O pedido de ‘desculpa’ de Lilian Witte Fibe ao filho de Lula

Lilian Witte Fibe pede ‘desculpa’ por noticiar (e comemorar) falsa informação sobre o filho de Lula. Retratação da jornalista, no entanto, não convenceu internautas. No início da semana, o ator Tonico Pereira, da TV Globo, havia cobrado explicações de Witte FibeDo Pragmatismo Politico

No último fim de semana, o jornal O Globo pediu desculpaspor noticiar a informação de que o lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, disse em sua delação premiada ter destinado R$ 2 milhões a Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula. O responsável por publicar a mentira foi o colunista Lauro Jardim, recém-demitido da revista Veja.

“A coluna errou ao publicar essa informação no dia 11 de outubro. No texto, afirmou-se que constava da delação de Baiano um relato em que ele dizia ter gastado R$ 2 milhões para pagar despesas pessoais de Lulinha. Baiano não mencionou Lulinha e, pelo nome, não apontou qualquer familiar de Lula como beneficiário de dinheiro desviado da Petrobras”, publicou o colunista.

Depois da retratação do jornal, o ator Tonico Pereira, 67 anos, da TV Globo, usou o seu perfil no Facebook (ver abaixo) para cobrar explicações de Lillian Witte Fibe, jornalista que participa do quadro ‘Meninas do Jô’ e que também noticiou a falsa informação sobre o filho do ex-presidente metalúrgico. Na ocasião, Witte Fibe falou sobre o episódio em tom de comemoração e escreveu uma nota ‘indignada’ contra Lula e o seu filho.

“Você também vai pedir desculpas ao filho do Lula?”, questionou Tonico. “Será que no próximo ‘Programa do Jô’, no quadro ‘As Meninas do Jô’, a senhora Witte Fibe vai admitir que errou?”, completou.

“Desculpa!”

Pressionada nas redes sociais, a jornalista publicou no Twitter um pedido de “desculpas” que não convenceu os seus seguidores.

“Correção importante. Delator da Lava Jato não menciona Fabio, filho de Lula. Desculpa!”, escreveu a jornalista.

Internautas questionaram a discreta manifestação de Witte Fibe. “Mas o pedido de desculpas deveria ser na mesma proporção da calúnia que a senhora alimentou, não?”, indagou Louise Caroline.

“É necessário ter responsabilidade quando se acusa alguém, pois o estrago pode não ter conserto. A ânsia não pode preceder a prudência”, observou Wendel.

“Jornalista que tranforma devaneio em fato e informa o que não sabe é como um médico querendo operar a fimose de um tomate”, escreveu Enio de Souza.

 

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

para lembrar

Medida vai acelerar uma solução – Obama –

Fonte: Folha de São Paulo - RUPERT CORNWELL - DO...

‘Desigualdade no Brasil é escolha política’, diz economista

As medidas de ajuste fiscal do governo do presidente...

Presidente Dilma apoia Ban Ki-moon para segundo mandato na ONU

Por: France Presse   A presidente Dilma Rousseff manifestou...

Cuba “examinará” proposta de diálogo em imigração com EUA

Fonte: Folha de São Paulo AP Photo/Carolyn Kaster O presidente do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=