O Movimento Negro e jornalistas repudiam o senador Demóstenes Torres e Demétrio Magnoli

O sociólogo-mercenário Demétrio Magnoli, em artigo, acusou os Jornalistas da Folha de SP, Laura Capriglione e Lucas Ferraz, de atuarem na “linha da delinqüência”, intimidando os mesmos, por reportagem em que se posicionam contra criticamente ao pronunciamento do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), no STF, contra as cotas.

O referido Senador reafirmando o que já se tornou tradicional, entre muitos de seus companheiros, inclusive o Senador do PT-RR, sua predileção pelo reacionarismo direitista, pro ruralistas e contra as reivindicações populares, disse que os africanos foram os responsáveis pela escravidão e justificou a violência sexual sofrida por mulheres negras, como permitida pelas mesmas. Discursou o Senador: “(Fala-se que) as negras foram estupradas no Brasil. [Fala-se que] a miscigenação deu-se no Brasil pelo estupro. (Fala-se que) foi algo forçado. Gilberto Freyre, que é hoje renegado, mostra que isso se deu de forma muito mais consensual.”

A Cojira-RJ – Comissão Nacional de Jornalistas pela Igualdade Racial do Rio de Janeiro, afiliada a Federação Nacional de Jornalistas, através de sua Coordenação carioca, Angélica Basthi, Miro Nunes e Sandra Martins, denunciam e repudiam, através de um manifesto os “…muitos veículos de comunicação, inspirados nos “ideólogos do medo”, que não veiculam publicamente que: “Os profissionais de comunicação enfrentam agora o desafio de investigar a realidade étnico-racial do país e revelar os efeitos de processos racistas históricos e estruturantes que impedem a inserção de negros e negras no ambiente universitário.” Reivindicando também: “A sociedade brasileira exige informação qualificada sobre o assunto…” Seguidos por uma enxurrada de repudio de entidades do Movimento Negro brasileiro.

Essas práticas do senador, do sociólogo-mercenário – e da imprensa a serviço das elites brancas e racistas, frente ao processo da audiência no STF, demonstraram muito mais. O grupo Globo, depois de ter acertado o preço para o anuncio com o jornalista Fernando Conceição, coordenador da Campanha Afirme-se! – Pela manutenção no STF das Políticas de Ação Afirmativas, voltou atrás, inflacionando o preço do anuncio em 1300%, dos R$ 54.163,20 negociados inicialmente, para R$ 712.608,00, como censura econômica, em recusa a veiculação, sob argumento de que o conteúdo era editorial, de expressão de opinião, não se tratando de peça publicitária.

A Organização Brasileira de Afrodescendentes (OBÁ) e o Fórum Afro da Amazônia (FORAFRO) acabam de ”…expressar a sua solidariedade ao senador afro descendente Demóstenes Torres” , repudiando ..” as manifestações de desrespeito à pluralidade de idéias dentro da comunidade afrodescendente.” Só faltou o apoio do Movimento Negro Socialista, do Miranda. Não nos esqueçamos que os integralistas, da velha organização fascista tupiniquim de Plínio Salgado, já tinham entre seus membros “os morenos”.

Que diabo é afro descendente, é de comer? Ao contrario do desejo de muitos, de afastamento da origem africana, o MNU persiste na apropriação das nossas origens e referencias africanos, reafirmando-as, para com isso, organizar negras e negros na luta contra o racismo estrutural e estruturante de poder das elites brancas e de seus subservientes, intelectuais e mestiços.

Estes fatos que comprovam o que vimos afirmando a algum tempo, a direita se articula, no parlamento, na mídia, na academia e nos quartéis, fazendo da manutenção do racismo a ultima trincheira em defesa de seu projeto político entreguista e neo-liberal, de super exploração dos negros e do povo brasileiro. Enquanto isso, tem gente querendo enganar o povo com um inócuo e eleitoreiro estatuto da igualdade racial, com falsas estatísticas sobre a titulação de terras quilombolas, com manobras legais para não implementação da lei 10.639.

A suspensão pela casa civil da Plano Nacional em defesa da religiosidade afro, a pedido de deputados evangélicos, assim como, a paralisação do processo de titulação da Comunidade Quilombola Invernada dos Negros de Santa Catarina, a pedido do deputado ruralista, também da base governista, o Valdir Collato do PMDB-SC, e a crescente brutalidade policial contra jovens negros em todo o pais, mas especialmente no estado da Bahia, são o expressão dessa guerra não declarada, surda e suja, da direita, que consideram os negros inimigos da nação, com a conivência dos governos do PT. O Senador é mais um tendencioso marqueteiro dos interesses das elites reacionárias, dos ruralistas e das elites ultra-direitistas, como o Magnoli. Neste 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação do Racismo, devemos mobilizar o povo, e dar combate a todos eles. 16/03/10.

Reginaldo Bispo – Coordenador Nacional de Organização do MNU.

Fonte: Lista de Discriminação Racial

+ sobre o tema

Constantino e Reinaldo emburrecem o país

Colunista do Globo, Miriam Leitão publica importante artigo sobre...

Especialistas avaliam que há racismo na produção audiovisual

Convencionou-se chamar de negros a soma dos grupos populacionais...

Revistas excluem adolescentes negras: ‘Estou no Brasil, mas me sinto na Rússia’

A pedido da BBC Brasil, a estudante de Jornalismo...

A Negação do Brasil – O negro nas telenovelas brasileiras

O documentário é uma viagem na história da telenovela...

para lembrar

Ministério Público solta nota de repúdio contra Reinaldo Azevedo

Associação Paulista do Ministério Público, entidade que representa promotores...

Com protagonistas de escândalos, Câmara aprova texto-base do novo rito para direito de resposta

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta terça-feira...

Sidney Resende: ‘A Globo não é dona do Brasil’, protesta âncora demitido sem adeus

O jornalista Sidney Rezende, 57 anos, falou pela primeira...
spot_imgspot_img

Portal Geledés recebe prêmio como imprensa negra brasileira

O que faz uma organização ser reconhecida como um canal de comunicação de destaque? Esta questão tem ocupado o pensamento da equipe do Portal...

Seletividade política apagou existência de afro-gaúchos e indígenas no RS

O dia 20 de setembro é a data mais importante do calendário cívico sul-rio-grandense. Ela faz alusão ao início da guerra civil que assolou...

Mvúka: Futuros Diversos através das vivências Negras

A ideia de uma realidade diversa de futuro para o povo negro brasileiro, se constrói a partir da interpretação crítica do passado e das...
-+=