Guest Post »

O preço da desigualdade

Artigos relacionam crescimento da extrema direita com ansiedade econômica

Por Laura Carvalho, da Folha de São paulo

Foto: erllre / iStock

Em pesquisa realizada com um painel de renomados economistas europeus, a Initiative on Global Markets (IGM) da Universidade de Chicago encontrou que apenas 2% dos participantes discordam da afirmação de que “o aumento da desigualdade está prejudicando a saúde da democracia liberal”, e apenas 7% rejeitam a ideia de que “políticas e gastos redistributivos provavelmente limitariam o crescimento do populismo”.

De fato, a identificação da desigualdade e da ansiedade econômica como elementos centrais para o crescimento da extrema direita no mundo vem ganhando cada vez mais espaço na literatura.

Em artigo aceito pela American Economic Review, Thiemo Fetzer demonstrou que o corte de programas sociais no Reino Unido desde 2010 aumentou o apoio ao brexit.

Em estudo de 2017 sobre a inclusão de imigrantes em um programa de habitação social na Áustria, Charlotte Cavaille e Jeremy Ferwerda já haviam sugerido que o maior conflito distributivo sobre a provisão de bens públicos aumenta o desempenho de partidos de extrema direita.

Estudos econométricos feitos para os EUA e diversos países da Europa apontam, ainda, que a exposição a produtos importados chineses tende a beneficiar candidatos não moderados, reforçando o papel da globalização para esses fenômenos. Essa última também está na raiz do declínio da classe média identificado por Branko Milanovic em seu livro “Global Inequality” como catalisador da recessão democrática global.

Ao tentar compreender como choques distintos de globalização poderiam levar ao crescimento do populismo de direita, ou de esquerda, a depender do tipo de divisão na sociedade explorado pelos políticos, Dani Rodrik propôs a seguinte hipótese. De um lado, a liberalização comercial e a imigração favoreceriam a ênfase nas divisões identitárias, que marcam o populismo cultural de direita observado nos EUA e na Europa.

De outro, a liberalização financeira fortaleceria divisões de renda, o que explicaria o maior peso do populismo econômico de esquerda no Sul da Europa e na América Latina.

Nesse sentido, a eleição de Jair Bolsonaro em 2018 pode ter vindo como uma surpresa.

Afinal, assim como outros países da América Latina, o Brasil beneficiou-se do processo do crescimento chinês nos anos 2000 —por meio da valorização do preço das commodities— e expandiu políticas redistributivas para a base da pirâmide.

Mas, como sabemos, além de não termos conseguido evitar a perda de empregos industriais em meio à alta competitividade dos asiáticos, o fim desse ciclo nos levou a convergir para os conflitos distributivos crescentes, a austeridade e o aumento da desigualdade que já assolava os países ricos.

Em vez de culpar os imigrantes ou a China pelo aumento da insegurança econômica, a plataforma eleitoral de Jair Bolsonaro aproveitou-se da percepção já estabelecida em meio aos escândalos da Operação Laja Jato de que a corrupção era a própria causa da crise.

O inimigo a ser combatido era, portanto, o establishment do sistema político e a esquerda, em particular.

Não à toa, ao contrário de Donald Trump, do brexit ou de Viktor Orbán na Hungria, Bolsonaro uniu ao conservadorismo moral típico desses movimentos uma agenda ultraliberal na economia: livrar-se de um Estado corrupto em todas as áreas (que não a segurança pública) seria também a solução para a crise.

O acúmulo de frustrações da população em meio às sucessivas promessas de retomada, que passaram do impeachment de Dilma Rousseff, ao teto de gastos e reforma trabalhista de Michel Temer, à reforma da Previdência aprovada na terça (22), contribuiu para essa aposta. Nas mais de 200 colunas publicadas nesse espaço desde 2015, não se viram promessas desse tipo.

Aproveito para me despedir do jornal com um agradecimento especial aos leitores que também torcem e trabalham por dias melhores, de uma economia a serviço da sociedade democrática.

Related posts