auto-estima; numa expectativa de vida menor, em 5 anos, em relação a das mulheres brancas; num menor índice de nupcialidade; e sobretudo no confinamento nas ocupações de menor prestígio e remuneração.

No mercado de trabalho, o resultado concreto dessa exclusão se expressa no perfil da mão de obra feminina negra. Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho/ Ministério da Justiça na publicação Brasil, gênero e raça, “as mulheres negras ocupadas em atividades manuais perfazem um total de 79,4%”. Destas, 51% estão alocadas no emprego doméstico e 28,4% são lavadeiras, passadeiras, cozinheiras, serventes.

De acordo com a declaração das organizações de mulheres negras brasileiras o “trabalho doméstico ainda é, desde a escravidão negra no Brasil, o lugar que a sociedade racista destinou como ocupação prioritária das mulheres negras. Nele, ainda são relativamente poucos os ganhos trabalhistas e as relações se caracterizam pelo servilismo. Em muitos lugares, as formas de recrutamento são predominantemente neo-escravistas, em que meninas são trazidas do meio rural, sob encomenda, e submetidas á condições sub humanas no espaço doméstico”.

No ano passado, o DIEESE em parceria com o INSPIR – Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial – realizaram um outro estudo amplamente divulgado o Mapa da População Negra no Mercado de Trabalho que oferece os seguintes dados: em Salvador por exemplo, uma das cidades de maior concentração de população negra do Brasil, a taxa de desemprego da população economicamente ativa está assim distribuída: entre as mulheres negras é da ordem 27,6% contra 24,0% para os homens negros, 20,3% para as mulheres brancas e 15,2% para os homens brancos. Em São Paulo, as taxas de desemprego encontradas foram de 25% para as mulheres negras, 20,9% para os homens negros, 19,2% para as mulheres brancas e 13,8% para os homens brancos.

Quando empregadas, as mulheres negras ganham em média metade do que ganham as mulheres brancas e 4 vezes menos do que ganham os homens brancos. As mesmas fontes governamentais já citadas, demonstram o tamanho das desigualdades. O rendimento médio nacional entre negros e brancos em salários mínimos assim se distribuem: homem branco 6,3 SM; mulher branca 3,6 SM; homem negro 2,9 SM; mulher negra 1,7 SM.

As mulheres negras brasileiras compõem em grande parte, o contigente de trabalhadores em postos de trabalho considerados pelos especialistas como os mais vulneráveis do mercado de trabalho ou sejam, os trabalhadores sem carteira assinada, os autônomos, os trabalhadores familiares e os empregados domésticos.

A Constituição de 1988 no capítulo II, artigo 7, inciso XX prevê a “proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei”.

O artigo 32 da Declaração de Beijing afirma a necessidade de “intensificar os esforços para garantir o desfrute em condições de igualdade , de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais a todas as mulheres e meninas que enfrentam múltiplas barreiras á expansão de seu papel e a seu avanço devido a fatores como raça, idade, origem étnica, cultural, religião…”

Em 20 de novembro de 1995, data do tricentenário da morte de Zumbi dos Palmares, os negros brasileiros realizaram em Brasília, a Marcha Zumbi dos Palmares, Contra o Racismo, pela Cidadania e pela vida. O presidente Fernando Henrique Cardoso ao receber da coordenação executiva da marcha o documento com as reivindicações da população negra para a promoção da igualdade racial, afirmou que o ápice da exclusão social no Brasil, poderia ser retratado por uma mulher negra, chefe de família das regiões do norte ou nordeste do país.

A expressão matriarcado da miséria, foi cunhada pelo poeta negro e nordestino Arnaldo Xavier para designar a experiência histórica das mulheres negras brasileiras na sociedade brasileira marcada pela exclusão, discriminação e rejeição social e a despeito dessas condições, o seu papel de resistência e liderança de suas comunidades miseráveis.

Os indicadores sociais disponíveis continuam ratificando a fala do presidente, e essas mulheres continuam esperando que medidas concretas sejam implementadas, para reverter esse matriarcado da miséria.

+ sobre o tema

Fábulas, por Sueli Carneiro

Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Era uma vez...

Negros de pele clara por Sueli Carneiro

Vários veículos de imprensa publicaram com destaque fotos dos...

A Dor da Cor, por Sueli Carneiro

Um dos aspectos mais surpreendentes de nossa sociedade é...

Primeiro Emprego

Recentemente o jornal O Estado de São Paulo publicou...

para lembrar

12/05 – Sueli Carneiro e Cuti autografam seus livros na Livraria Martins Fontes

A Selo Negro Edições e a Livraria Martins Fontes...

Eu tenho medo, por Sueli Carneiro

Eu tenho medo, por Sueli Carneiro. Estou com Regina Duarte....

Genebra, por Sueli Carneiro

"As vítimas do racismo, da discriminação racial,da xenofobia e...

O Brasil e os direitos humanos

A nomeação, pelo secretário das Nações Unidas, Kofi Annan,...
spot_imgspot_img

Geledés Instituto da Mulher Negra lança livro e documentário Projeto Rappers – A Primeira Casa do Hip Hop Brasileiro – História e Legado, narrando...

Com prefácio de Sueli Carneiro e autoria de Clodoaldo Arruda, MC Sharylaine e Jaqueline Lima Santos, livro tem evento de lançamento com debates e...

Do Início ao Reconhecimento: A trajetória do Portal Geledés

Em 1988, tomei conhecimento do Geledés no Tribunal Winnie Mandela e iniciei minha contribuição para a organização em 1990, na área de comunicação. Em...

A 25ª. Festa Literária da USP está imperdível; Geledés indica algumas obras

Se você adora ler e ainda não foi à 25 ª Festa do Livro da USP, que é um dos maiores eventos literários do...
-+=