O racismo anda por aí, sempre andou, em gestos e em discursos do dia a dia

Um crime na vida, um crime na lei

no Esquerda.Net

Não, não é apenas uma ‘anormalidade’ que uns quaisquer ‘desvairados’ exibem num momento de irracionalidade. Não, o racismo anda por aí, sempre andou, em gestos e em discursos do dia a dia. Gestos e discursos que são política e que são cultura. O racismo é o que se respira no derrube das casas (?) de gente pobre da Amadora ou o que se ouve no insulto público no estádio de futebol. O racismo é o que continua a marcar o quotidiano de esquadras de polícia ou o que se exprime no não arrendamento de uma casa a alguém por causa da cor da sua pela. O racismo é o que se absorve em representações que não foram banidas de manuais escolares ou o que se mostra no impedimento de acesso a lugares públicos a “gente de cor”.

Há, pois, um ponto de partida sem o qual será a hipocrisia dos supostos brandos costumes e do efabulado excecionalismo intercultural e transracial português que campeará. Esse ponto de partida é o reconhecimento de que o racismo é uma realidade indesmentível e não residual em Portugal.

Até agora, a estratégia do Estado face a isto tem sido a de aplicar coimas à generalidade das práticas de discriminação racial. Processos morosos e burocratizados, pelo meio dos quais se vai perdendo o sentido da violência que foi perpetrada por palavras ou por atos. Processos que exigem das vítimas uma exposição que não querem ter e que não lhes asseguram diretamente as indemnizações a que devem ter direito.

Por tudo isto, um Estado que se leva a sério e que leva a sério a tarefa de combater o racismo e as discriminações que lhe dão voz não pode deixar de dar reprovação jurídica máxima ao que merece reprovação social máxima. E isso tem um nome: crime. Se há área da vida social em que é mais indiscutível o desvalor das práticas de discriminação é precisamente a que se refere à diversidade de ascendências ou origens étnicas. Criminalizar as expressões de racismo que se abatem diretamente sobre pessoas concretas não tem, pois, nada de obsessivo. O Código Penal não é um fetiche nem uma panaceia. Mas tem que ser um instrumento de defesa dos direitos humanos e disso não se pode prescindir para combater estas discriminações alarves. Se estas práticas mais abjetas de discriminação racial não constituírem crimes, é toda a tarefa de combate ao racismo que resultará diminuída.

A anormalidade do racismo é mais normal do que gostamos de dizer que é. É essa normalidade do anormal que se impõe travar política, cultural e legalmente. Para as tantas vítimas, o racismo é um crime contra as suas vidas. Porque é que se teima em não dar a devida expressão a isto na lei?

+ sobre o tema

Assassinato da Drª Isabel Machado, Advogada Criminalista e Presidente da OAB-RJ seção Cabo Frio

Assassinato de Isabel Machado: Movimento negro solicita intervenção da...

Menino 23

Menino 23 é um documentário que retrata a investigação...

Relacionamento Afrocentrado não é conto de fadas da Disney

Relações afrocentradas são aquelas que envolvem escolha de e...

Manuela Hermes de Lima: O Envelhecer e o Racismo no Brasil

“Quando você me vir caminhando, tropeçando, não analise e...

para lembrar

A ostentação negra incomoda

Ostentar significa “alarde, exibição vaidosa, vanglória”. Qualquer um pode...

Participante do programa Mulheres Ricas Regina Manssur vê risco de aglomerações em shoppings “descambarem”

Após se declarar apavorada pela possibilidade dos rolezinhos representarem risco à...

“A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo”

Nascido em uma comunidade pobre de Salvador, Paulo Rogério...

Violência e ideologia

Assistimos ao espetáculo da violência. A própria frase encerra...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=