O voto das mulheres

Por Fernanda Pompeu

 

A primeira vez que pude exercer o direito de votar para presidente da República, já era uma mulher com 34 anos. Isso porque antes houve uma ditadura que negava aos brasileiros o voto direto. Mas democracia que segue, hoje: negros, brancos, indígenas; mulheres, homens, transexuais; analfabetos, doutores; com-dinheiro, sem-dinheiro; cadeirantes – somando 142 milhões de eleitores – votam soberanamente.

Por conta de tudo isso, adoro eleições. Não que os candidatos sejam uma brastemp. Muitos, aliás, estão a anos-luz da decência. Mas o dia da votação é mais do eleitor do que do candidato. É a ocasião em que saio do anonimato político para meter dedo e bedelho numa urna eletrônica. É pouco. Mas é o básico.

Outra sensação boa tem a ver com a História. No Brasil, as mulheres só tiveram direito ao voto em 1932. Meu pai estava com dois anos e minha mãe nasceria um ano depois. Há quem pense que o voto feminino foi obra de Getúlio Vargas. Mas não é bem assim. Centenas de sufragistas corajosas são as verdadeiras responsáveis pelas mulheres votarem e serem elegíveis.

Anote que governantes levam a fama das mudanças. Mas, por trás dos panos, tem muita gente que lutou e luta para que coisas mudem. Gente que acredita. Sempre são os mais discriminados – negros, mulheres, indígenas, gays, pobres – que começam a roer a corda que os aprisionam.

Outro dia, escrevi uma resenha sobre o livro Virtuosas e Perigosas – As mulheres na Revolução Francesa, da pesquisadora Tania Morin. A autora trabalha um ótimo panorama do protagonismo das mulheres do povo na revolução das guilhotinas. Mas também anota que, apesar de tudo, as francesas só conquistariam o direito de votar em 1945. Ou seja, treze anos depois das brazucas.

quem diga que a História é informação de museu. Mas acrescento que é ela quem empresta densidade ao presente. Quando ponho meu dedinho no confirmar da urna eletrônica, faço uma prece silenciosa e reverente a todas as mulheres que, com sua coragem, viabilizaram o meu voto.

No 26 de outubro, irei repetir o rito. O gesto autodeterminado de escolher. Posso acertar, posso errar. Tanto faz. O que interessa mesmo é a festa, da qual não preciso de convite. Pois ela me pertence por conquista.

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

Rota sofre 2º atentado em menos de 17h – São Paulo

Homem foi morto na madrugada de ontem ao supostamente...

“A cena que não esqueço é o selfie de uma família que leva uma babá para o protesto”

Com 23 anos de repórter, jamais havia me defrontado...

O ENEM, os direitos humanos, a liberdade de expressão e a lógica da dominação

A decisão monocrática da presidente do Supremo Tribunal Federal...

Para Lula, Brasil encontrou caminho para a geração de empregos

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da...

para lembrar

Escrever em Veneza

Por Fernanda Pompeu Alguns amigos e muitos conhecidos me perguntam...

Encontro marcado

O longaBirdman,dirigido pelo mexicano Alejandro González Iñárritu, levou 4...

Lembrar de esquecer

Quem acompanhou a série de TV Mad Men, além...

A gente não lê pra subir na vida. A gente lê porque é vida.

Para Bel Santos Mayer, formadora de leitores Fonte: Fernanda Pompeu...

Fátima Oliveira dos 1000 Legados

Temos trabalho e prazer para muitas gerações Por Fernanda Pompeu em seu blog  Em 2005, tive a honra e o prazer de entrevistar a médica Fátima Oliveira (1953-2017)....

A vida é raçuda

Alvorada Acordar cedo é fonte de sofrimento para Celina Macunis. Toda vez que é obrigada a sair da cama antes das 10, vivencia a espantosa...

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza Bairros. Ela foi de tudo: ativista, professora, ministra. Gaúcha e baiana. O texto que segue...
-+=