O racismo e a xenofobia não incomodam a Prefeitura de Joinville

O Haiti não é aqui!

Por FELIPE CARDOSO, do Chuva Ácida

Essa foi a frase escrita na parede de uma empresa na Zona Sul de Joinville que pôde ser vista por muitas pessoas que fazem o trajeto em direção aos bairros da região. Um grupo antifascista tratou logo de tentar apagar o ataque e tentar minar, da maneira que eles tinham nomomento, a propagação da ideologia do ódio contra estrangeiro, mais especificamente contra estrangeiros negros.

Mas o papel principal que pertence ao poder público não foi feito até o momento. Após um ano de luta e reivindicações de diversas entidades da cidade para a criação e efetivação de políticas públicas que garantissem a segurança e a integração dos imigrantes haitianos em Joinville, nada foi feito.

O atual prefeito Udo Döhler prometeu cumprir todos os pedidos que foram apresentados: criaçãode uma casa de acolhimento para os imigrantes; aulas de português; reunião com empresários para criar diálogo sobre a empregabilidade dos haitianos.

O pouco que foi conquistado foi graças a mobilização popular das pastorais da Igreja Católica, de organizações políticas, movimentos sociais e de muitas pessoas que se solidarizaram com a causa. Hoje, os haitianos contam com uma associação independente e lutam de forma organizada para buscar os seus direitos na cidade.

A atual gestão mostra total descaso com essas pessoas. O Conselho da Igualdade Racial (COMPIR) também, deixando transparecer certo alinhamento de ideologia e má vontade em realizar críticas ao comando do Executivo. Aliás, muitas das denúncias feitas ao COMPIR não tem o encaminhamento desejado, deixando em dúvida a utilidade de tal.

Um Conselho mais atuante e atento às movimentações da cidade é urgente. Não podemos nos conformar com a passividade e o silêncio de um órgão criado exclusivamente para atender e se dedicar a essa causa: Igualdade Racial! Bem como não podemos isentar o atual prefeito e seus secretários que estavam presentes nas duas reuniões e se comprometeram em atender todas as reivindicações.

Enquanto mensagens que preguem o respeito e a boa convivência não são emitidas por órgãos públicos (que tem essa função), o discurso de ódio continuará ganhando espaço e força.

Um ano se passou e praticamente nada foi feito pela mão do prefeito para tentar resolver o problema de vez. Um ano se passou e o ódio continua imperando. Agora, cobrado nas mídias sociais, um dos secretários que tem tempo para dizer em sua rede social que esse não é o maior blog de Santa Catarina, desapareceu.

Depois, em época de eleição, não adiantará procurar os haitianos para fazer coisas às pressas, ou tentar comprá-los para fazer propagandas políticas. Nós não esqueceremos!

O racismo e a xenofobia não incomodam a Prefeitura de Joinville.

+ sobre o tema

‘Educamos meninas mal porque tratamos mulheres mal’, diz Michelle Obama

Se quisermos mais meninas nas escolas, precisamos refletir sobre...

Pesquisa investiga marcas do racismo em “famílias inter-raciais”

Cento e vinte e nove anos depois da abolição...

O homem branco naquela fotografia

Às vezes as fotografias enganam. Esta, por exemplo. Representa...

para lembrar

EUA tentam reparar uso de dados genéticos de família de Henrietta Lacks

  Células retiradas de paciente morta em 1951,...

Atleta acusada de racismo. “Estou feliz por ter sido a segunda branca”

Joanna Jóźwik ficou em 5.º lugar na prova de...

Brasil defende aplicação mundial de seu programa de igualdade racial

O ministro da Igualdade Racial, Edson Santos, defendeu hoje...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=