Obama anuncia R$ 735 milhões em ajuda aos palestinos

Após um encontro com o presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou um pacote de ajuda aos palestinos de US$ 400 milhões (R$ 735 milhões) e disse que a situação das relações entre palestinos e israelenses é “insustentável”.

Obama disse que uma nova atitude é necessária em Gaza, e que a tensão na região precisa ter uma abordagem melhor.

O presidente dos EUA disse que espera um “verdadeiro progresso” nos próximos meses com os esforços norte-americanos para patrocinar o início de conversações de paz diretas entre israelenses e palestinos.

“Os dois lados têm que criar um ambiente, um clima que conduza para uma mudança real”, disse Obama na Casa Branca, após o encontro com Abbas.

Abbas visitou a Casa Branca nesta quarta-feira, em meio à pressão internacional após o ataque israelense contra uma frota humanitária que tentava chegar a Gaza, ocorrido em 31 de maio, que deixou nove mortos.

Obama disse ainda que a situação em Gaza é “insustentável”, e que é importante investigar todos os aspectos sobre o episódio envolvendo a frota.

O líder palestino, que falou depois de Obama, qualificou o bloqueio a Gaza de “cerco” ao povo palestino.

 

INVESTIGAÇÃO

Nesta terça-feira, Israel anunciou que irá criar uma comissão civil para investigar o ataque de seus militares, mas seu mandato se limitará a examinar os aspectos jurídicos do bloqueio a Gaza e da operação marítima.

“Decidiu-se que a comissão que será criada examine duas questões: se o bloqueio marítimo está conforme o direito internacional e se a operação contra a frota também foi de acordo com o direito internacional”, afirmou à rádio pública.

A comunidade internacional exige ao menos um componente internacional na investigação sobre essa operação, ocorrida em 31 de maio.

A decisão sobre o mandato da comissão foi adotada ontem durante uma reunião do foro dos sete principais ministros do governo de Binyamin Netanyahu, da qual Begin participou.

A comissão não terá o direito de interrogar os soldados e oficiais que participaram da operação contra a frota.

Segundo meios de comunicação israelenses, céticos sobre a eficiência da iniciativa, a comissão será integrada por juristas e ex-altos diplomatas israelenses, com dois advogados estrangeiros como observadores.

O Exército iniciou sua própria investigação interna, criando uma equipe de especialistas integrada por generais da reserva que “examinará o desenvolvimento da operação e tirará suas conclusões”, que serão entregues até 4 de julho.

 

ONU

No domingo (6), Netanyahu não aceitou a proposta do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, de criar uma comissão internacional que investigue o ataque à frota que levava ajuda internacional à faixa de Gaza e que resultou na morte de nove ativistas.

“Disse ao secretário-geral da ONU que a investigação dos fatos deve ser conduzida de forma responsável e objetiva e que estamos buscando outras alternativas”, explicou Netanyahu aos ministros do governo de coalizão que militam em seu partido, o Likud.

O escritório do premiê comunicou que ele havia falado com o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden; o presidente francês, Nicolas Sarkozy; o enviado do Quarteto para o Oriente Médio, Tony Blair, e os primeiros-ministros do Canadá, Geórgia, Bulgária e Grécia em uma rodada telefônica para explicar a postura de Israel sobre o bloqueio a Gaza.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

para lembrar

Discurso integral de vitória de Barack Obama 2012

  "Se alguém ainda duvida que a América é o...

Brasil tem quase 370 mil escravos modernos, diz relatório

Em números absolutos, País lidera ranking negativo na América...

Estigma social e racismo institucional cercam Bairro de Casal de Mira

O cerco ao bairro do Casal da Mina...

Carta da avó: o voto feminino & liberdades democráticas

Em eleição, "carta" pega bem... Matutei escrever uma para...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...
-+=